Beber pouca água faz o cérebro achar que você está com fome. Saiba mais!

poucaAguaVocê é daquelas pessoas que sente fome a quase todo o momento e não encontra explicação para essa vontade louca por comidas? Saiba que a desidratação leve, exagero no consumo de carboidratos simples – caso de alimentos feitos com farinha branca – ou mesmo optar somente por frutas nos lanchinhos entre refeições podem ser algumas das causas.
Segundo a endocrinologista e metabologista, doutora Viviane Christina de Oliveira, a região que regula nosso apetite e sede fica na mesma área do cérebro. “Então, em situações como a correria do dia a dia, que acabamos ficando mais tempo sem nos hidratar, ou nos casos de pessoas que não bebem água, essa sensação pode ocorrer. Antes de ‘atacar’ um lanchinho, tente tomar um copo de água e esperar de 15 a 20 minutos para ver se a sua fome desaparece. Às vezes, o seu corpo só precisa de líquidos!”, ensina a especialista.
Sobre o consumo de carboidratos simples, Viviane lembra que estes não contêm fibras. “Se a pessoa come somente um prato de macarrão na refeição principal, aproximadamente duas horas mais tarde vai sentir fome, pois o carboidrato simples é digerido rapidamente”, exemplifica. Uma dica da especialista é optar pelo macarrão integral, que já tem fibra, ou mesmo nunca dispensar o acompanhamento. “Saladas com legumes e folhas são fontes de fibras. Procure ainda incluir proteína nesse prato”, explica ela.
A endocrinologista e metabologista aproveita e detalha porque optar por comer somente frutas nos lanches intermediários pode ser um erro. “Muita gente cai nessa ‘pegadinha’ de trocar todos os lanchinhos por fruta para manter peso e dieta. Mas as frutas são digeridas mais rapidamente. Além disso, experimente adicionar duas castanhas para melhorar a saciedade. Iogurte com chia é outro exemplo, vai ter absorção mais lenta porque é rica em fibras, consequentemente você vai demorar mais para sentir fome”, detalha ela.

DESIDRATAÇÃO
Segundo a endocrinologista e metabologista Viviane Christina de Oliveira, a desidratação leve do organismo pode ser facilmente confundida com fome.
POUCAaGUA2A especialista explica que a região que regula nosso apetite e sede fica na mesma área do cérebro. Então, em situações como a correria do dia a dia ou nos casos de pessoas que não bebem água, essa sensação pode ocorrer.
“Antes de ‘atacar’ um lanchinho, tente tomar um copo de água e esperar de 15 a 20 minutos para ver se a sua fome desaparece. Às vezes, o seu corpo só precisa de líquido! É importante ressaltar a importância de ingerir dois litros diários de água, cerca de oito copos.”, destaca Viviane.

SONO
A especialista lembra que dormir de sete a oito horas por noite é necessário para manter uma boa saúde. “Durante o dia, nosso corpo trabalha, sofre microlesões, então, é preciso descansar um tempo adequado para que ocorra a reparação. Quando não se descansa bem, altera-se uma série de hormônios, principalmente o cortisol, o que pode colaborar com o ganho de peso caso a pessoa tenha noites mal dormidas”, exp.
Além disso, as alterações no sono podem ‘acionar’ dois hormônios relacionados ao apetite. “Há um aumento dos níveis de grelina [hormônio que estimula o apetite] e a diminuição dos níveis de leptina [hormônio que provoca sensação de saciedade]. E então, no dia seguinte, a pessoa vai estar propensa a ter fadiga, cansada, estressada, além das alterações no humor e apetite”, afirma a médica.

CARBOIDRATOS SIMPLES
Os carboidratos simples nada mais são do que aqueles que não contêm fibras. Eles são muito encontrados em alimentos feitos com farinha branca (pão, bolo, bolacha e biscoito), além de arroz branco, açúcar e doces, como chocolate.
Para que você entenda, o carboidrato simples faz com que a glicose [açúcar no sangue] suba imediatamente. E, como consequência, há um pico de insulina (hormônio superpotente que faz a glicose baixar de forma rápida). Essa oscilação provoca fome intensa por mais carboidratos.
“Já notou como um chocolate ou qualquer outro doce deixa você incapaz de resistir a comer outro? Esse é o sinal de que o seu cérebro e seu corpo estão ‘viciados’ em carboidratos. Também já reparou que muitos restaurantes deixam pãezinhos brancos saborosos de entrada na mesa? Acontece que o pão abre o apetite”, alerta Viviane.
O mesmo acontece quando, nas refeições principais, opta-se por um prato de macarrão apenas. “Primeiro há uma sensação de sonolência e, duas horas mais tarde, fome, pois o carboidrato simples é digerido rapidamente”. Uma dica da especialista é optar pelo macarrão integral, que já tem fibra, ou mesmo nunca dispensar o acompanhamento.
“Saladas com legumes e folhas são fontes de fibras. Tente ainda incluir proteína nesse prato. O mesmo alimento é absorvido diferente, dependendo do que se come junto. E na hora de lanchar opte por alimentos que saciam, no lugar desses que abrem o apetite”, orienta.

ESTRESSE OU ANSIEDADE
De acordo com a especialista, quando a pessoa está tensa, ocorre aumento na produção dos hormônios do estresse – adrenalina e cortisol – e estes em níveis elevados enganam o corpo, que pensa estar sob ataque e precisa de energia.
“Então sua fome aumenta, principalmente de carboidratos, a fim de ter rápida resposta de energia para que você possa sobreviver a este estresse. O estresse também reduz os níveis de serotonina do cérebro, o que também pode aumentar sua fome”, afirma Viviane.
Além de estresse, a ansiedade também pode aumentar a fome. “Recebo muitos pacientes que, antes de adequar peso, trato a ansiedade. No fim, acaba sendo automático, a redução de quilos acontece quando a ansiedade é tratada. A pessoa acaba descontando a aflição que sente e os problemas do dia a dia na comida. O cérebro entende os carboidratos, caso de chocolate e outros doces, como algo prazeroso, então por isso o chocolate tem esse ‘poder’ de acalmar. Reveja sua rotina para reduzir os níveis de estresse e inicie atividades para relaxamento, caso de exercícios físicos, meditação ou qualquer outra coisa que lhe traga prazer”, orienta ela.
MSN

poucaAguaVocê é daquelas pessoas que sente fome a quase todo o momento e não encontra explicação para essa vontade louca por comidas? Saiba que a desidratação leve, exagero no consumo de carboidratos simples – caso de alimentos feitos com farinha branca – ou mesmo optar somente por frutas nos lanchinhos entre refeições podem ser algumas das causas.
Segundo a endocrinologista e metabologista, doutora Viviane Christina de Oliveira, a região que regula nosso apetite e sede fica na mesma área do cérebro. “Então, em situações como a correria do dia a dia, que acabamos ficando mais tempo sem nos hidratar, ou nos casos de pessoas que não bebem água, essa sensação pode ocorrer. Antes de ‘atacar’ um lanchinho, tente tomar um copo de água e esperar de 15 a 20 minutos para ver se a sua fome desaparece. Às vezes, o seu corpo só precisa de líquidos!”, ensina a especialista.
Sobre o consumo de carboidratos simples, Viviane lembra que estes não contêm fibras. “Se a pessoa come somente um prato de macarrão na refeição principal, aproximadamente duas horas mais tarde vai sentir fome, pois o carboidrato simples é digerido rapidamente”, exemplifica. Uma dica da especialista é optar pelo macarrão integral, que já tem fibra, ou mesmo nunca dispensar o acompanhamento. “Saladas com legumes e folhas são fontes de fibras. Procure ainda incluir proteína nesse prato”, explica ela.
A endocrinologista e metabologista aproveita e detalha porque optar por comer somente frutas nos lanches intermediários pode ser um erro. “Muita gente cai nessa ‘pegadinha’ de trocar todos os lanchinhos por fruta para manter peso e dieta. Mas as frutas são digeridas mais rapidamente. Além disso, experimente adicionar duas castanhas para melhorar a saciedade. Iogurte com chia é outro exemplo, vai ter absorção mais lenta porque é rica em fibras, consequentemente você vai demorar mais para sentir fome”, detalha ela.

DESIDRATAÇÃO
Segundo a endocrinologista e metabologista Viviane Christina de Oliveira, a desidratação leve do organismo pode ser facilmente confundida com fome.
POUCAaGUA2A especialista explica que a região que regula nosso apetite e sede fica na mesma área do cérebro. Então, em situações como a correria do dia a dia ou nos casos de pessoas que não bebem água, essa sensação pode ocorrer.
“Antes de ‘atacar’ um lanchinho, tente tomar um copo de água e esperar de 15 a 20 minutos para ver se a sua fome desaparece. Às vezes, o seu corpo só precisa de líquido! É importante ressaltar a importância de ingerir dois litros diários de água, cerca de oito copos.”, destaca Viviane.

SONO
A especialista lembra que dormir de sete a oito horas por noite é necessário para manter uma boa saúde. “Durante o dia, nosso corpo trabalha, sofre microlesões, então, é preciso descansar um tempo adequado para que ocorra a reparação. Quando não se descansa bem, altera-se uma série de hormônios, principalmente o cortisol, o que pode colaborar com o ganho de peso caso a pessoa tenha noites mal dormidas”, exp.
Além disso, as alterações no sono podem ‘acionar’ dois hormônios relacionados ao apetite. “Há um aumento dos níveis de grelina [hormônio que estimula o apetite] e a diminuição dos níveis de leptina [hormônio que provoca sensação de saciedade]. E então, no dia seguinte, a pessoa vai estar propensa a ter fadiga, cansada, estressada, além das alterações no humor e apetite”, afirma a médica.

CARBOIDRATOS SIMPLES
Os carboidratos simples nada mais são do que aqueles que não contêm fibras. Eles são muito encontrados em alimentos feitos com farinha branca (pão, bolo, bolacha e biscoito), além de arroz branco, açúcar e doces, como chocolate.
Para que você entenda, o carboidrato simples faz com que a glicose [açúcar no sangue] suba imediatamente. E, como consequência, há um pico de insulina (hormônio superpotente que faz a glicose baixar de forma rápida). Essa oscilação provoca fome intensa por mais carboidratos.
“Já notou como um chocolate ou qualquer outro doce deixa você incapaz de resistir a comer outro? Esse é o sinal de que o seu cérebro e seu corpo estão ‘viciados’ em carboidratos. Também já reparou que muitos restaurantes deixam pãezinhos brancos saborosos de entrada na mesa? Acontece que o pão abre o apetite”, alerta Viviane.
O mesmo acontece quando, nas refeições principais, opta-se por um prato de macarrão apenas. “Primeiro há uma sensação de sonolência e, duas horas mais tarde, fome, pois o carboidrato simples é digerido rapidamente”. Uma dica da especialista é optar pelo macarrão integral, que já tem fibra, ou mesmo nunca dispensar o acompanhamento.
“Saladas com legumes e folhas são fontes de fibras. Tente ainda incluir proteína nesse prato. O mesmo alimento é absorvido diferente, dependendo do que se come junto. E na hora de lanchar opte por alimentos que saciam, no lugar desses que abrem o apetite”, orienta.

ESTRESSE OU ANSIEDADE
De acordo com a especialista, quando a pessoa está tensa, ocorre aumento na produção dos hormônios do estresse – adrenalina e cortisol – e estes em níveis elevados enganam o corpo, que pensa estar sob ataque e precisa de energia.
“Então sua fome aumenta, principalmente de carboidratos, a fim de ter rápida resposta de energia para que você possa sobreviver a este estresse. O estresse também reduz os níveis de serotonina do cérebro, o que também pode aumentar sua fome”, afirma Viviane.
Além de estresse, a ansiedade também pode aumentar a fome. “Recebo muitos pacientes que, antes de adequar peso, trato a ansiedade. No fim, acaba sendo automático, a redução de quilos acontece quando a ansiedade é tratada. A pessoa acaba descontando a aflição que sente e os problemas do dia a dia na comida. O cérebro entende os carboidratos, caso de chocolate e outros doces, como algo prazeroso, então por isso o chocolate tem esse ‘poder’ de acalmar. Reveja sua rotina para reduzir os níveis de estresse e inicie atividades para relaxamento, caso de exercícios físicos, meditação ou qualquer outra coisa que lhe traga prazer”, orienta ela.
MSN