Nave tripulada russa Soyuz se acopla à Estação Espacial Internacional

naveA nave russa Soyuz TMA-18M, com três tripulantes a bordo – um russo, um dinamarquês e um cazaque -, se acoplou com sucesso nesta sexta-feira (4) ao módulo russo MIM da Estação Espacial Internacional (ISS).
“O acoplamento foi realizado em modo automático”, informou um porta-voz do Centro de Controle de Voos russo à agência “Interfax”.
A nave decolou há pouco mais de 50 horas da base de Baikonur, no Cazaquistão, com o auxílio de um foguete portador Soyuz-FG.
Inicialmente estava previsto que a Soyuz se acoplasse à ISS seis horas após sua decolagem, mas a agência espacial russa Roscosmos decidiu modificar o programa de voo por motivos de segurança.
A tripulação da Soyuz é formada pelo russo Sergei Volkov, comandante da nave, o dinamarquês Andreas Mogensen e o cazaque Aidin Aimbetov, que substituiu à cantora britânica Sarah Brightman, que pretendia se tornar a oitava turista espacial.
No entanto, Brightman, de 54 anos, desistiu de seu propósito por “motivos familiares” e interrompeu seu treinamento para voar ao espaço.
Perante a impossibilidade de preparar a tempo outro turista espacial, a Roscosmos decidiu cobrir a vaga com um astronauta profissional.
Mogesen, primeiro astronauta dinamarquês, e Aimbetov, primeiro astronauta do Cazaquistão independente, permanecerão um total de oito dias na ISS e retornarão à Terra acompanhados do russo Gennady Padalka, um dos atuais seis inquilinos da plataforma orbital.
Além de Padalka, a tripulação da ISS é integrada pelos também russos Mikhail Kornienko e Oleg Kononenko, o japonês Kimiya Yui e os americanos Kjell Lindgren e Scott Kelly.
A Estação Espacial Internacional, um projeto de mais de US$ 100 bilhões no qual participam 16 nações, orbita a uma velocidade de mais de 27.000 km/h a uma distância de 400 quilômetros da Terra.
G1

naveA nave russa Soyuz TMA-18M, com três tripulantes a bordo – um russo, um dinamarquês e um cazaque -, se acoplou com sucesso nesta sexta-feira (4) ao módulo russo MIM da Estação Espacial Internacional (ISS).
“O acoplamento foi realizado em modo automático”, informou um porta-voz do Centro de Controle de Voos russo à agência “Interfax”.
A nave decolou há pouco mais de 50 horas da base de Baikonur, no Cazaquistão, com o auxílio de um foguete portador Soyuz-FG.
Inicialmente estava previsto que a Soyuz se acoplasse à ISS seis horas após sua decolagem, mas a agência espacial russa Roscosmos decidiu modificar o programa de voo por motivos de segurança.
A tripulação da Soyuz é formada pelo russo Sergei Volkov, comandante da nave, o dinamarquês Andreas Mogensen e o cazaque Aidin Aimbetov, que substituiu à cantora britânica Sarah Brightman, que pretendia se tornar a oitava turista espacial.
No entanto, Brightman, de 54 anos, desistiu de seu propósito por “motivos familiares” e interrompeu seu treinamento para voar ao espaço.
Perante a impossibilidade de preparar a tempo outro turista espacial, a Roscosmos decidiu cobrir a vaga com um astronauta profissional.
Mogesen, primeiro astronauta dinamarquês, e Aimbetov, primeiro astronauta do Cazaquistão independente, permanecerão um total de oito dias na ISS e retornarão à Terra acompanhados do russo Gennady Padalka, um dos atuais seis inquilinos da plataforma orbital.
Além de Padalka, a tripulação da ISS é integrada pelos também russos Mikhail Kornienko e Oleg Kononenko, o japonês Kimiya Yui e os americanos Kjell Lindgren e Scott Kelly.
A Estação Espacial Internacional, um projeto de mais de US$ 100 bilhões no qual participam 16 nações, orbita a uma velocidade de mais de 27.000 km/h a uma distância de 400 quilômetros da Terra.
G1