Conselho de Segurança da ONU aprova plano de paz para a Síria

pazO Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou por unanimidade uma resolução pedindo um cessar-fogo e diálogo político para pôr fim à guerra civil na Síria.
É a primeira vez que Rússia e Estados Unidos, membros-permanentes do Conselho, concordam em um roteiro de resolução para a Síria. O texto determina que novas eleições sejam feitas no país nos próximos 18 meses. No entanto, o texto não faz nenhuma menção ao futuro do atual presidente Bashar-al-Assad, nem mesmo se ele poderia concorrer à disputa.
Apesar disso, é a primeira vez que o Conselho de Segurança, órgão máximo da ONU, endossa uma proposta de solução para o conflito na Síria, quase 5 anos depois de ele ter começado. A guerra civil deixou 250 mil mortos e milhares de refugiados.
Um possível obstáculo à implementação do acordo será determinar quais grupos rebeldes poderão participar do diálogo, programado para começar no próximo mês. Também é incerto se essas lideranças vão concordar em conversar, mesmo sem a garantia da saída de Assad do poder.
Agência Brasil

pazO Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou por unanimidade uma resolução pedindo um cessar-fogo e diálogo político para pôr fim à guerra civil na Síria.
É a primeira vez que Rússia e Estados Unidos, membros-permanentes do Conselho, concordam em um roteiro de resolução para a Síria. O texto determina que novas eleições sejam feitas no país nos próximos 18 meses. No entanto, o texto não faz nenhuma menção ao futuro do atual presidente Bashar-al-Assad, nem mesmo se ele poderia concorrer à disputa.
Apesar disso, é a primeira vez que o Conselho de Segurança, órgão máximo da ONU, endossa uma proposta de solução para o conflito na Síria, quase 5 anos depois de ele ter começado. A guerra civil deixou 250 mil mortos e milhares de refugiados.
Um possível obstáculo à implementação do acordo será determinar quais grupos rebeldes poderão participar do diálogo, programado para começar no próximo mês. Também é incerto se essas lideranças vão concordar em conversar, mesmo sem a garantia da saída de Assad do poder.
Agência Brasil