Domingo é marcado por protestos contra Temer e por “diretas já”

foraTemerO atual presidente Michel Temer (PMDB) foi alvo de manifestações neste domingo em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba. A capital paulista teve o maior ato, que reuniu cerca de 100 mil pessoas, segundo seus organizadores. A PM não divulgou estimativas.
Os atos tiveram um pedido em comum: o pedido por novas eleições, após ser consumado o impeachment de Dilma Rousseff (PT) em votação feita por senadores na última quarta (31).
O protesto foi pacífico durante todo o trajeto da avenida Paulista até o largo da Batata, na zona oeste. No final, policiais militares soltaram bombas de gás lacrimogêneo e jatos d´água, enquanto as lideranças da manifestação pediam para a multidão dispersar. A porta de uma agência bancária ficou estilhaçada e algumas lixeiras quebradas.
O fotógrafo Maurício Camargo, da Agência Eleven do Rio de Janeiro, foi ferido por uma bala de borracha na perna esquerda. Manifestantes tentaram socorrê-lo.
Segundo a Polícia Militar, nove pessoas foram detidas e encaminhadas para o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais). Nas redes sociais, integrantes de movimentos sociais dizem que 27 pessoas foram detidas. Segundo o Twitter da PM, “em manifestação inicialmente pacífica, vândalos atuam e obrigam PM a intervir com uso moderado da força / munição química”.
Após a confusão, manifestantes discutiram com o comandante da operação, coronel Henrique Motta. “Eu não tenho lado, eu sou do Estado, eu defendo a lei e a ordem”, disse o policial, que argumentou que a ação aconteceu por causa de pessoas mascaradas que estavam no protesto.
O início da manifestação foi no vão livre do Masp, principal palco de atos na cidade, após a passagem da tocha paralímpica.
Por volta das 17h, os organizadores estimavam o público em mais de 50 mil pessoas. O número foi ampliado para 100 mil pela organização pouco mais tarde. A polícia militar não fez estimativa do público até as 19h. A via tinha manifestantes por toda a extensão, mas com concentração maior na região do Masp, entre a praça do Ciclista e a avenida Brigadeiro Luís Antônio. Os manifestantes seguiram da Paulista para o largo da Batata, pela avenida Rebouças. No final do protesto, foi queimado um caixão com foto do presidente Michel Temer.

Ironias contra a fala de Michel Temer
Um grande mote para os cartazes no ato foi a declaração de Michel Temer (PMDB) na última sexta. O peemedebista disse que os protestos que ocorreram ao longo de toda a semana na capital paulista eram de “40 pessoas que quebravam carros”.
Com o grande público na Paulista, os manifestantes ironizaram tanto esta frase como a do ministro José Serra, que chamou os atos de “mini mini mini”. Até o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), presente no ato, agradeceu a Temer por ajudar a aumentar o público graças à fala. O protesto contou com outros políticos, como Eduardo Suplicy (PT) e com artistas, como Letícia Sabatella.

Tocha Paraolímpica alvo de gritos e cartazes
A grande polêmica ao longo da semana quanto ao protesto foi por causa da passagem da Tocha Paraolímpica pela avenida. Inicialmente, a Secretaria de Segurança Pública proibiu o ato na avenida por causa da passagem da tocha, mas uma negociação, que envolveu o prefeito Fernando Haddad, fez o horário do protesto ser modificado para as 16h30, após a passagem da tocha.
Na passagem da chama, a via já contava com manifestantes, que gritaram contra Temer e exibiram cartazes, mas não houve manifestação expressiva. Um grupo de três senhoras ainda exibiu cartazes a favor de Temer e contra o ex-presidente Lula (PT).
Uma nova manifestação foi marcada para a próxima quinta-feira, dia 8 de setembro.

Rio de Janeiro
No Rio de Janeiro, o protesto teve concentração em frente ao hotel Copacabana Palace e fechou a avenida Atlântica. O ato seguiu em direção ao Canecão, onde já havia uma manifestação contra o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Cerca de 5.000 pessoas participaram da manifestação, segundo os organizadores. Um manifestante chutou o carro de reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, mas foi detido por outros participantes.
Em Curitiba, a concentração começou às 17h, na Praça 19 de Dezembro. Segundo a organização, cerca de 7.000 participaram do ato. A PM estimou em 400.
Em Salvador, cerca de 3.000 manifestantes, segundo os organizadores, fizeram ato na região do Farol, durante a tarde, terminando após as 18h. A PM estimou o número em 300.
Em Brasília, pela manhã, um pequeno grupo fez protesto na frente do prédio onde mora o senador Cristovam Buarque, que votou pelo impeachment da ex-presidente.

*Colaboraram Gabriel Francisco Ribeiro e Talita Marchao

UOL

foraTemerO atual presidente Michel Temer (PMDB) foi alvo de manifestações neste domingo em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba. A capital paulista teve o maior ato, que reuniu cerca de 100 mil pessoas, segundo seus organizadores. A PM não divulgou estimativas.
Os atos tiveram um pedido em comum: o pedido por novas eleições, após ser consumado o impeachment de Dilma Rousseff (PT) em votação feita por senadores na última quarta (31).
O protesto foi pacífico durante todo o trajeto da avenida Paulista até o largo da Batata, na zona oeste. No final, policiais militares soltaram bombas de gás lacrimogêneo e jatos d´água, enquanto as lideranças da manifestação pediam para a multidão dispersar. A porta de uma agência bancária ficou estilhaçada e algumas lixeiras quebradas.
O fotógrafo Maurício Camargo, da Agência Eleven do Rio de Janeiro, foi ferido por uma bala de borracha na perna esquerda. Manifestantes tentaram socorrê-lo.
Segundo a Polícia Militar, nove pessoas foram detidas e encaminhadas para o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais). Nas redes sociais, integrantes de movimentos sociais dizem que 27 pessoas foram detidas. Segundo o Twitter da PM, “em manifestação inicialmente pacífica, vândalos atuam e obrigam PM a intervir com uso moderado da força / munição química”.
Após a confusão, manifestantes discutiram com o comandante da operação, coronel Henrique Motta. “Eu não tenho lado, eu sou do Estado, eu defendo a lei e a ordem”, disse o policial, que argumentou que a ação aconteceu por causa de pessoas mascaradas que estavam no protesto.
O início da manifestação foi no vão livre do Masp, principal palco de atos na cidade, após a passagem da tocha paralímpica.
Por volta das 17h, os organizadores estimavam o público em mais de 50 mil pessoas. O número foi ampliado para 100 mil pela organização pouco mais tarde. A polícia militar não fez estimativa do público até as 19h. A via tinha manifestantes por toda a extensão, mas com concentração maior na região do Masp, entre a praça do Ciclista e a avenida Brigadeiro Luís Antônio. Os manifestantes seguiram da Paulista para o largo da Batata, pela avenida Rebouças. No final do protesto, foi queimado um caixão com foto do presidente Michel Temer.

Ironias contra a fala de Michel Temer
Um grande mote para os cartazes no ato foi a declaração de Michel Temer (PMDB) na última sexta. O peemedebista disse que os protestos que ocorreram ao longo de toda a semana na capital paulista eram de “40 pessoas que quebravam carros”.
Com o grande público na Paulista, os manifestantes ironizaram tanto esta frase como a do ministro José Serra, que chamou os atos de “mini mini mini”. Até o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), presente no ato, agradeceu a Temer por ajudar a aumentar o público graças à fala. O protesto contou com outros políticos, como Eduardo Suplicy (PT) e com artistas, como Letícia Sabatella.

Tocha Paraolímpica alvo de gritos e cartazes
A grande polêmica ao longo da semana quanto ao protesto foi por causa da passagem da Tocha Paraolímpica pela avenida. Inicialmente, a Secretaria de Segurança Pública proibiu o ato na avenida por causa da passagem da tocha, mas uma negociação, que envolveu o prefeito Fernando Haddad, fez o horário do protesto ser modificado para as 16h30, após a passagem da tocha.
Na passagem da chama, a via já contava com manifestantes, que gritaram contra Temer e exibiram cartazes, mas não houve manifestação expressiva. Um grupo de três senhoras ainda exibiu cartazes a favor de Temer e contra o ex-presidente Lula (PT).
Uma nova manifestação foi marcada para a próxima quinta-feira, dia 8 de setembro.

Rio de Janeiro
No Rio de Janeiro, o protesto teve concentração em frente ao hotel Copacabana Palace e fechou a avenida Atlântica. O ato seguiu em direção ao Canecão, onde já havia uma manifestação contra o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Cerca de 5.000 pessoas participaram da manifestação, segundo os organizadores. Um manifestante chutou o carro de reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, mas foi detido por outros participantes.
Em Curitiba, a concentração começou às 17h, na Praça 19 de Dezembro. Segundo a organização, cerca de 7.000 participaram do ato. A PM estimou em 400.
Em Salvador, cerca de 3.000 manifestantes, segundo os organizadores, fizeram ato na região do Farol, durante a tarde, terminando após as 18h. A PM estimou o número em 300.
Em Brasília, pela manhã, um pequeno grupo fez protesto na frente do prédio onde mora o senador Cristovam Buarque, que votou pelo impeachment da ex-presidente.

*Colaboraram Gabriel Francisco Ribeiro e Talita Marchao

UOL