Colunista da GloboNews diz que declaração de ministro de Temer sobre operação Lava Jato “pegou mal

O presidente da República, Michel Temer, deverá se reunir nesta terça-feira (27) com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.
Segundo o G1 apurou, Temer quer ouvir as explicações do ministro sobre declaração de Moraes neste domingo, durante agenda em Ribeirão Preto (SP).
Em encontro com integrantes do Movimento Brasil Limpo (MBL), ele disse que haveria “mais” ações da Operação Lava Jato nesta semana.

Nesta segunda, a Polícia Federal deflagrou a 35ª fase da operação e prendeu Antonio Palocci, do PT. Ex-prefeito de Ribeirão Preto, Palocci foi ministro da Fazenda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da Casa Civil na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff.
“Pode ficar sossegado. […] Tanto que falam, falam e quinta teve, sexta teve outra, essa semana vai ter mais. Podem ficar tranquilos. Vocês vão ver. Quando vocês virem essa semana, vão lembrar de mim”, disse o ministro da Justiça aos integrantes do movimento.
Conforme o colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, a declaração de Alexandre de Moraes sobre a Lava Jato “pegou mal” entre assessores de Temer, pois, na avaliação deles, a fala deu a impressão de que o Planalto monitora a operação e a usa politicamente.
Inicialmente, o encontro entre Moraes e Temer estava previsto para a tarde desta segunda (26), no Palácio do Planalto, mas, como Moraes está em São Paulo, foi reagendado para terça.
Pela manhã, após participar de evento em São Paulo, Alexandre de Moraes disse que só recebe informações sobre as operações da Polícia Federal às 6h, porque esta é a “praxe” no Ministério da Justiça.
Assim como o ministro, a própria Polícia Federal divulgou uma nota para afirmar que o ministério não é informado previamente sobre as operações e que somente têm informações “as pessoas diretamente responsáveis pela investigação”.
Ministros e a Lava Jato
Desde maio, três ministros de Temer deixaram o governo por episódios relacionados à Lava Jato.
O senador Romero Jucá (PMDB-RR), investigado na operação, por exemplo, comandava o Ministério do Planejamento e pediu exoneração após o jornal “Folha de S.Paulo” divulgar uma conversa dele na qual o peemedebista sugeria um “pacto” contra a operação.
Além dele, o então ministro da Transparência, Fabiano Silveira, também deixou o cargo em maio após a TV Globo revelar uma conversa na qual ele criticava a condução das investigações da Lava Jato pelo Ministério Público Federal.
Outro ministro a cair foi Henrique Alves (PMDB-RN), ex-titular do Turismo. Segundo a colunista do G1 e da GloboNews Cristiana Lôbo, o peemedebista, investigado na Lava Jato e citado em delação premiada, resolveu pedir exoneração após receber a informação de que investigadores haviam descoberto uma conta secreta dele na Suíça, o que Alves nega.
G1

O presidente da República, Michel Temer, deverá se reunir nesta terça-feira (27) com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes.
Segundo o G1 apurou, Temer quer ouvir as explicações do ministro sobre declaração de Moraes neste domingo, durante agenda em Ribeirão Preto (SP).
Em encontro com integrantes do Movimento Brasil Limpo (MBL), ele disse que haveria “mais” ações da Operação Lava Jato nesta semana.

Nesta segunda, a Polícia Federal deflagrou a 35ª fase da operação e prendeu Antonio Palocci, do PT. Ex-prefeito de Ribeirão Preto, Palocci foi ministro da Fazenda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da Casa Civil na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff.
“Pode ficar sossegado. […] Tanto que falam, falam e quinta teve, sexta teve outra, essa semana vai ter mais. Podem ficar tranquilos. Vocês vão ver. Quando vocês virem essa semana, vão lembrar de mim”, disse o ministro da Justiça aos integrantes do movimento.
Conforme o colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, a declaração de Alexandre de Moraes sobre a Lava Jato “pegou mal” entre assessores de Temer, pois, na avaliação deles, a fala deu a impressão de que o Planalto monitora a operação e a usa politicamente.
Inicialmente, o encontro entre Moraes e Temer estava previsto para a tarde desta segunda (26), no Palácio do Planalto, mas, como Moraes está em São Paulo, foi reagendado para terça.
Pela manhã, após participar de evento em São Paulo, Alexandre de Moraes disse que só recebe informações sobre as operações da Polícia Federal às 6h, porque esta é a “praxe” no Ministério da Justiça.
Assim como o ministro, a própria Polícia Federal divulgou uma nota para afirmar que o ministério não é informado previamente sobre as operações e que somente têm informações “as pessoas diretamente responsáveis pela investigação”.
Ministros e a Lava Jato
Desde maio, três ministros de Temer deixaram o governo por episódios relacionados à Lava Jato.
O senador Romero Jucá (PMDB-RR), investigado na operação, por exemplo, comandava o Ministério do Planejamento e pediu exoneração após o jornal “Folha de S.Paulo” divulgar uma conversa dele na qual o peemedebista sugeria um “pacto” contra a operação.
Além dele, o então ministro da Transparência, Fabiano Silveira, também deixou o cargo em maio após a TV Globo revelar uma conversa na qual ele criticava a condução das investigações da Lava Jato pelo Ministério Público Federal.
Outro ministro a cair foi Henrique Alves (PMDB-RN), ex-titular do Turismo. Segundo a colunista do G1 e da GloboNews Cristiana Lôbo, o peemedebista, investigado na Lava Jato e citado em delação premiada, resolveu pedir exoneração após receber a informação de que investigadores haviam descoberto uma conta secreta dele na Suíça, o que Alves nega.
G1