Emboscada foi cuidadosamente planejada, diz polícia de Dallas

A polícia de Dallas, no estado do Texas (EUA), descreveu como emboscada cuidadosamente planejada o ataque realizado por franco-atiradores contra agentes que acompanhavam uma manifestação contra a violência policial na cidade.
O ataque na noite de quinta-feira (7) deixoucinco policiais mortos e seis feridos, alguns deles em estado grave. Três pessoas foram presas e um quarto suspeito foi morto, por envolvimento no tiroteio, segundo as autoridades.
Os franco-atiradores se instalaram em telhados e dispararam várias vezes contra os agentes que acompanhavam o protesto. O ataque foi um dos piores a tiros contra policiais na história dos Estados Unidos.
O chefe da polícia de Dallas, David Brown, disse que os atiradores, alguns em posições altas, usaram rifles de precisão para atirar contra os agentes, no que aparentava ser um ataque coordenado.
“Eles estavam usando fuzis, triangulando em posições elevadas em diferentes pontos da área central, onde a manifestação ocorria”, disse Brown, durante entrevista coletiva, acrescentando que um civil também ficou ferido.
O uso de força pela polícia contra negros em cidades como Ferguson, Missouri, Baltimore e Nova York gerou seguidos, e muitas vezes violentos, protestos nos últimos dois anos e deu origem ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).
A ira foi intensificada quando as autoridades envolvidas em tais incidentes foram absolvidas em julgamentos, ou nem chegaram a ser julgadas.

Violência policial
A nova onda de protestos começou após a morte de dois negros por policiais brancos nesta semana, nos estados da Luisiana e Minnesota.
Philando Castile, de 32 anos, funcionário de um refeitório escolar, morreu na noite de quarta (6), após uma blitz na cidade de Falcon Heights, no estado de Minnesota.
A morte de Castile foi filmada ao vivo por sua namorada.
Já Sterling foi baleado à queima-roupa por policiais que o dominaram no chão em Baton Rouge, na Luisiana.
G1

A polícia de Dallas, no estado do Texas (EUA), descreveu como emboscada cuidadosamente planejada o ataque realizado por franco-atiradores contra agentes que acompanhavam uma manifestação contra a violência policial na cidade.
O ataque na noite de quinta-feira (7) deixoucinco policiais mortos e seis feridos, alguns deles em estado grave. Três pessoas foram presas e um quarto suspeito foi morto, por envolvimento no tiroteio, segundo as autoridades.
Os franco-atiradores se instalaram em telhados e dispararam várias vezes contra os agentes que acompanhavam o protesto. O ataque foi um dos piores a tiros contra policiais na história dos Estados Unidos.
O chefe da polícia de Dallas, David Brown, disse que os atiradores, alguns em posições altas, usaram rifles de precisão para atirar contra os agentes, no que aparentava ser um ataque coordenado.
“Eles estavam usando fuzis, triangulando em posições elevadas em diferentes pontos da área central, onde a manifestação ocorria”, disse Brown, durante entrevista coletiva, acrescentando que um civil também ficou ferido.
O uso de força pela polícia contra negros em cidades como Ferguson, Missouri, Baltimore e Nova York gerou seguidos, e muitas vezes violentos, protestos nos últimos dois anos e deu origem ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam).
A ira foi intensificada quando as autoridades envolvidas em tais incidentes foram absolvidas em julgamentos, ou nem chegaram a ser julgadas.

Violência policial
A nova onda de protestos começou após a morte de dois negros por policiais brancos nesta semana, nos estados da Luisiana e Minnesota.
Philando Castile, de 32 anos, funcionário de um refeitório escolar, morreu na noite de quarta (6), após uma blitz na cidade de Falcon Heights, no estado de Minnesota.
A morte de Castile foi filmada ao vivo por sua namorada.
Já Sterling foi baleado à queima-roupa por policiais que o dominaram no chão em Baton Rouge, na Luisiana.
G1