Chefe de polícia incentiva drogados a matar traficantes

O chefe de polícia das Filipinas incentivou os dependentes químicos a matar os traficantes de drogas e queimar suas casas, em uma nova escalada na guerra brutal contra as drogas iniciada pelo presidente Rodrigo Duterte, que já custou 2.000 vidas.
“Por que não visitam, despejam gasolina em suas casas e colocam fogo para mostrar sua raiva?”, declarou Ronald dela Rosa em um discurso transmitido pela televisão nesta sexta-feira (26).
“Eles estão desfrutando de seu dinheiro, o dinheiro que destrói seus cérebros. Vocês sabem quem são os senhores da droga. Vocês querem matá-los? Vão em frente. Matem-os porque vocês são as vítimas.”
Dela Rosa falou desta forma na quinta-feira a várias centenas de viciados na região central das Filipinas.
Os comentários de Dela Rosa, que nesta sexta-feira se desculpou ante a enxurrada de críticas, são um passo a mais nas orientações impostas por Duterte, que despertaram a preocupação das Nações Unidas e de organizações de direitos humanos.
O novo presidente das Filipinas chegou ao poder em maio e prometeu matar dezenas de milhares de criminosos com o objectivo de eliminar as drogas ilegais no país em seis meses.
G1

O chefe de polícia das Filipinas incentivou os dependentes químicos a matar os traficantes de drogas e queimar suas casas, em uma nova escalada na guerra brutal contra as drogas iniciada pelo presidente Rodrigo Duterte, que já custou 2.000 vidas.
“Por que não visitam, despejam gasolina em suas casas e colocam fogo para mostrar sua raiva?”, declarou Ronald dela Rosa em um discurso transmitido pela televisão nesta sexta-feira (26).
“Eles estão desfrutando de seu dinheiro, o dinheiro que destrói seus cérebros. Vocês sabem quem são os senhores da droga. Vocês querem matá-los? Vão em frente. Matem-os porque vocês são as vítimas.”
Dela Rosa falou desta forma na quinta-feira a várias centenas de viciados na região central das Filipinas.
Os comentários de Dela Rosa, que nesta sexta-feira se desculpou ante a enxurrada de críticas, são um passo a mais nas orientações impostas por Duterte, que despertaram a preocupação das Nações Unidas e de organizações de direitos humanos.
O novo presidente das Filipinas chegou ao poder em maio e prometeu matar dezenas de milhares de criminosos com o objectivo de eliminar as drogas ilegais no país em seis meses.
G1