Três taxistas são presos com armas brancas em ação da polícia em SP

taxistasTrês taxistas foram presos na noite de quarta-feira (3) durante uma operação da Polícia Civil para fiscalizar motoristas do transporte individual em vários pontos da cidade de São Paulo. Os motoristas estavam com armas brancas, como facas e barras de ferro. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), eles foram liberados após prestar esclarecimentos.
Dezenas de táxis e veículos do Uber foram vistoriados entre 21h e 0h para checar se havia armas ou qualquer material ilegal dentro dos veículos. Mesmo os carros com passageiros eram parados. Os motoristas deveriam apresentar os documentos pessoais e dos automóveis.
Durante a operação, a polícia apreendeu pedaços de pau, barras de ferro e canivetes. Além dos três taxistas detidos, dois passageiros de um táxi foram presos por furto. Eles estavam com uma mochila que continha documentos e uma carteira que havia sido furtada algumas horas antes.
A medida foi adotada por conta de ameaças que circularam nas redes sociais incitando a violência e devem prosseguir durante o período do carnaval.
G1

taxistasTrês taxistas foram presos na noite de quarta-feira (3) durante uma operação da Polícia Civil para fiscalizar motoristas do transporte individual em vários pontos da cidade de São Paulo. Os motoristas estavam com armas brancas, como facas e barras de ferro. De acordo com a Secretaria da Segurança Pública (SSP), eles foram liberados após prestar esclarecimentos.
Dezenas de táxis e veículos do Uber foram vistoriados entre 21h e 0h para checar se havia armas ou qualquer material ilegal dentro dos veículos. Mesmo os carros com passageiros eram parados. Os motoristas deveriam apresentar os documentos pessoais e dos automóveis.
Durante a operação, a polícia apreendeu pedaços de pau, barras de ferro e canivetes. Além dos três taxistas detidos, dois passageiros de um táxi foram presos por furto. Eles estavam com uma mochila que continha documentos e uma carteira que havia sido furtada algumas horas antes.
A medida foi adotada por conta de ameaças que circularam nas redes sociais incitando a violência e devem prosseguir durante o período do carnaval.
G1