Exército divulga fotos de destroços que podem ser do avião da EgyptAir

fotos2Imagens de destroços que podem ser do avião da EgyptAir que desapareceu na quinta-feira (19) no Mediterrâneo foram publicadas pelo porta-voz do Exército egípcio, Mohamed Samir, na manhã deste sábado (21).
Segundo a agência France Presse, o local onde os objetos foram encontrados não foi revelado. As imagens mostram um colete de segurança e o que parecem ser os restos de um assento.
As Forças Navais do Egito continuam neste sábado as buscas no Mar Mediterrâneo de pedaços do avião da EgyptAir. As operações de busca e recuperação continuam, e o centro de crise formado pela companhia aérea está monitorando todas as novidades, explicou um responsável da EgyptAir à agência Efe.
Os primeiros pedaços da aeronave, restos mortais, e itens pessoas dos passageiros foram descobertos na véspera, a cerca de 290 quilômetros do litoral egípcio, ao norte da cidade de Alexandria.
Mais de 48 horas depois que o Airbus A-320 desapareceu dos radares, as causas do acidente ainda são desconhecidas e as chances de que possam existir sobreviventes foram descartadas.
No avião, que fazia a rota entre Paris e a cidade do Cairo, viajavam 56 passageiros, além de sete membros da tripulação e três efetivos de segurança.
As informações mais recentes indicam que os sensores da aeronave emitiram sinais de presença de fumaça na cabine pouco antes do acidente, como confirmou o Escritório de Investigação e Análise (BEA) da França.
O porta-voz da BEA afirmou para a Agência Efe, que, no entanto, a presença de fumaça “não permite, por enquanto, tirar qualquer conclusão sobre as causas do acidente”.
“Podemos confirmar que os sensores do aparelho emitiram mensagens que indicavam que havia fumaça na cabine pouco antes de as comunicações serem interrompidas”, disse um porta-voz do Escritório de Investigação e Análise (BEA) da França.
O BEA está associado à investigação do acidente porque o avião, um Airbus, é montado na França, e também porque a aeronave tinha partido do aeroporto parisiense de Roissy-Charles de Gaulle e 15 de seus 66 ocupantes eram franceses.
Os sinais de presença de fumaça são emitidos automaticamente através de um sistema denominado ACARS, acrescentou o porta-voz.
Este elemento, que tinha sido revelado pelo site especializado “The Aviation Herald”, “não permite, por enquanto, tirar qualquer conclusão sobre as causas do acidente”, afirmou o funcionário do BEA.
O porta-voz acrescentou que a presença de fumaça indica que houve fogo, mas isso não o leva “a destacar nenhuma hipótese”.
O avião da EgyptAir, que fazia a rota entre Paris e a cidade do Cairo, no Egito, caiu no mar efetuando duas voltas bruscas após desaparecer dos radares e perder altitude a uma grande velocidade.
Segundo o “Aviation Herald”, o sistema ACARS revelou que às 2h26 locais (21h26 de Brasília da quarta, 18) foi detectada fumaça no banheiro do Airbus A320 e, um minuto depois, o sistema enviou uma nova mensagem alertando que também havia fumaça proveniente dos sistemas eletrônicos.
A última comunicação enviada do avião foi às 2h26 locais (21h29 de Brasília da quarta) e o contato foi perdido quatro minutos depois, segundo o site.
G1

fotos2Imagens de destroços que podem ser do avião da EgyptAir que desapareceu na quinta-feira (19) no Mediterrâneo foram publicadas pelo porta-voz do Exército egípcio, Mohamed Samir, na manhã deste sábado (21).
Segundo a agência France Presse, o local onde os objetos foram encontrados não foi revelado. As imagens mostram um colete de segurança e o que parecem ser os restos de um assento.
As Forças Navais do Egito continuam neste sábado as buscas no Mar Mediterrâneo de pedaços do avião da EgyptAir. As operações de busca e recuperação continuam, e o centro de crise formado pela companhia aérea está monitorando todas as novidades, explicou um responsável da EgyptAir à agência Efe.
Os primeiros pedaços da aeronave, restos mortais, e itens pessoas dos passageiros foram descobertos na véspera, a cerca de 290 quilômetros do litoral egípcio, ao norte da cidade de Alexandria.
Mais de 48 horas depois que o Airbus A-320 desapareceu dos radares, as causas do acidente ainda são desconhecidas e as chances de que possam existir sobreviventes foram descartadas.
No avião, que fazia a rota entre Paris e a cidade do Cairo, viajavam 56 passageiros, além de sete membros da tripulação e três efetivos de segurança.
As informações mais recentes indicam que os sensores da aeronave emitiram sinais de presença de fumaça na cabine pouco antes do acidente, como confirmou o Escritório de Investigação e Análise (BEA) da França.
O porta-voz da BEA afirmou para a Agência Efe, que, no entanto, a presença de fumaça “não permite, por enquanto, tirar qualquer conclusão sobre as causas do acidente”.
“Podemos confirmar que os sensores do aparelho emitiram mensagens que indicavam que havia fumaça na cabine pouco antes de as comunicações serem interrompidas”, disse um porta-voz do Escritório de Investigação e Análise (BEA) da França.
O BEA está associado à investigação do acidente porque o avião, um Airbus, é montado na França, e também porque a aeronave tinha partido do aeroporto parisiense de Roissy-Charles de Gaulle e 15 de seus 66 ocupantes eram franceses.
Os sinais de presença de fumaça são emitidos automaticamente através de um sistema denominado ACARS, acrescentou o porta-voz.
Este elemento, que tinha sido revelado pelo site especializado “The Aviation Herald”, “não permite, por enquanto, tirar qualquer conclusão sobre as causas do acidente”, afirmou o funcionário do BEA.
O porta-voz acrescentou que a presença de fumaça indica que houve fogo, mas isso não o leva “a destacar nenhuma hipótese”.
O avião da EgyptAir, que fazia a rota entre Paris e a cidade do Cairo, no Egito, caiu no mar efetuando duas voltas bruscas após desaparecer dos radares e perder altitude a uma grande velocidade.
Segundo o “Aviation Herald”, o sistema ACARS revelou que às 2h26 locais (21h26 de Brasília da quarta, 18) foi detectada fumaça no banheiro do Airbus A320 e, um minuto depois, o sistema enviou uma nova mensagem alertando que também havia fumaça proveniente dos sistemas eletrônicos.
A última comunicação enviada do avião foi às 2h26 locais (21h29 de Brasília da quarta) e o contato foi perdido quatro minutos depois, segundo o site.
G1