Rebelião em presídio no México deixa mais de 50 mortos

Detentos no presídio mexicano de Topo Chico, em Monterrey, no estado de Nuevo León, fizeram uma rebelião nesta quinta-feira (11) que deixou 52 mortos e 12 feridos, segundo anunciou o governador do estado Jaime Rodríguez Calderón.
Entre os feridos, cinco estão em estado grave. Mais cedo, a imprensa local reportava que cerca de 70 pessoas estariam feridas.
Segundo o jornal “Excelsior”, familiares dos presos estão do lado de fora da prisão exigindo das autoridades a divulgação dos detalhes deste incidente que começou nas primeiras horas desta quinta.
A rebeilão teve sua origem em uma briga entre líderes de dois grupos da prisão, descartando o relato não oficial de que teria começado com uma tentativa de fuga. Calderón disse que os detentos não usaram armas de fogo, mas objetos cortantes.
Durante a briga, alguns detentos colocaram fogo em depósito em armazéns de alimentos, mas o fogo não atingiu dormitórios.
Autoridades penitenciárias interviram por volta da 1h30 do horário local e tomaram o controle da situação, segundo o governador. A partir dessa hora também agiram agentes do Exército, da Marinha e da Polícia Federal para vigiar o local.
As identidades das vítimas devem ser divulgadas nesta tarde.
Nesta sexta-feira, o Papa Francisco iniciará uma visita ao México, durante a qual irá a um presídio da Ciudad Juárez, fronteira com os Estados Unidos.
G1

Detentos no presídio mexicano de Topo Chico, em Monterrey, no estado de Nuevo León, fizeram uma rebelião nesta quinta-feira (11) que deixou 52 mortos e 12 feridos, segundo anunciou o governador do estado Jaime Rodríguez Calderón.
Entre os feridos, cinco estão em estado grave. Mais cedo, a imprensa local reportava que cerca de 70 pessoas estariam feridas.
Segundo o jornal “Excelsior”, familiares dos presos estão do lado de fora da prisão exigindo das autoridades a divulgação dos detalhes deste incidente que começou nas primeiras horas desta quinta.
A rebeilão teve sua origem em uma briga entre líderes de dois grupos da prisão, descartando o relato não oficial de que teria começado com uma tentativa de fuga. Calderón disse que os detentos não usaram armas de fogo, mas objetos cortantes.
Durante a briga, alguns detentos colocaram fogo em depósito em armazéns de alimentos, mas o fogo não atingiu dormitórios.
Autoridades penitenciárias interviram por volta da 1h30 do horário local e tomaram o controle da situação, segundo o governador. A partir dessa hora também agiram agentes do Exército, da Marinha e da Polícia Federal para vigiar o local.
As identidades das vítimas devem ser divulgadas nesta tarde.
Nesta sexta-feira, o Papa Francisco iniciará uma visita ao México, durante a qual irá a um presídio da Ciudad Juárez, fronteira com os Estados Unidos.
G1