Identificado terceiro suicida do ataque ao Bataclan em Paris

identificado3O terceiro dos terroristas que cometeu o massacre na casa de espetáculos Bataclan durante os atentados de Paris do dia 13 de novembro foi identificado e é um francês que tinha ido à Síria para se juntar a grupos jihadistas.
O jornal “Le Parisien” revelou nesta quarta-feira em seu site que se trata de Foued Mohammed Aggad, de 23 anos. A identidade dele teria sido determinada no último fim de semana, após o DNA do terrorista ter sido comparado com de seus familiares.
Fontes policiais citadas nesta quarta-feira pela emissora “France Info” explicaram que esse terceiro jihadista é um homem original do bairro de Meinau Estrasburgo, do qual se tem conhecimento de que viajou à Síria no final de 2013. Sua família tem origem marroquina.
O “Le Parisien” afirmou que Aggad viajou com oito amigos moradores desse bairro à Síria. Dois deles morreram no país e os demais- exceto Aggad – voltaram à França entre fevereiro e março de 2014, antes de serem detidos pela Polícia pela ligação com o jihadismo.
O irmão de Aggad, Karim, está detido atualmente. Os investigadores acham que ambos foram recrutados por Mourad Farès, preso na Turquia e conhecido por enviar franceses à Síria.
A casa da mãe de Aggad foi alvo de uma operação de busca e apreensão na noite de ontem.
O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, confirmou a identificação do terceiro jihadista do Bataclan, sem entrar em detalhes. Ele reiterou que o importante é que as investigações avancem para identificar os cúmplices dos terroristas.
Os três homens que entraram armados com fuzis no Bataclan no dia 13 de novembro abriram fogo contra os espectadores, mataram 89 pessoas e feriram mais de 200.
Após cometer o massacre, os terroristas se explodiram acionando os artefatos que carregavam em seus coletes.
Um dos jihadistas era Sami Amimour, nascido em 15 de outubro de 1987 em Paris, e de nacionalidade francesa. A Justiça francesa tinha emitido uma ordem de detenção internacional contra Amimour depois que o mesmo violou o controle judicial ao qual estava submetido e viajou para a Síria em setembro de 2013.
O outro era Ismail Omar Mostefai, também francês nascido há 29 anos em Courcouronnes, nos arredores de Paris, que tinha sido condenado por oito crimes menores – entre eles a posse de entorpecentes – entre 2004 e 2010. Mostefai era considerado pelos serviços secretos como um possível radical islâmico desde 2010.
Terra

identificado3O terceiro dos terroristas que cometeu o massacre na casa de espetáculos Bataclan durante os atentados de Paris do dia 13 de novembro foi identificado e é um francês que tinha ido à Síria para se juntar a grupos jihadistas.
O jornal “Le Parisien” revelou nesta quarta-feira em seu site que se trata de Foued Mohammed Aggad, de 23 anos. A identidade dele teria sido determinada no último fim de semana, após o DNA do terrorista ter sido comparado com de seus familiares.
Fontes policiais citadas nesta quarta-feira pela emissora “France Info” explicaram que esse terceiro jihadista é um homem original do bairro de Meinau Estrasburgo, do qual se tem conhecimento de que viajou à Síria no final de 2013. Sua família tem origem marroquina.
O “Le Parisien” afirmou que Aggad viajou com oito amigos moradores desse bairro à Síria. Dois deles morreram no país e os demais- exceto Aggad – voltaram à França entre fevereiro e março de 2014, antes de serem detidos pela Polícia pela ligação com o jihadismo.
O irmão de Aggad, Karim, está detido atualmente. Os investigadores acham que ambos foram recrutados por Mourad Farès, preso na Turquia e conhecido por enviar franceses à Síria.
A casa da mãe de Aggad foi alvo de uma operação de busca e apreensão na noite de ontem.
O primeiro-ministro da França, Manuel Valls, confirmou a identificação do terceiro jihadista do Bataclan, sem entrar em detalhes. Ele reiterou que o importante é que as investigações avancem para identificar os cúmplices dos terroristas.
Os três homens que entraram armados com fuzis no Bataclan no dia 13 de novembro abriram fogo contra os espectadores, mataram 89 pessoas e feriram mais de 200.
Após cometer o massacre, os terroristas se explodiram acionando os artefatos que carregavam em seus coletes.
Um dos jihadistas era Sami Amimour, nascido em 15 de outubro de 1987 em Paris, e de nacionalidade francesa. A Justiça francesa tinha emitido uma ordem de detenção internacional contra Amimour depois que o mesmo violou o controle judicial ao qual estava submetido e viajou para a Síria em setembro de 2013.
O outro era Ismail Omar Mostefai, também francês nascido há 29 anos em Courcouronnes, nos arredores de Paris, que tinha sido condenado por oito crimes menores – entre eles a posse de entorpecentes – entre 2004 e 2010. Mostefai era considerado pelos serviços secretos como um possível radical islâmico desde 2010.
Terra