Mecânico é suspeito de participar de queda de avião russo, diz agência

mecanicoUm mecânico da companhia aérea EgyptAir é o suspeito de ter plantado uma bomba no avião de passageiros russo que explodiu no espaço aéreo egípcio em outubro, de acordo com fontes ligadas às investigações. O primo dele se juntou ao Estado Islâmico na Síria.
Até o momento, o Egito tem dito publicamente não ter encontrado evidências de que o avião da MetroJet, foi alvo de um atentado terrorista. As 224 pessoas que estavam a bordo morreram depois que o avião, que havia decolado do aeroporto de Sharm al-Sheikh, caiu na península do Sinai.
Uma autoridade de segurança da companhia aérea negou que qualquer um de seus empregados tenha sido preso ou esteja sob suspeita. O Ministro do Interior também afirmou que não houve detenções.
No entanto, as fontes, que não quiseram ser identificadas por causa da sensibilidade das investigações, disseram que o mecânico em questão foi detido, junto com dois policiais que atuavam no aeroporto e um carregador de bagagem – todos são suspeitos de terem ajudado a plantar a bomba no avião.
“Após saber que um de seus membros tinha um parente que trabalhava no aeroporto, o Estado Islâmico entregou a bomba em uma mala de mão àquela pessoa”, disse uma das fontes, acrescentando que o primo do suspeito havia se juntado ao Estado Islâmico na Síria um ano e meio atrás.
“Ele foi orientado a não fazer nenhuma pergunta e a colocar a bomba no avião.”

Uma segunda fonte disse haver outros suspeitos: “Dois policiais são suspeitos de desempenhar algum papel ao fazerem vistas grossas para a operação em uma checagem de segurança. Mas existe a possibilidade de que simplesmente não tenham feito bem o seu trabalho.”
Nenhum dos quatro foi processado até agora, disseram as fontes à Reuters.
A queda do avião colocou em dúvida o ímpeto do Egito em erradicar a militância islamita no país e prejudicou sua indústria do turismo, crucial para a economia.
Um grupo afiliado ao Estado Islâmico atualmente conduz uma insurgência em algumas áreas do Sinai, embora em grande parte afastadas dos resorts turísticos que ficam na costa do Mar Vermelho.
A Rússia e alguns países ocidentais há muito tempo dizem acreditar que o avião foi derrubado por uma bomba levada a bordo. O Egito, no entanto, tem até agora negado publicamente a existência de qualquer evidência de que tenha se tratado de um atentado.
G1

mecanicoUm mecânico da companhia aérea EgyptAir é o suspeito de ter plantado uma bomba no avião de passageiros russo que explodiu no espaço aéreo egípcio em outubro, de acordo com fontes ligadas às investigações. O primo dele se juntou ao Estado Islâmico na Síria.
Até o momento, o Egito tem dito publicamente não ter encontrado evidências de que o avião da MetroJet, foi alvo de um atentado terrorista. As 224 pessoas que estavam a bordo morreram depois que o avião, que havia decolado do aeroporto de Sharm al-Sheikh, caiu na península do Sinai.
Uma autoridade de segurança da companhia aérea negou que qualquer um de seus empregados tenha sido preso ou esteja sob suspeita. O Ministro do Interior também afirmou que não houve detenções.
No entanto, as fontes, que não quiseram ser identificadas por causa da sensibilidade das investigações, disseram que o mecânico em questão foi detido, junto com dois policiais que atuavam no aeroporto e um carregador de bagagem – todos são suspeitos de terem ajudado a plantar a bomba no avião.
“Após saber que um de seus membros tinha um parente que trabalhava no aeroporto, o Estado Islâmico entregou a bomba em uma mala de mão àquela pessoa”, disse uma das fontes, acrescentando que o primo do suspeito havia se juntado ao Estado Islâmico na Síria um ano e meio atrás.
“Ele foi orientado a não fazer nenhuma pergunta e a colocar a bomba no avião.”

Uma segunda fonte disse haver outros suspeitos: “Dois policiais são suspeitos de desempenhar algum papel ao fazerem vistas grossas para a operação em uma checagem de segurança. Mas existe a possibilidade de que simplesmente não tenham feito bem o seu trabalho.”
Nenhum dos quatro foi processado até agora, disseram as fontes à Reuters.
A queda do avião colocou em dúvida o ímpeto do Egito em erradicar a militância islamita no país e prejudicou sua indústria do turismo, crucial para a economia.
Um grupo afiliado ao Estado Islâmico atualmente conduz uma insurgência em algumas áreas do Sinai, embora em grande parte afastadas dos resorts turísticos que ficam na costa do Mar Vermelho.
A Rússia e alguns países ocidentais há muito tempo dizem acreditar que o avião foi derrubado por uma bomba levada a bordo. O Egito, no entanto, tem até agora negado publicamente a existência de qualquer evidência de que tenha se tratado de um atentado.
G1