Após 40 anos, irmãs órfãs se reencontram por acaso em hospital

orfasDuas irmãs órfãs foram separadas na Coreia do Sul na década de 1970. Quarenta anos depois, reencontraram-se por acaso ao serem contratadas para trabalhar no mesmo andar de um hospital nos Estados Unidos.
“Estava emocionada, chocada. Tenho uma irmã”, disse Meagan Hughes ao relatar o que sentiu quando viu o resultado do exame de DNA que ela e Holly Hoyle O’Brien decidiram fazer há algumas semanas depois de tantas semelhanças entre as duas, informou o diário Sarasota Herald-Tribune.
Hughes, conhecida então como Eun-Sook Shin, foi separada muito nova por sua mãe de seu pai alcoólatra, que ficou com sua meia-irmã dois anos mais velha, Pok-nam Shin, hoje chamada Holly Hoyle O’Brien.
Depois que seu pai morreu, O’Brien foi levada a um orfanato ao sul de Seul, onde viveu até 1978, quando aos nove anos foi adotada por um casal americano que a levou para viver no estado de Virgínia (leste).
Sua meia-irmã, Hughes, não tem mais recordações da mãe, mas lembra de seu orfanato na Coreia. Foi adotada em 1976 por outra família americana, que a criou no estado de Nova York (nordeste).

Amizade e semelhanças
Em janeiro passado, O’Brien foi contratada como enfermeira pelo hospital Doctors em Sarasota, Flórida (sudeste dos EUA). No mesmo andar, o quarto, Hughes começou a trabalhar em março.
As duas mulheres, que trabalhavam no mesmo turno, ficaram amigas imediatamente e começaram a perceber as muitas semelhanças entre ambas, como a de que tinham o mesmo sobrenome na Coreia.
“Pensei: é bom demais para ser verdade. Disse que tínhamos que fazer o exame de DNA, era a única maneira de saber a verdade”, contou O’Brien, de 46 anos.
Quando os resultados positivos chegaram em agosto, as irmãs não cabiam em si de tanta emoção.
“Estava tremendo, estava tão emocionada”, recorda O’Brien. “Mas em meu coração eu sabia (…) Sabia que estava em algum lugar”, declara referindo-se a sua irmã.
O’Brien, que não tem filhos, diz que agora espera com ansiedade as férias para passar tempo com suas “novas” sobrinhas, as duas filhas de Hughes. “Devo ter feito algo de bom na vida”, diz O’Brien, citada pelo Sarasota Herald-Tribune.
G1

orfasDuas irmãs órfãs foram separadas na Coreia do Sul na década de 1970. Quarenta anos depois, reencontraram-se por acaso ao serem contratadas para trabalhar no mesmo andar de um hospital nos Estados Unidos.
“Estava emocionada, chocada. Tenho uma irmã”, disse Meagan Hughes ao relatar o que sentiu quando viu o resultado do exame de DNA que ela e Holly Hoyle O’Brien decidiram fazer há algumas semanas depois de tantas semelhanças entre as duas, informou o diário Sarasota Herald-Tribune.
Hughes, conhecida então como Eun-Sook Shin, foi separada muito nova por sua mãe de seu pai alcoólatra, que ficou com sua meia-irmã dois anos mais velha, Pok-nam Shin, hoje chamada Holly Hoyle O’Brien.
Depois que seu pai morreu, O’Brien foi levada a um orfanato ao sul de Seul, onde viveu até 1978, quando aos nove anos foi adotada por um casal americano que a levou para viver no estado de Virgínia (leste).
Sua meia-irmã, Hughes, não tem mais recordações da mãe, mas lembra de seu orfanato na Coreia. Foi adotada em 1976 por outra família americana, que a criou no estado de Nova York (nordeste).

Amizade e semelhanças
Em janeiro passado, O’Brien foi contratada como enfermeira pelo hospital Doctors em Sarasota, Flórida (sudeste dos EUA). No mesmo andar, o quarto, Hughes começou a trabalhar em março.
As duas mulheres, que trabalhavam no mesmo turno, ficaram amigas imediatamente e começaram a perceber as muitas semelhanças entre ambas, como a de que tinham o mesmo sobrenome na Coreia.
“Pensei: é bom demais para ser verdade. Disse que tínhamos que fazer o exame de DNA, era a única maneira de saber a verdade”, contou O’Brien, de 46 anos.
Quando os resultados positivos chegaram em agosto, as irmãs não cabiam em si de tanta emoção.
“Estava tremendo, estava tão emocionada”, recorda O’Brien. “Mas em meu coração eu sabia (…) Sabia que estava em algum lugar”, declara referindo-se a sua irmã.
O’Brien, que não tem filhos, diz que agora espera com ansiedade as férias para passar tempo com suas “novas” sobrinhas, as duas filhas de Hughes. “Devo ter feito algo de bom na vida”, diz O’Brien, citada pelo Sarasota Herald-Tribune.
G1