Renan defende que julgamento de Dilma dure, ‘no mais tardar’, 4 dias

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta quarta-feira (17) prever que o julgamento final do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, marcado para ter início no dia 25 de agosto, uma quinta-feira, levará quatro dias.
Ele sinalizou ainda que o julgamento deverá ser interrompido na sexta e retomado na semana seguinte, sem sessões no final de semana.
“Temos de otimizar ao máximo as sessões da quinta, sexta, da segunda e da terça de modo a, no mais tardar, em quatro dias concluirmos o julgamento. Ninguém aguenta mais essa delonga”, afirmou Renan ao chegar ao Senado.
No fim da manhã desta quarta, Renan tem uma reunião com líderes partidários do Senado e com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, na qual serão acertados detalhes de procedimentos do julgamento do impeachment. De acordo com a lei, Lewandowski é quem vai presidir o julgamento.
Na semana passada, o plenário do Senado decidiu, por um placar de 59 votos a 21, que há provas suficientes para que Dilma seja julgada pela Casa.
Segundo apurou o G1, está sendo preparado o seguinte cronograma para o julgamento final: na quinta-feira (25) e na sexta-feira (26) os senadores deverão ouvir as três testemunhas da acusação e as seis da defesa.
O julgamento deverá ser interrompido no sábado (27) e no domingo (28). Depois disso, na segunda-feira (29) o julgamento será retomado com o depoimento de Dilma Rousseff, caso ela decida comparecer ao Senado. Senão, será lida uma manifestação da petista pelo seu advogado, o ex-ministro José Eduardo Cardozo. Depois, acusação e defesa vão debater o processo.Cardozo não quis antecipar se a presidente afastada vai comparecer ao julgamento final.
Na terça-feira (30), os senadores deverão fazer a última discussão sobre o processo. A votação final aconteceria após a discussão entre os parlamentares. Dependendo da duração dos debates, a votação em si pode acontecer na quarta-feira (31), e não no dia anterior.
Para Dilma ser afastada definitivamente, são necessários os votos de pelo menos 54 senadores. Caso contrário, o processo será arquivado e a petista reassumirá a Presidência da República.
G1

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse nesta quarta-feira (17) prever que o julgamento final do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, marcado para ter início no dia 25 de agosto, uma quinta-feira, levará quatro dias.
Ele sinalizou ainda que o julgamento deverá ser interrompido na sexta e retomado na semana seguinte, sem sessões no final de semana.
“Temos de otimizar ao máximo as sessões da quinta, sexta, da segunda e da terça de modo a, no mais tardar, em quatro dias concluirmos o julgamento. Ninguém aguenta mais essa delonga”, afirmou Renan ao chegar ao Senado.
No fim da manhã desta quarta, Renan tem uma reunião com líderes partidários do Senado e com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, na qual serão acertados detalhes de procedimentos do julgamento do impeachment. De acordo com a lei, Lewandowski é quem vai presidir o julgamento.
Na semana passada, o plenário do Senado decidiu, por um placar de 59 votos a 21, que há provas suficientes para que Dilma seja julgada pela Casa.
Segundo apurou o G1, está sendo preparado o seguinte cronograma para o julgamento final: na quinta-feira (25) e na sexta-feira (26) os senadores deverão ouvir as três testemunhas da acusação e as seis da defesa.
O julgamento deverá ser interrompido no sábado (27) e no domingo (28). Depois disso, na segunda-feira (29) o julgamento será retomado com o depoimento de Dilma Rousseff, caso ela decida comparecer ao Senado. Senão, será lida uma manifestação da petista pelo seu advogado, o ex-ministro José Eduardo Cardozo. Depois, acusação e defesa vão debater o processo.Cardozo não quis antecipar se a presidente afastada vai comparecer ao julgamento final.
Na terça-feira (30), os senadores deverão fazer a última discussão sobre o processo. A votação final aconteceria após a discussão entre os parlamentares. Dependendo da duração dos debates, a votação em si pode acontecer na quarta-feira (31), e não no dia anterior.
Para Dilma ser afastada definitivamente, são necessários os votos de pelo menos 54 senadores. Caso contrário, o processo será arquivado e a petista reassumirá a Presidência da República.
G1