Diretamente do MasterChef para o nosso portal

master

Na noite desta segunda feira, 14 de setembro, tivemos no bairro do Brooklin em São Paulo a noite dos Chefs, em sua primeira edição o evento teve a sua lotação máxima, contando com patrocinadores de grandes renomes como a: Karavelle, Casa Flora, Vinícola Goes, entre outros… No evento tivemos a presença dos renomados chefs de cozinha do reality show assinando o cardápio, no evento estiveram na cozinha: Carla, Cristiano, Lucas e Murilo, já nas mesas para provarem o excelente cardápio estiveram: Amilton, Marcos e Sabrina.
O cardápio constava as entradas, pratos principais e sobremesa; as entrada eram: Melancia, frizze, azeitonas pretas e queijo; já nos pratos principais eram: galinha, cuscuz e baby carrots no primeiro prato respectivamente, já no segundo tivemos porco, frutas amarelas e batatas; logo após na sobremesa tivemos uma panacota com bergamota, pimenta rosa e flores. Lógico que após este incrível menu fizemos uma entrevista com os participantes que estavam por lá!

master2

Bianca Ballotto: Como foi pra você participar do Masterchef Brasil? O que mudou na sua vida ?

Murilo: Foi uma experiência muito, muito incrível, entrei meio que de brincadeira e acabei me encontrando no programa, acho que o mais mudou é que no meio do programa eu fiz uma promessa de que eu quero viver fazendo o que eu gosto, fazendo o que eu amo, até abandonei minha profissão pra correr atrás disso! Foi uma virada total na minha carreira!

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Murilo: Eu descobri que queria ser cozinheiro dentro do programa, então eu acho que não dá para generalizar, a gente é um pouco infeliz quando generaliza tal, não concordo muito com ela, uma das provas disso é o Lucas também, tem 24 anos, entrou no programa e agora vai estar trabalhando com ela, acho que ela foi um pouco infeliz nesta declaração, não concordo muito!

Bianca Ballotto: Nas semanas anteriores entrevistei o Jacquin, e ele disse que a avaliação dele é feita somente através do paladar, você vivenciando aquilo acha que é realmente isso ou tem algum tipo de favoritismo?

Murilo: Temos muito pouco contato com eles durante as gravações, a gente não conversa com eles quase em nenhum momento, então eu realmente acredito que é paladar, na verdade eu espero pensar que sim!

master3

Bianca Ballotto: Como foi para você participar do Masterchef ? Você que foi super bem aceita pelo público e super querida por todos.

Sabrina: Foi um grande prazer, na verdade foi a realização de um sonho, porque eu sempre acompanhei o Masterchef Austrália, Estados Unidos, e esses programas de culinária me agradam muito, porque eu acho bacana esses reality‘s shows sem invasão de privacidade, que a pessoa mostra uma habilidade, um dom ou uma paixão que é cozinhar, então eu sempre fui super fã ! Então quando eu entrei, eu não acreditei, eu queria tocar tudo porque pra mim é como se eu estivesse dentro de um sonho, vivendo um sonho!

Bianca Ballotto: E foi realmente um sonho, ou não? Você criou um expectativa que talvez não tenha tido no programa?

Sabrina: Foi até mais, foi uma coisa incrível, primeiro eu achei que por ser uma competição, querendo ou não, que o clima ia ser diferente, mais pelo contrário, criamos laços que acho que será para toda a vida, e uma coisa a gente sempre comenta, que de um coisa a gente tem certeza, que temos algo em comum que é a paixão pela cozinha, então isso é muito legal e isso nos une muito, alguns mais do que os outros, mais a gente criou vínculos muito forte, então, foi muito mais do que eu esperava, então, ter a parceria com essas pessoas, a amizade, o reconhecimento super positivo do público, de ter esse contato com os jurados, não tínhamos um contato pessoal, você estar ali em frente uma pessoa que tem muito conhecimento e te passar dicas, porque as críticas deles eu encarava como uma dica, eu chegava em casa e ia estudar, então pra mim foi mais do que um sonho!

Bianca Ballotto: Nas semanas anteriores entrevistei o Jacquin, e ele disse que a avaliação dele é feita somente através do paladar, você vivenciando aquilo acha que é realmente isso ou tem algum tipo de favoritismo?

Sabrina: Eu sempre achei eles bem imparciais, tanto que quando era pra criticar eles criticavam mesmo, eles até tentavam manter esse distanciamento pra não ter esses queridinhos, se tinha de fato é que talvez pela edição transmita uma outra coisa, mas ali dentro da cozinha eu nunca consegui visualizar, o Jacquin ama tal pessoa, nunca consegui perceber isso, acho que eles fizeram muito bem o papel mantendo o distanciamento da gente pra de fato avaliar pelo paladar!

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Sabrina: Eu não sei, porque eu não conheço a Paolla com tanta proximidade pra saber avaliar se de fato é a forma como ela pensa, a minha avaliação sobre a situação é que muitos cozinheiros, chefs ou cozinheiros profissionais mesmo, tiveram toda uma trajetória tortuosa e trabalhosa pra chegar onde chegaram, então de fato ver que um programa consiga colocar a pessoa a tantos passos pra frente deve ser uma situação complicada, se foi verdade isso do íntimo dela, super respeito e acho que não foi completamente infeliz o comentário, mas querendo ou não é uma verdade porque não tem nada sem muito esforço, participar de um programa acaba nos colocando em uma situação que facilita, talvez a gente demoraria muito mais pra eles fazerem um jantar que nem eles estão fazendo hoje aqui, mas não significa que eles não estejam prontos, você vai ver a comida será maravilhosa, então talvez de fato tenha encurtado um pouco o caminho, pegamos de certa forma um atalho!

master4

Bianca Ballotto: Como foi para você participar do Masterchef? Esse reality show que é o mais visto aqui no Brasil.

Marcos: Foi uma grande oportunidade, todo mundo entrou lá para cozinhar diferente de qualquer coisa, lógico que tem a tv, tem tudo isso, a grande diferença é que todo mundo tinha um hobby, todo mundo não é mais tão novo, e queria ter isso pra dar uma impulsionada na vida, fui em um evento do Raul até que era em uma praça, tinha várias barracas mais a deles ficava lotada o tempo todo, não tinha um intervalo, se não tivéssemos ido para tv não íamos estar vivenciando isso, hoje aqui está “bombando” porque a gente participou do programa, se a Carla ou o Lucas enfim todos que estão assinando o cardápio hoje não tivesse participado hoje aqui estaria “ok”!

Bianca Ballotto: Nas semanas anteriores entrevistei o Jacquin, e ele disse que a avaliação dele é feita somente através do paladar, você vivenciando aquilo acha que é realmente isso ou tem algum tipo de favoritismo?

Marcos: Os três cozinham muito se não eles não estariam ali, é tv também, temos que entender isso que querendo ou não eles fazem um “personagem”, ou melhor, eles dão uma impulsionada no teu ser, no teu estereótipo, você coloca em “caps lock” da um aumento na sua intensidade, eles são críticos, deve ter um script, a gente não sabe o que acontece, deve ter um caminho mas é difícil julgar, o que é bom pra você talvez não é bom pra ele, e ele sabe o que é bom pra ele, o que é bem feito e mal feito, na cozinha é isso bem feito ou mal feito, não tem certo ou errado.

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Marcos: É dificil falar pois não sabemos em que momento que ela estava quando falou isso, ela está participando do programa, nos estamos lá, é um trabalho dela também, acima de qualquer coisa sei que eles estudaram muito, eles tem 20 ou 30 anos de experiência, a gente realmente não é ninguém comparado á eles, mais independente da gastronomia e em qualquer profissão você tem que ter a paixão pelo que faz porque isso te impulsiona a estudar, você não estuda por obrigação, você estuda porque quer aprender, você estuda porque gosta, e isso é um dos maiores princípios de você ter sucesso!

master5

Bianca Ballotto: Como foi pra você participar do Masterchef Brasil?

Cristiano: Pra mim foi muito gratificante, na verdade o ano passado eu assisti o programa e ficava falando: Se fosse eu, ia fazer isso ou aquilo! Mais foi muito gratificante, o programa me ajudou a ficar próximo da minha filha, então foi muito recompensador!

Bianca Ballotto: Algumas coisas de quando você assitia na sua casa e falava faria isso, faria aquilo você consegui fazer lá? Ou a pressão e os jurados não te deixou …

Cristiano: Na verdade eu não consegui fazer porque as provas mudaram, pois eu vi no dia do caranguejo, e disse: Á se fosse eu teria feito tal coisa, e no dia que eu vi a Arraia, que a Cecília pegou, porque eu fiz a arraia na entrada, com o caruru e vatapá, mais o que eu pude fazer que estava ao meu alcance, graças a Deus deu certo!

Bianca Ballotto: E sobre a sua briga com a Iranete, você que te prejudicou em algo, influenciou em alguma negatividade com fãs?

Cristiano: Acho que não, não me prejudicou em nada até porque quando teve esse acontecimento com a briga eu achei que o pessoal ia ficar com receio, mais não, o pessoal viu que eu falava o que eu sentia, porque eu falo o que eu sinto, se tiver achando que está ruim pra mim eu vou falar! Então depois eu vi quando ela saiu, que a gente até dançou forró, eu que o pessoal me apoiou e continuou me apoiando, depois sim, quando eu fiquei chateado de novo e o pessoal não entendeu, mais é normal!

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Cristiano: Ela talvez pensou pelo ano passado, ela deve ter visto alguma coisa e não foi aquilo que ela esperava, mais a maioria do pessoal desse ano você v6e que a maioria está trabalhando com isso, o pessoal que saiu primeiro está trabalhando com isso, o Amilton montou um food truck, a Aritana está trabalhando com isso, todo mundo está trabalhando com isso, todo mundo está trabalhando com cozinha, o Gustavo é advogado, ele largou a profissão pra trabalhar com cozinha e está morando aqui em São Paulo pra trabalhar com isso, acho que ela foi infeliz nesse comentário sim!

master6

Bianca Ballotto: Como foi pra você participar dessa experiência do Masterchef Brasil?

Carla: Como todo mundo deve dizer, pra mim foi especial, imagina depois de 20 anos, com uma carreira consolidada em treinamento, eu ter a surpresa que minha filha tinha me inscrito no Masterchef, foi uma surpresa, e eu resolvi encarar o desafio, a minha grande proposta depois de tanto tempo de liderança de pessoas, de equipes, de palestras e etc, falando sobre liderança e gerenciamento, como é você se auto-gerenciar e se colocar no lugar do outro, ou seja, eu seria a ponta mais fraca da corda, a que menos saberia as coisas, e ser comandada por pessoas muito mais jovens que eu, e que sabiam muito mais do que eu, então foi uma super lição de vida, e eu acho que me sai bem , eu fiquei feliz depois com aquilo que eu vi, achei que eu consegui mostrar que maturidade trás postura, equilíbrio, um bom senso crítico e uma capacidade que chamamos de resiliência, uma capacidade de assumir a carga sem sofrer, sem levar o preço tão alto, foi maravilhoso, muito legal, fora ter conhecido pessoas fantásticas, e isso é o melhor!

Bianca Ballotto: O que mudou na sua vida depois do Masterchef em geral?

Carla: Então, ainda não sei ! Está tudo mudando ! Eu continuo tendo uma empresa de treinamento, que graças a Deus eu tenho uma equipe maravilhosa, que conseguem tocar as coisas, e tenho essa “coisa” da cozinha que é absolutamente encantador, e pra mim é novo ! Aos 52 anos de idade, derrepente você ter um desafio novo, 28 anos casada, 20 anos na mesma profissão, “cara” é muito legal, as vezes sinto que eu tenho 25 anos de idade, tanto é que eu vejo a molecada falando: Nossa, eu ”tô morto”! E eu se pudesse começava tudo de novo, porque pra mim é tudo muito novo, muito legal, é um frescor de uma juventude que eu sei que eu não tenho, mais que está batendo, mais está muito legal, muito feliz !

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Carla: Eu acho que foi mal interpretado, e eu não acho que ela está totalmente errada, porque a carreira de um cozinheiro é muito mais do que participar de um reality, precisa que nós tenhamos um tempo, eu escolhi que não serei chef de cozinha, não vou trabalhar em restaurante, por enquanto pelo menos, eu acho que ela quis dizer que tem outros caminhos que são mais dolorosos, com mais esforço, mais complicado do que simplesmente você entrar num reality e dizerem que você cozinha bem, porque viu você cozinhando, eu não tiro as razões dela! Tanto é que as vezes as pessoas falam assim: Nossa, você cozinha super bem! E eu olho e falo assim: É?! Obrigada, mais você nunca comeu a minha comida! Então é assim, as pessoas compram aquilo que elas veem, eu não acho que elas esteja totalmente errado, mais talvez a maneira como foi colocado não foi a mais feliz!

master

Na noite desta segunda feira, 14 de setembro, tivemos no bairro do Brooklin em São Paulo a noite dos Chefs, em sua primeira edição o evento teve a sua lotação máxima, contando com patrocinadores de grandes renomes como a: Karavelle, Casa Flora, Vinícola Goes, entre outros… No evento tivemos a presença dos renomados chefs de cozinha do reality show assinando o cardápio, no evento estiveram na cozinha: Carla, Cristiano, Lucas e Murilo, já nas mesas para provarem o excelente cardápio estiveram: Amilton, Marcos e Sabrina.
O cardápio constava as entradas, pratos principais e sobremesa; as entrada eram: Melancia, frizze, azeitonas pretas e queijo; já nos pratos principais eram: galinha, cuscuz e baby carrots no primeiro prato respectivamente, já no segundo tivemos porco, frutas amarelas e batatas; logo após na sobremesa tivemos uma panacota com bergamota, pimenta rosa e flores. Lógico que após este incrível menu fizemos uma entrevista com os participantes que estavam por lá!

master2

Bianca Ballotto: Como foi pra você participar do Masterchef Brasil? O que mudou na sua vida ?

Murilo: Foi uma experiência muito, muito incrível, entrei meio que de brincadeira e acabei me encontrando no programa, acho que o mais mudou é que no meio do programa eu fiz uma promessa de que eu quero viver fazendo o que eu gosto, fazendo o que eu amo, até abandonei minha profissão pra correr atrás disso! Foi uma virada total na minha carreira!

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Murilo: Eu descobri que queria ser cozinheiro dentro do programa, então eu acho que não dá para generalizar, a gente é um pouco infeliz quando generaliza tal, não concordo muito com ela, uma das provas disso é o Lucas também, tem 24 anos, entrou no programa e agora vai estar trabalhando com ela, acho que ela foi um pouco infeliz nesta declaração, não concordo muito!

Bianca Ballotto: Nas semanas anteriores entrevistei o Jacquin, e ele disse que a avaliação dele é feita somente através do paladar, você vivenciando aquilo acha que é realmente isso ou tem algum tipo de favoritismo?

Murilo: Temos muito pouco contato com eles durante as gravações, a gente não conversa com eles quase em nenhum momento, então eu realmente acredito que é paladar, na verdade eu espero pensar que sim!

master3

Bianca Ballotto: Como foi para você participar do Masterchef ? Você que foi super bem aceita pelo público e super querida por todos.

Sabrina: Foi um grande prazer, na verdade foi a realização de um sonho, porque eu sempre acompanhei o Masterchef Austrália, Estados Unidos, e esses programas de culinária me agradam muito, porque eu acho bacana esses reality‘s shows sem invasão de privacidade, que a pessoa mostra uma habilidade, um dom ou uma paixão que é cozinhar, então eu sempre fui super fã ! Então quando eu entrei, eu não acreditei, eu queria tocar tudo porque pra mim é como se eu estivesse dentro de um sonho, vivendo um sonho!

Bianca Ballotto: E foi realmente um sonho, ou não? Você criou um expectativa que talvez não tenha tido no programa?

Sabrina: Foi até mais, foi uma coisa incrível, primeiro eu achei que por ser uma competição, querendo ou não, que o clima ia ser diferente, mais pelo contrário, criamos laços que acho que será para toda a vida, e uma coisa a gente sempre comenta, que de um coisa a gente tem certeza, que temos algo em comum que é a paixão pela cozinha, então isso é muito legal e isso nos une muito, alguns mais do que os outros, mais a gente criou vínculos muito forte, então, foi muito mais do que eu esperava, então, ter a parceria com essas pessoas, a amizade, o reconhecimento super positivo do público, de ter esse contato com os jurados, não tínhamos um contato pessoal, você estar ali em frente uma pessoa que tem muito conhecimento e te passar dicas, porque as críticas deles eu encarava como uma dica, eu chegava em casa e ia estudar, então pra mim foi mais do que um sonho!

Bianca Ballotto: Nas semanas anteriores entrevistei o Jacquin, e ele disse que a avaliação dele é feita somente através do paladar, você vivenciando aquilo acha que é realmente isso ou tem algum tipo de favoritismo?

Sabrina: Eu sempre achei eles bem imparciais, tanto que quando era pra criticar eles criticavam mesmo, eles até tentavam manter esse distanciamento pra não ter esses queridinhos, se tinha de fato é que talvez pela edição transmita uma outra coisa, mas ali dentro da cozinha eu nunca consegui visualizar, o Jacquin ama tal pessoa, nunca consegui perceber isso, acho que eles fizeram muito bem o papel mantendo o distanciamento da gente pra de fato avaliar pelo paladar!

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Sabrina: Eu não sei, porque eu não conheço a Paolla com tanta proximidade pra saber avaliar se de fato é a forma como ela pensa, a minha avaliação sobre a situação é que muitos cozinheiros, chefs ou cozinheiros profissionais mesmo, tiveram toda uma trajetória tortuosa e trabalhosa pra chegar onde chegaram, então de fato ver que um programa consiga colocar a pessoa a tantos passos pra frente deve ser uma situação complicada, se foi verdade isso do íntimo dela, super respeito e acho que não foi completamente infeliz o comentário, mas querendo ou não é uma verdade porque não tem nada sem muito esforço, participar de um programa acaba nos colocando em uma situação que facilita, talvez a gente demoraria muito mais pra eles fazerem um jantar que nem eles estão fazendo hoje aqui, mas não significa que eles não estejam prontos, você vai ver a comida será maravilhosa, então talvez de fato tenha encurtado um pouco o caminho, pegamos de certa forma um atalho!

master4

Bianca Ballotto: Como foi para você participar do Masterchef? Esse reality show que é o mais visto aqui no Brasil.

Marcos: Foi uma grande oportunidade, todo mundo entrou lá para cozinhar diferente de qualquer coisa, lógico que tem a tv, tem tudo isso, a grande diferença é que todo mundo tinha um hobby, todo mundo não é mais tão novo, e queria ter isso pra dar uma impulsionada na vida, fui em um evento do Raul até que era em uma praça, tinha várias barracas mais a deles ficava lotada o tempo todo, não tinha um intervalo, se não tivéssemos ido para tv não íamos estar vivenciando isso, hoje aqui está “bombando” porque a gente participou do programa, se a Carla ou o Lucas enfim todos que estão assinando o cardápio hoje não tivesse participado hoje aqui estaria “ok”!

Bianca Ballotto: Nas semanas anteriores entrevistei o Jacquin, e ele disse que a avaliação dele é feita somente através do paladar, você vivenciando aquilo acha que é realmente isso ou tem algum tipo de favoritismo?

Marcos: Os três cozinham muito se não eles não estariam ali, é tv também, temos que entender isso que querendo ou não eles fazem um “personagem”, ou melhor, eles dão uma impulsionada no teu ser, no teu estereótipo, você coloca em “caps lock” da um aumento na sua intensidade, eles são críticos, deve ter um script, a gente não sabe o que acontece, deve ter um caminho mas é difícil julgar, o que é bom pra você talvez não é bom pra ele, e ele sabe o que é bom pra ele, o que é bem feito e mal feito, na cozinha é isso bem feito ou mal feito, não tem certo ou errado.

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Marcos: É dificil falar pois não sabemos em que momento que ela estava quando falou isso, ela está participando do programa, nos estamos lá, é um trabalho dela também, acima de qualquer coisa sei que eles estudaram muito, eles tem 20 ou 30 anos de experiência, a gente realmente não é ninguém comparado á eles, mais independente da gastronomia e em qualquer profissão você tem que ter a paixão pelo que faz porque isso te impulsiona a estudar, você não estuda por obrigação, você estuda porque quer aprender, você estuda porque gosta, e isso é um dos maiores princípios de você ter sucesso!

master5

Bianca Ballotto: Como foi pra você participar do Masterchef Brasil?

Cristiano: Pra mim foi muito gratificante, na verdade o ano passado eu assisti o programa e ficava falando: Se fosse eu, ia fazer isso ou aquilo! Mais foi muito gratificante, o programa me ajudou a ficar próximo da minha filha, então foi muito recompensador!

Bianca Ballotto: Algumas coisas de quando você assitia na sua casa e falava faria isso, faria aquilo você consegui fazer lá? Ou a pressão e os jurados não te deixou …

Cristiano: Na verdade eu não consegui fazer porque as provas mudaram, pois eu vi no dia do caranguejo, e disse: Á se fosse eu teria feito tal coisa, e no dia que eu vi a Arraia, que a Cecília pegou, porque eu fiz a arraia na entrada, com o caruru e vatapá, mais o que eu pude fazer que estava ao meu alcance, graças a Deus deu certo!

Bianca Ballotto: E sobre a sua briga com a Iranete, você que te prejudicou em algo, influenciou em alguma negatividade com fãs?

Cristiano: Acho que não, não me prejudicou em nada até porque quando teve esse acontecimento com a briga eu achei que o pessoal ia ficar com receio, mais não, o pessoal viu que eu falava o que eu sentia, porque eu falo o que eu sinto, se tiver achando que está ruim pra mim eu vou falar! Então depois eu vi quando ela saiu, que a gente até dançou forró, eu que o pessoal me apoiou e continuou me apoiando, depois sim, quando eu fiquei chateado de novo e o pessoal não entendeu, mais é normal!

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Cristiano: Ela talvez pensou pelo ano passado, ela deve ter visto alguma coisa e não foi aquilo que ela esperava, mais a maioria do pessoal desse ano você v6e que a maioria está trabalhando com isso, o pessoal que saiu primeiro está trabalhando com isso, o Amilton montou um food truck, a Aritana está trabalhando com isso, todo mundo está trabalhando com isso, todo mundo está trabalhando com cozinha, o Gustavo é advogado, ele largou a profissão pra trabalhar com cozinha e está morando aqui em São Paulo pra trabalhar com isso, acho que ela foi infeliz nesse comentário sim!

master6

Bianca Ballotto: Como foi pra você participar dessa experiência do Masterchef Brasil?

Carla: Como todo mundo deve dizer, pra mim foi especial, imagina depois de 20 anos, com uma carreira consolidada em treinamento, eu ter a surpresa que minha filha tinha me inscrito no Masterchef, foi uma surpresa, e eu resolvi encarar o desafio, a minha grande proposta depois de tanto tempo de liderança de pessoas, de equipes, de palestras e etc, falando sobre liderança e gerenciamento, como é você se auto-gerenciar e se colocar no lugar do outro, ou seja, eu seria a ponta mais fraca da corda, a que menos saberia as coisas, e ser comandada por pessoas muito mais jovens que eu, e que sabiam muito mais do que eu, então foi uma super lição de vida, e eu acho que me sai bem , eu fiquei feliz depois com aquilo que eu vi, achei que eu consegui mostrar que maturidade trás postura, equilíbrio, um bom senso crítico e uma capacidade que chamamos de resiliência, uma capacidade de assumir a carga sem sofrer, sem levar o preço tão alto, foi maravilhoso, muito legal, fora ter conhecido pessoas fantásticas, e isso é o melhor!

Bianca Ballotto: O que mudou na sua vida depois do Masterchef em geral?

Carla: Então, ainda não sei ! Está tudo mudando ! Eu continuo tendo uma empresa de treinamento, que graças a Deus eu tenho uma equipe maravilhosa, que conseguem tocar as coisas, e tenho essa “coisa” da cozinha que é absolutamente encantador, e pra mim é novo ! Aos 52 anos de idade, derrepente você ter um desafio novo, 28 anos casada, 20 anos na mesma profissão, “cara” é muito legal, as vezes sinto que eu tenho 25 anos de idade, tanto é que eu vejo a molecada falando: Nossa, eu ”tô morto”! E eu se pudesse começava tudo de novo, porque pra mim é tudo muito novo, muito legal, é um frescor de uma juventude que eu sei que eu não tenho, mais que está batendo, mais está muito legal, muito feliz !

Bianca Ballotto: O que você achou da declaração que a Paolla deu a respeito de quem procura um reality show para seguir a carreira gastronômica?

Carla: Eu acho que foi mal interpretado, e eu não acho que ela está totalmente errada, porque a carreira de um cozinheiro é muito mais do que participar de um reality, precisa que nós tenhamos um tempo, eu escolhi que não serei chef de cozinha, não vou trabalhar em restaurante, por enquanto pelo menos, eu acho que ela quis dizer que tem outros caminhos que são mais dolorosos, com mais esforço, mais complicado do que simplesmente você entrar num reality e dizerem que você cozinha bem, porque viu você cozinhando, eu não tiro as razões dela! Tanto é que as vezes as pessoas falam assim: Nossa, você cozinha super bem! E eu olho e falo assim: É?! Obrigada, mais você nunca comeu a minha comida! Então é assim, as pessoas compram aquilo que elas veem, eu não acho que elas esteja totalmente errado, mais talvez a maneira como foi colocado não foi a mais feliz!