Fifa diz que Blatter e mais dois teriam se enriquecido com mais de R$ 286 mi

Uma investigação interna da Fifa, conduzida pelo escritório de advocacia Quinn Emanuel, divulgou que o ex-presidente Joseph Blatter e mais dois altos funcionários da entidade fizeram um esforço coordenado para se enriquecer com mais de 79 milhões de francos suíços (R$ 286 milhões). Além de Blatter, o ex-secretário-geral Jérôme Valcke e o ex-vice-secretário-geral e diretor financeiro Markus Kattner teriam se beneficiado de aumentos e bônus da Copa do Mundo.

– A evidência parece revelar um esforço coordenado por três ex-altos funcionários da Fifa para enriquecer-se através de aumentos anuais de salários, bônus da Copa do Mundo e outros incentivos que totalizam mais de 79 milhões de francos suíços (R$ 286 milhões), apenas nos últimos cinco anos – disse Bill Burck, sócio do escritório de advocacia.
A FIFA compartilhou essa informação com o gabinete do Procurador-Geral da Suíça e também vai informar o Departamento de Justiça dos EUA sobre os assuntos, além de submeter a questão destes contratos e pagamentos ao Comitê de Ética da FIFA..

O comunicado da Fifa diz que a investigação revelou evidências de violações de dever fiduciário, e que os os resultados preliminares indicam a necessidade de mais investigações.
G1

Uma investigação interna da Fifa, conduzida pelo escritório de advocacia Quinn Emanuel, divulgou que o ex-presidente Joseph Blatter e mais dois altos funcionários da entidade fizeram um esforço coordenado para se enriquecer com mais de 79 milhões de francos suíços (R$ 286 milhões). Além de Blatter, o ex-secretário-geral Jérôme Valcke e o ex-vice-secretário-geral e diretor financeiro Markus Kattner teriam se beneficiado de aumentos e bônus da Copa do Mundo.

– A evidência parece revelar um esforço coordenado por três ex-altos funcionários da Fifa para enriquecer-se através de aumentos anuais de salários, bônus da Copa do Mundo e outros incentivos que totalizam mais de 79 milhões de francos suíços (R$ 286 milhões), apenas nos últimos cinco anos – disse Bill Burck, sócio do escritório de advocacia.
A FIFA compartilhou essa informação com o gabinete do Procurador-Geral da Suíça e também vai informar o Departamento de Justiça dos EUA sobre os assuntos, além de submeter a questão destes contratos e pagamentos ao Comitê de Ética da FIFA..

O comunicado da Fifa diz que a investigação revelou evidências de violações de dever fiduciário, e que os os resultados preliminares indicam a necessidade de mais investigações.
G1