Obama dança tango em jantar de Estado com Mauricio Macri

tangoO presidente americano Barak Obama e a primeira-dama Michelle Obama dançaram tango nesta quarta-feira (23) com bailarinos durante o jantar de Estado com o presidente argentino Maurício Macri no Centro Cultural Kirchner, em Buenos Aires.

O jantar faz parte da programação da visita de dois dias do presidente americano na Argentina. Nesta quinta-feira, Obama e a primeira-dama americana irão visitar Bariloche e a Patagônia.
Após reunião com Macri na manhã desta quarta, Obama elogiou as “reformas rápidas” feitas pelo presidente argentino até agora e disse que vai ajudar o país a recuperar o papel de liderança global. Também falou sobre a crise política brasileira, afirmando que espera que o Brasil resolva “de forma eficaz” a questão.

Esta é a primeira visita de Obama à Argentina. Pela manhã, Obama tomou mate pela primeira vez e admitiu que a erva “clareou sua mente”.

“Hoje tomei meu primeiro mate. Gostei. Minha equipe disse que eu estava muito claro na entrevista coletiva, acho que o mate clareou minha mente”, disse um Obama sorridente em conversa com jovens empreendedores.
Durante entrevista coletiva com Macri, Obama contou que quando era estudante universitário soube do mate em suas leituras de autores argentinos. “Quando estava na universidade e lia (José Luis) Borges e (Julio) Cortázar e eles falavam do mate, eu pensava: tenho que ir a Buenos Aires a provar isto”.
Em um auditório repleto no complexo Usina de Arte, no bairro portenho de La Boca, Obama se disse “fascinado” com a cidade de Buenos Aires.
Ginóbili e Messi
Como fã do basquete, o presidente elogiou o ala argentino Emmanuel Ginóbili, ouro olímpico com a seleção argentina e estrela da NBA no San Antonio Spurs, adversários do time de Obama, o Chicago Bulls.
O presidente americano lamentou não poder conhecer o craque Lionel Messi, astro da seleção argentina e do FC Barcelona. “Queria conhecer Messi, mas não foi possível”, revelou Obama, admitindo que suas filhas – Malia e Sasha – também desejavam encontrar o jogador.
Messi está concentrado com a seleção argentina nos arredores de Buenos Aires, de onde seguirá na quinta-feira para Santiago, onde a Argentina enfrenta o Chile pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo da Rússia-2018.

Protestos
A visita oficial de Obama foi motivo de protesto de organizações políticas de esquerda. Com bandeiras com a mensagem “Fora da Argentina, Obama!” e outras expressões de repúdio, grupos como Tendencia Piquetera Revolucionaria e Frente de Izquierda se mobilizaram nas portas de um centro de convenções onde aconteceu hoje um encontro entre empresários dos Estados Unidos e da Argentina.
“Repudiamos a presença de Obama, o chefe do imperialismo americano, que veio dar seu apoio ao novo governo reacionário e pró-ianque de Mauricio Macri”, disse Juan Carlos Giordano, dirigente da Frente de Izquierda, sobre o motivo do protesto, em um local muito próximo da embaixada americana em Buenos Aires.
Os manifestantes marcharam até o centro de convenções La Rural, onde foi realizado um encontro organizado pela Câmara de Comércio dos Estados Unidos na Argentina e onde se especulava a possibilidade que Macri e Obama encerrassem esse encontro empresarial.
G1

tangoO presidente americano Barak Obama e a primeira-dama Michelle Obama dançaram tango nesta quarta-feira (23) com bailarinos durante o jantar de Estado com o presidente argentino Maurício Macri no Centro Cultural Kirchner, em Buenos Aires.

O jantar faz parte da programação da visita de dois dias do presidente americano na Argentina. Nesta quinta-feira, Obama e a primeira-dama americana irão visitar Bariloche e a Patagônia.
Após reunião com Macri na manhã desta quarta, Obama elogiou as “reformas rápidas” feitas pelo presidente argentino até agora e disse que vai ajudar o país a recuperar o papel de liderança global. Também falou sobre a crise política brasileira, afirmando que espera que o Brasil resolva “de forma eficaz” a questão.

Esta é a primeira visita de Obama à Argentina. Pela manhã, Obama tomou mate pela primeira vez e admitiu que a erva “clareou sua mente”.

“Hoje tomei meu primeiro mate. Gostei. Minha equipe disse que eu estava muito claro na entrevista coletiva, acho que o mate clareou minha mente”, disse um Obama sorridente em conversa com jovens empreendedores.
Durante entrevista coletiva com Macri, Obama contou que quando era estudante universitário soube do mate em suas leituras de autores argentinos. “Quando estava na universidade e lia (José Luis) Borges e (Julio) Cortázar e eles falavam do mate, eu pensava: tenho que ir a Buenos Aires a provar isto”.
Em um auditório repleto no complexo Usina de Arte, no bairro portenho de La Boca, Obama se disse “fascinado” com a cidade de Buenos Aires.
Ginóbili e Messi
Como fã do basquete, o presidente elogiou o ala argentino Emmanuel Ginóbili, ouro olímpico com a seleção argentina e estrela da NBA no San Antonio Spurs, adversários do time de Obama, o Chicago Bulls.
O presidente americano lamentou não poder conhecer o craque Lionel Messi, astro da seleção argentina e do FC Barcelona. “Queria conhecer Messi, mas não foi possível”, revelou Obama, admitindo que suas filhas – Malia e Sasha – também desejavam encontrar o jogador.
Messi está concentrado com a seleção argentina nos arredores de Buenos Aires, de onde seguirá na quinta-feira para Santiago, onde a Argentina enfrenta o Chile pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo da Rússia-2018.

Protestos
A visita oficial de Obama foi motivo de protesto de organizações políticas de esquerda. Com bandeiras com a mensagem “Fora da Argentina, Obama!” e outras expressões de repúdio, grupos como Tendencia Piquetera Revolucionaria e Frente de Izquierda se mobilizaram nas portas de um centro de convenções onde aconteceu hoje um encontro entre empresários dos Estados Unidos e da Argentina.
“Repudiamos a presença de Obama, o chefe do imperialismo americano, que veio dar seu apoio ao novo governo reacionário e pró-ianque de Mauricio Macri”, disse Juan Carlos Giordano, dirigente da Frente de Izquierda, sobre o motivo do protesto, em um local muito próximo da embaixada americana em Buenos Aires.
Os manifestantes marcharam até o centro de convenções La Rural, onde foi realizado um encontro organizado pela Câmara de Comércio dos Estados Unidos na Argentina e onde se especulava a possibilidade que Macri e Obama encerrassem esse encontro empresarial.
G1