Doença faz mulher ter perna 3 vezes maior e ficar a beira da morte

pernaUma jovem de 25 anos afetada por uma condição rara relata o drama que é viver com uma das pernas medindo três vezes mais que a outra. Arianna Faro sofre de Klippel-Trenaunay, uma síndrome rara que, além de causar dor profunda e constante, faz com que tecidos moles e ossos de uma de suas pernas cresça de forma anormal. Além disso, o membro fica coberto por manchas vermelhas e muitas varizes. As informações são do portal de notícias britânico DailyMail
A perna esquerda não é o único membro afetado: o pé, a nádega e até as genitálias podem crescer de forma anormal. A mulher de Boston, Massachusetts, já teve que ser submetida a mais de 60 processos cirúrgicos na tentativa de remover a doença — que ainda é muito desconhecida pelos médicos
Arianna afirmou que não se recorda de nenhum momento de sua vida sem sentir dor. Apesar disso, a estudante de psicologia não perde as esperanças.
— À medida em que eu fui crescendo, meus membros começaram a crescer também. Mas essas coisas acontecem para nos testar. Da cintura para cima, pareço uma jovem normal. Mas sou outra pessoa da cintura para baixo.
A jovem, que está aos poucos perdendo sua mobilidade, se tornou dependente de uma cadeira de rodas há pouco tempo. Ela começou a contar sua jornada de luta em suas páginas no Instagram e no Facebook. Nas redes sociais, Arianna publicou fotos de seus membros distorcidos.
— Eu sei que algumas pessoas vão se chocar, mas não tenho do que me envergonhar. Preciso viver com essa doença, então nada mais justo do que me expor para inspirar outras pessoas.
A jovem foi diagnosticada com a síndrome no dia em que nasceu. Segundo os médicos, cada paciente apresenta sintomas diferentes, mas em geral todos são afetados por um aumento de líquido nos membros, o que causa inchaço
Outros efeitos secundários incluem o desenvolvimento de varizes e o aumento do tecido adiposo que se espalha por todo o corpo. No entanto, os médicos afirmaram que o maior problema no caso de Arianna é que a doença está restrita à parte inferior do corpo. Segundo os especialistas, não se sabe o motivo pelo qual a doença não se desenvolveu na parte de cima do corpo da jovem.
Os médicos afirmaram que a causa da doença não é genética, e que eles não desistiram de encontrar uma cura. A jovem é frequentemente atingida por infecções bacterianas repentinas, isso porque a síndrome é tão incomum e tão desconhecida, que não é possível prever desdobramentos.
— Eu fiquei à beira da morte por 20 vezes
— Apesar da doença, estou envolvida na vida. Quero terminar minha faculdade, entendendo que essas anomalias fazem parte de mim. Quero que as pessoas entendam que sou diferente, mas que essa diferença é bonita — afirma, esperançosa.
Agora Arianna está namorando e, apesar de ainda ser virgem, afirma que está levando o relacionamento com calma, por causa das dores constantes.
R7

pernaUma jovem de 25 anos afetada por uma condição rara relata o drama que é viver com uma das pernas medindo três vezes mais que a outra. Arianna Faro sofre de Klippel-Trenaunay, uma síndrome rara que, além de causar dor profunda e constante, faz com que tecidos moles e ossos de uma de suas pernas cresça de forma anormal. Além disso, o membro fica coberto por manchas vermelhas e muitas varizes. As informações são do portal de notícias britânico DailyMail
A perna esquerda não é o único membro afetado: o pé, a nádega e até as genitálias podem crescer de forma anormal. A mulher de Boston, Massachusetts, já teve que ser submetida a mais de 60 processos cirúrgicos na tentativa de remover a doença — que ainda é muito desconhecida pelos médicos
Arianna afirmou que não se recorda de nenhum momento de sua vida sem sentir dor. Apesar disso, a estudante de psicologia não perde as esperanças.
— À medida em que eu fui crescendo, meus membros começaram a crescer também. Mas essas coisas acontecem para nos testar. Da cintura para cima, pareço uma jovem normal. Mas sou outra pessoa da cintura para baixo.
A jovem, que está aos poucos perdendo sua mobilidade, se tornou dependente de uma cadeira de rodas há pouco tempo. Ela começou a contar sua jornada de luta em suas páginas no Instagram e no Facebook. Nas redes sociais, Arianna publicou fotos de seus membros distorcidos.
— Eu sei que algumas pessoas vão se chocar, mas não tenho do que me envergonhar. Preciso viver com essa doença, então nada mais justo do que me expor para inspirar outras pessoas.
A jovem foi diagnosticada com a síndrome no dia em que nasceu. Segundo os médicos, cada paciente apresenta sintomas diferentes, mas em geral todos são afetados por um aumento de líquido nos membros, o que causa inchaço
Outros efeitos secundários incluem o desenvolvimento de varizes e o aumento do tecido adiposo que se espalha por todo o corpo. No entanto, os médicos afirmaram que o maior problema no caso de Arianna é que a doença está restrita à parte inferior do corpo. Segundo os especialistas, não se sabe o motivo pelo qual a doença não se desenvolveu na parte de cima do corpo da jovem.
Os médicos afirmaram que a causa da doença não é genética, e que eles não desistiram de encontrar uma cura. A jovem é frequentemente atingida por infecções bacterianas repentinas, isso porque a síndrome é tão incomum e tão desconhecida, que não é possível prever desdobramentos.
— Eu fiquei à beira da morte por 20 vezes
— Apesar da doença, estou envolvida na vida. Quero terminar minha faculdade, entendendo que essas anomalias fazem parte de mim. Quero que as pessoas entendam que sou diferente, mas que essa diferença é bonita — afirma, esperançosa.
Agora Arianna está namorando e, apesar de ainda ser virgem, afirma que está levando o relacionamento com calma, por causa das dores constantes.
R7