Como o fascínio da humanidade com o ‘rei dos animais’ acabou com uma espécie

leaoLeão-do-atlas chegou a ocupar jaulas na Torre de Londres e acabou extinto, mas há planos para ressuscitá-lo usando técnicas de clonagem.
Leões abriram caminho pela história com a beleza e agilidade, inspirando medo e respeito.
Mas, apesar do fascínio gerado por estas criaturas, os humanos conseguiram acabar com um tipo de leão, segundo a jornalista da BBC Mary Colwell.
O tema do leão aparece em brasões de reis, carros, barras de chocolate e camisas de times. A famosa companhia cinematográfica MGM usou e ficou famosa com a imagem de um leão rugindo em seu logo, usada desde 1924.
Leões estão entre os assuntos mais populares dos filmes sobre história natural, nos quais cada nuance de suas vidas é explorada detalhadamente. Nunca nos cansamos da emoção de uma caçada ou de ver filhotes brincando em volta de um animal adulto e sonolento.
Há uma constelação de Leão e o animal é considerado a encarnação do poder e riqueza, um símbolo de beleza física, agilidade muscular e majestade.
Historicamente, o leão-do-atlas (também conhecido como leão-bérbere), uma subespécie de leões da Savana africana, eram considerados mais valiosos pois o macho exibia uma longa juba preta. Os pelos se estendiam da cabeça até a barriga, dando ao animal um perfil magnífico. Todos os que queriam mostrar ao mundo que tinham poder, queriam este leão.
Imperadores romanos queriam o felino como animal de estimação e gladiadores frequentemente tinham que enfrentar este leão na arena. O público vibrava com a visão da coragem humana contra a elegância e força do animal. A selvageria do leão o transformou em um agente perfeito para a execução de criminosos e cristãos.

Leões da Torre de Londres
Na Inglaterra medieval estes leões eram mantidos na Torre de Londres. As jaulas ficavam tão prontas da entrada – o Portão do Leão – que nenhum visitante podia entrar nos domínios reais sem primeiro encarar os olhos cor de âmbar do leão. A mensagem era clara – este rei tem até o magnífico leão sob controle.
Os crânios de dois leões-do-atlas machos foram encontrados por operários em um fosso da Torre em 1937. O método de datação por carbono determinou que os animais viveram entre 1280 e 1385, o que nos dá um vislumbre da condição física dos animais que viveram em Londres há cerca de 700 anos.
E o que foi descoberto é que os pobres animais morreram jovens, não tinham alimentação adequada e sofriam com problemas físicos.
Em um dos crânios, por exemplo, o buraco por onde entra a coluna é deformado.
“Deveria ter uma bela forma, subcircular”, afirmou Richard Sabin, curador da área de mamíferos no Museu de História Natural de Londres.
“Mas você pode perceber que, no topo do buraco, há preenchimento de osso, e isto é, na verdade, uma patologia, uma reação potencial a algum tipo de estresse nutricional. Quando o osso cresceu, pode ter feito pressão na coluna e causado paralisia e cegueira”, acrescentou.
Não que isto importava para os que iam olhar aquele leão. O que os visitantes da Torre de Londres viam naquela época era a epítome da majestade.

Cristianismo
Na mentalidade medieval o leão também tinha um significado cristão: representava Jesus Cristo e, na época, acreditava-se que filhotes de leão ficavam na toca durante três dias após o nascimento, sem forma ou identidade. Até que eles ouviam o rugido do pai e ganhavam vida e energia.
Era clara a referência a Jesus no útero esperando o Pai chamá-lo para uma nova vida.
O esplendor físico dos leões se fundia com o poder de Deus e a grandiosidade dos reis, dando aos leões medievais uma posição única.
Mas o desejo de ter um leão, principalmente os leões-do-atlas, significou que muitos deles foram tirados de seu habitat no norte da África e, durante séculos, os números da espécie sofreram quedas dramáticas.
A invenção da arma e a popularidade da caçada esportiva no século 19 reduziram ainda mais os números e os últimos leões-do-atlas selvagens foram mortos no meio do século 20.
O poder do leão, tão cobiçado pela elite da Europa, foi seu fim.

Recriando leões?
Pesquisas atuais sugerem que não existem leões-do-atlas puros em cativeiro, mas há discussões para trazer estes leões de volta à vida usando o DNA de parentes próximos na Índia, ou fazendo a reprodução seletiva de leões em cativeiro, leões que tenham os genes desta subespécie.
Mas qual seria a razão para se fazer isto? Mesmo se fosse tecnicamente possível ver um leão-do-atla puro novamente, ele seria apenas uma curiosidade e nunca poderia vagar pelo norte da África de novo.
“Podemos recriar o ambiente natural deles ou isto foi mudado para sempre? Ou eles vão ser apenas exemplos isolados de sua espécie em um zoológico, e as pessoas vão pagar para vê-los?”, questionou Richard Sabin.
No presente, o mais próximo que as pessoas vão chegar de um leão-do-atlas é em Trafalgar Square, a praça no centro de Londres na qual quatro esculturas de bronze deste leão guardam os pés da Coluna de Nelson. Colocados no local em 1867, eles são um lembrete comovente de nosso poder de destruir o que mais admiramos.
Sabin, no Museu de História Natural de Londres, acredita que os restos dos leões-do-atlas ainda têm um papel importante a cumprir.
“Dizimamos estes leões e os empurramos para a extinção. O fato de termos os restos deles em nossa coleção no museu significa que os pesquisadores têm a oportunidade de extrair dados e colocá-los em um contexto moderno e analisar de perto as espécies relacionadas que podem estar a caminho da extinção e, potencialmente, parar e desacelerar estas extinções.”
BBC
Foto: Thinkstock

leaoLeão-do-atlas chegou a ocupar jaulas na Torre de Londres e acabou extinto, mas há planos para ressuscitá-lo usando técnicas de clonagem.
Leões abriram caminho pela história com a beleza e agilidade, inspirando medo e respeito.
Mas, apesar do fascínio gerado por estas criaturas, os humanos conseguiram acabar com um tipo de leão, segundo a jornalista da BBC Mary Colwell.
O tema do leão aparece em brasões de reis, carros, barras de chocolate e camisas de times. A famosa companhia cinematográfica MGM usou e ficou famosa com a imagem de um leão rugindo em seu logo, usada desde 1924.
Leões estão entre os assuntos mais populares dos filmes sobre história natural, nos quais cada nuance de suas vidas é explorada detalhadamente. Nunca nos cansamos da emoção de uma caçada ou de ver filhotes brincando em volta de um animal adulto e sonolento.
Há uma constelação de Leão e o animal é considerado a encarnação do poder e riqueza, um símbolo de beleza física, agilidade muscular e majestade.
Historicamente, o leão-do-atlas (também conhecido como leão-bérbere), uma subespécie de leões da Savana africana, eram considerados mais valiosos pois o macho exibia uma longa juba preta. Os pelos se estendiam da cabeça até a barriga, dando ao animal um perfil magnífico. Todos os que queriam mostrar ao mundo que tinham poder, queriam este leão.
Imperadores romanos queriam o felino como animal de estimação e gladiadores frequentemente tinham que enfrentar este leão na arena. O público vibrava com a visão da coragem humana contra a elegância e força do animal. A selvageria do leão o transformou em um agente perfeito para a execução de criminosos e cristãos.

Leões da Torre de Londres
Na Inglaterra medieval estes leões eram mantidos na Torre de Londres. As jaulas ficavam tão prontas da entrada – o Portão do Leão – que nenhum visitante podia entrar nos domínios reais sem primeiro encarar os olhos cor de âmbar do leão. A mensagem era clara – este rei tem até o magnífico leão sob controle.
Os crânios de dois leões-do-atlas machos foram encontrados por operários em um fosso da Torre em 1937. O método de datação por carbono determinou que os animais viveram entre 1280 e 1385, o que nos dá um vislumbre da condição física dos animais que viveram em Londres há cerca de 700 anos.
E o que foi descoberto é que os pobres animais morreram jovens, não tinham alimentação adequada e sofriam com problemas físicos.
Em um dos crânios, por exemplo, o buraco por onde entra a coluna é deformado.
“Deveria ter uma bela forma, subcircular”, afirmou Richard Sabin, curador da área de mamíferos no Museu de História Natural de Londres.
“Mas você pode perceber que, no topo do buraco, há preenchimento de osso, e isto é, na verdade, uma patologia, uma reação potencial a algum tipo de estresse nutricional. Quando o osso cresceu, pode ter feito pressão na coluna e causado paralisia e cegueira”, acrescentou.
Não que isto importava para os que iam olhar aquele leão. O que os visitantes da Torre de Londres viam naquela época era a epítome da majestade.

Cristianismo
Na mentalidade medieval o leão também tinha um significado cristão: representava Jesus Cristo e, na época, acreditava-se que filhotes de leão ficavam na toca durante três dias após o nascimento, sem forma ou identidade. Até que eles ouviam o rugido do pai e ganhavam vida e energia.
Era clara a referência a Jesus no útero esperando o Pai chamá-lo para uma nova vida.
O esplendor físico dos leões se fundia com o poder de Deus e a grandiosidade dos reis, dando aos leões medievais uma posição única.
Mas o desejo de ter um leão, principalmente os leões-do-atlas, significou que muitos deles foram tirados de seu habitat no norte da África e, durante séculos, os números da espécie sofreram quedas dramáticas.
A invenção da arma e a popularidade da caçada esportiva no século 19 reduziram ainda mais os números e os últimos leões-do-atlas selvagens foram mortos no meio do século 20.
O poder do leão, tão cobiçado pela elite da Europa, foi seu fim.

Recriando leões?
Pesquisas atuais sugerem que não existem leões-do-atlas puros em cativeiro, mas há discussões para trazer estes leões de volta à vida usando o DNA de parentes próximos na Índia, ou fazendo a reprodução seletiva de leões em cativeiro, leões que tenham os genes desta subespécie.
Mas qual seria a razão para se fazer isto? Mesmo se fosse tecnicamente possível ver um leão-do-atla puro novamente, ele seria apenas uma curiosidade e nunca poderia vagar pelo norte da África de novo.
“Podemos recriar o ambiente natural deles ou isto foi mudado para sempre? Ou eles vão ser apenas exemplos isolados de sua espécie em um zoológico, e as pessoas vão pagar para vê-los?”, questionou Richard Sabin.
No presente, o mais próximo que as pessoas vão chegar de um leão-do-atlas é em Trafalgar Square, a praça no centro de Londres na qual quatro esculturas de bronze deste leão guardam os pés da Coluna de Nelson. Colocados no local em 1867, eles são um lembrete comovente de nosso poder de destruir o que mais admiramos.
Sabin, no Museu de História Natural de Londres, acredita que os restos dos leões-do-atlas ainda têm um papel importante a cumprir.
“Dizimamos estes leões e os empurramos para a extinção. O fato de termos os restos deles em nossa coleção no museu significa que os pesquisadores têm a oportunidade de extrair dados e colocá-los em um contexto moderno e analisar de perto as espécies relacionadas que podem estar a caminho da extinção e, potencialmente, parar e desacelerar estas extinções.”
BBC
Foto: Thinkstock