Casal gay tem rede wi-fi mudada após visita de técnico: ‘Viadão’

viadao2Os donos de uma casa de chás no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, afirmam ter sido vítimas de um crime de homofobia por parte de um funcionário da GVT, que fornece o serviço de telefone e internet ao estabelecimento. Rodrigo Vilar e Giorgio Nilton da Silva são casados há três anos e tiveram o nome da rede Wi-Fi mudado para ‘viadão’ após a visita de um técnico da empresa. O caso foi na tarde de sexta-feira (18).
Procurada pelo G1, a Telefônica Vivo, dona da GVT, repudiou a atitude descrita pelo cliente e disse que vai apurar o caso com rigor. Em nota, a empresa afirma que “se constatada a conduta incorreta, totalmente conflitante com a orientação da companhia, tomará medidas administrativas rigorosas e reforçará ações de orientação para evitar que situações desse tipo voltem a ocorrer”.
De acordo com Rodrigo, um funcionário da GVT foi à loja a pedido deles, pois a internet e os telefones não estavam funcionando. Depois do serviço feito, a conexão foi restabelecida. Quando clientes da casa solicitaram a senha do Wi-Fi para se conectarem pelo smartphone, eles não conseguiram encontrar antiga rede com o nome da loja.
“Eu e os clientes vimos que havia várias outras Wi-Fis de estabelecimentos próximos, mas não a nossa. Até cheguei a comentar que havia essa rede ‘viadão’ com o sinal muito bom, mas não imaginava nunca que seria a nossa. Aí foi quando deu o estalo”, relata. Rodrigo tentou colocar a própria senha nesta rede – e ela conectou normalmente. “Eu não acreditei”, diz.
Ele alega que o termo usado é pejorativo e pode ser mal interpretado pelos frequentadores da casa de chá. “Imagina se chega um cliente e pergunta ‘amigo, qual é a wifi daqui?’ e a gente responde ‘viadão’? Outros gays poderiam pensar que a gente estava tirando onda e a gente não quer isso. As pessoas não podem brincar dessa forma com as outras”, aponta Rodrigo.
“Foi muito constrangedor, algo sem explicação”, conta Georgio. Ele ligou em seguida para a GVT e conseguiu reverter a ação.
“A gente não esconde nada de ninguém. Nossos clientes sabem, nosso negócio é uma extensão da nossa vida. A senha da nossa Wi-Fi é o dia em que nos conhecemos”, continua Rodrigo, que não gosta que o casal seja chamado de sócio. “A gente faz questão que digam que somos um casal”, destaca.
Rodrigo defende que, por um lado, ele e Giorgio terem sido as vítimas foi um ponto positivo. “É até bom que uma coisa dessas aconteça com a gente, que não tem medo de ser quem é. Talvez, se fosse com outras pessoas, elas estivessem se sentido mal e chorando por algo assim. Prefiro que seja comigo para que as pessoas entendam e parem de fazer isso”, conclui.
O casal reuniu provas, como as imagens das câmeras de segurança da casa de chá, e pretende entrar na Justiça contra a GVT. “A gente se sentiu constrangido e os clientes da gente também ficaram super chateados com a situação. Temos uma casa de chá, um lugar para as pessoas virem e relaxarem, não para lidar com situações assim”, reclama.
G1

viadao2Os donos de uma casa de chás no bairro de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, afirmam ter sido vítimas de um crime de homofobia por parte de um funcionário da GVT, que fornece o serviço de telefone e internet ao estabelecimento. Rodrigo Vilar e Giorgio Nilton da Silva são casados há três anos e tiveram o nome da rede Wi-Fi mudado para ‘viadão’ após a visita de um técnico da empresa. O caso foi na tarde de sexta-feira (18).
Procurada pelo G1, a Telefônica Vivo, dona da GVT, repudiou a atitude descrita pelo cliente e disse que vai apurar o caso com rigor. Em nota, a empresa afirma que “se constatada a conduta incorreta, totalmente conflitante com a orientação da companhia, tomará medidas administrativas rigorosas e reforçará ações de orientação para evitar que situações desse tipo voltem a ocorrer”.
De acordo com Rodrigo, um funcionário da GVT foi à loja a pedido deles, pois a internet e os telefones não estavam funcionando. Depois do serviço feito, a conexão foi restabelecida. Quando clientes da casa solicitaram a senha do Wi-Fi para se conectarem pelo smartphone, eles não conseguiram encontrar antiga rede com o nome da loja.
“Eu e os clientes vimos que havia várias outras Wi-Fis de estabelecimentos próximos, mas não a nossa. Até cheguei a comentar que havia essa rede ‘viadão’ com o sinal muito bom, mas não imaginava nunca que seria a nossa. Aí foi quando deu o estalo”, relata. Rodrigo tentou colocar a própria senha nesta rede – e ela conectou normalmente. “Eu não acreditei”, diz.
Ele alega que o termo usado é pejorativo e pode ser mal interpretado pelos frequentadores da casa de chá. “Imagina se chega um cliente e pergunta ‘amigo, qual é a wifi daqui?’ e a gente responde ‘viadão’? Outros gays poderiam pensar que a gente estava tirando onda e a gente não quer isso. As pessoas não podem brincar dessa forma com as outras”, aponta Rodrigo.
“Foi muito constrangedor, algo sem explicação”, conta Georgio. Ele ligou em seguida para a GVT e conseguiu reverter a ação.
“A gente não esconde nada de ninguém. Nossos clientes sabem, nosso negócio é uma extensão da nossa vida. A senha da nossa Wi-Fi é o dia em que nos conhecemos”, continua Rodrigo, que não gosta que o casal seja chamado de sócio. “A gente faz questão que digam que somos um casal”, destaca.
Rodrigo defende que, por um lado, ele e Giorgio terem sido as vítimas foi um ponto positivo. “É até bom que uma coisa dessas aconteça com a gente, que não tem medo de ser quem é. Talvez, se fosse com outras pessoas, elas estivessem se sentido mal e chorando por algo assim. Prefiro que seja comigo para que as pessoas entendam e parem de fazer isso”, conclui.
O casal reuniu provas, como as imagens das câmeras de segurança da casa de chá, e pretende entrar na Justiça contra a GVT. “A gente se sentiu constrangido e os clientes da gente também ficaram super chateados com a situação. Temos uma casa de chá, um lugar para as pessoas virem e relaxarem, não para lidar com situações assim”, reclama.
G1