Webb, Burzaco e Davidson irão ao tribunal nos EUA no mesmo dia de Marin

A próxima audiência de José Maria Marin, ex-presidente da CBF preso em Zurique em 27 de maio e extraditado para os Estados Unidos na última semana, será no dia 16 de dezembro, às 12h no horário de Nova York (15h no horário de Brasília). A data já havia sido divulgada após a primeira audiência que selou o acordo para prisão domiciliar por US$ 15 milhões (cerca de R$ 57 milhões). Mas uma atualização na agenda de audiências do caso Fifa na página do Departamento de Justiça americano mostra que as outras três sessões antes marcadas para o dia 18 de novembro foram transferidas para a mesma data e horário em dezembro.

As três audiências que estavam previstas para este mês eram do ex-vice-presidente da Fifa e ex-presidente da Concacaf Jeffrey Webb, do empresário argentino Alejandro Burzaco, dono da Torneos y Competencias, e do ex-presidente da Traffic USA, Aaron Davidson. Todos também fizeram acordo para responder à primeira fase do processo em prisão domiciliar, sob supervisão do FBI e de empresa de segurança privada. Eles estão proibidos de tentar contato entre si e com outros dirigentes da Fifa ou ligados a empresas de marketing esportivo envolvidas na investigação americana.
Globoesporte

A próxima audiência de José Maria Marin, ex-presidente da CBF preso em Zurique em 27 de maio e extraditado para os Estados Unidos na última semana, será no dia 16 de dezembro, às 12h no horário de Nova York (15h no horário de Brasília). A data já havia sido divulgada após a primeira audiência que selou o acordo para prisão domiciliar por US$ 15 milhões (cerca de R$ 57 milhões). Mas uma atualização na agenda de audiências do caso Fifa na página do Departamento de Justiça americano mostra que as outras três sessões antes marcadas para o dia 18 de novembro foram transferidas para a mesma data e horário em dezembro.

As três audiências que estavam previstas para este mês eram do ex-vice-presidente da Fifa e ex-presidente da Concacaf Jeffrey Webb, do empresário argentino Alejandro Burzaco, dono da Torneos y Competencias, e do ex-presidente da Traffic USA, Aaron Davidson. Todos também fizeram acordo para responder à primeira fase do processo em prisão domiciliar, sob supervisão do FBI e de empresa de segurança privada. Eles estão proibidos de tentar contato entre si e com outros dirigentes da Fifa ou ligados a empresas de marketing esportivo envolvidas na investigação americana.
Globoesporte