Chuva forte deixa um morto e 71 feridos no Paraná, diz Defesa Civil

muitaChuvaO levantamento mostra ainda que nove pessoas continuam desabrigadas e que as chuvas e ventos danificaram 3.127 casas e destruíram outras 11. Segundo o capitão Eduardo Gomes Pinheiro, da Defesa Civil Estadual, a morte foi registrada em Araruna, no noroeste, entre sexta (10) e sábado (11).
“Se trata de um jovem, que tentou atravessar um córrego que corta a propriedade da família e acabou levado pela água. O corpo foi encontrado pelo próprio pai, que não chegou a acionar o socorro. Por isso, as autoridades só puderam relacionar a morte às chuvas na terça (14)”, explicou.
No sudoeste, os moradores estão começando a voltar para casa nas áreas mais destruídas. Em outros pontos da cidade, porém, o nível dos rios Marrecas e Roncador já está 4 metros acima do normal e subindo cerca de 10 centímetros por hora, ameaçando invadir as áreas mais próximas. Para evitar os perigos dos alagamentos, algumas famílias tiveram de deixar as residências na manhã desta quarta (15).
A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Rural de Francisco Beltrão estima que os prejuízo no interior do município, área mais atingida, passem de R$ 5 milhões. De acordo com o levantamento, pelo menos 25 propriedades rurais foram atingidas.
Em apenas uma propriedade, onde uma área de reflorestamento foi devastada com os ventos, o prejuízo chega a R$ 1,2 milhão. Em outra propriedade, dois aviários foram destruídos e 60 mil pintinhos morreram. Perda de cerca de R$ 800 mil.

Ajuda
A Secretaria Municipal de Assistência Social de Francisco Beltrão começou nesta terça uma campanha para arrecadar donativos às famílias atingidas pelo tornado. Quem desejar ajudar pode se informar sobre como fazer a doação pelos telefones (46) 3520-2190, (46) 3520-2191 e (46) 3520-2192. Além de água, alimentos, roupas, calçados e cobertores, também podem ser doados materiais de construção e móveis.

Tornado
Um tornado é uma coluna de ar que gira em redemoinho em uma velocidade que pode ultrapassar os 400 km/h. A Escala Fujita, de classificação dos ventos, começa em 65 km/h e chega a mais de 500 km/h. O F0 é o mais fraco e o F5 é considerado o mais forte.
Por meio de análise de imagens, o Sistema Tecnológico Simepar, que atua em parceria com o Governo do Estado, e a Somar Meteorologia já haviam classificado o evento meteorológico como tornado. Porém, ainda não é possível comprovar a intensidade do fenômeno.
“O fenômeno surge da formação de uma grande nuvem de tempestade, chamada de supercélula, provocada por um grande contraste de massas de ar diferentes, uma quente e uma fria, se chocando e forçando ventos fortes saírem da nuvem, em formato de funil, que toca o solo, funcionando como um aspirador gigante e que vai sugando tudo o que encontra. Mas, diferente de uma tempestade, os estragos são concentrados em pequenas áreas”, completa a especialista.

Cidades atingidas
Os municípios atingidos são: Alto Paraíso, Amaporã, Ampére, Apucarana, Araruna, Barracão,Bom Jesus do Sul, Cafezal do Sul, Congonhinhas, Corbélia, Floresta, Francisco Beltrão, General Carneiro, Indianópolis, Iporã, Jandaia do Sul, Janiópolis, Loanda, Londrina, Lunardelli,Manfrinópolis, Marialva, Mariópolis, Matelândia, Mauá da Serra, Nova Londrina, Pérola D’Oeste, Pinhão, Ponta Grossa, Pranchita, Prudentópolis, Roncador, Rondon, Santa Cruz de Monte Castello, Santana do Itararé, Santo Antônio do Sudoeste, São Jorge do Ivaí, São Jorge do Patrocínio, São José dos Pinhais, São Pedro do Paraná, Terra Rica, Umuarama e Vitorino.
G1

Banner Add

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial