Exército sírio dá ultimato para rebeldes e famílias deixarem Aleppo

alepoO Exército da Síria disse que qualquer pessoa que permanecer na cidade de Aleppo, no norte do país, depois de receber a oportunidade de sair da localidade se quiser terá de enfrentar seu “destino inevitável”.
Em um comunicado publicado na noite de quarta-feira (6), os militares disseram que o Exército cortou linhas de abastecimento dos insurgentes para a cidade e que tem informações confiáveis sobre todas as posições e depósitos de armas dos rebeldes.
As Forças Armadas fizeram um apelo a todos os combatentes para que entreguem as armas e deixem a cidade.
Mais cedo na quarta, o Exército sírio disse que estava reduzindo seus ataques aéreos e bombardeiros ao leste de Aleppo, dominado por rebeldes, para aliviar a crise humanitária e permitir que as pessoas viajem para locais mais seguros se quiserem.
O Exército, com apoio de milícias xiitas do Iraque e do Líbano, assim como da Força Aérea da Rússia, começou uma ofensiva contra o leste de Aleppo em 19 de setembro após o fim de uma trégua de apenas uma semana. A ofensiva começou com um dos bombardeios mais intensos de toda a guerra.
A grande escala da destruição em Aleppo desde o início da ofensiva tem provocado uma crescente preocupação internacional e levou os Estados Unidos a romperem as conversações com a Rússia em busca de renovar o cessar-fogo.
O Exército e seus aliados conseguiram alguns ganhos territoriais na parte norte de Aleppo desde o início da ofensiva e também abriram frentes de combate no centro e no sul da cidade.
G1

alepoO Exército da Síria disse que qualquer pessoa que permanecer na cidade de Aleppo, no norte do país, depois de receber a oportunidade de sair da localidade se quiser terá de enfrentar seu “destino inevitável”.
Em um comunicado publicado na noite de quarta-feira (6), os militares disseram que o Exército cortou linhas de abastecimento dos insurgentes para a cidade e que tem informações confiáveis sobre todas as posições e depósitos de armas dos rebeldes.
As Forças Armadas fizeram um apelo a todos os combatentes para que entreguem as armas e deixem a cidade.
Mais cedo na quarta, o Exército sírio disse que estava reduzindo seus ataques aéreos e bombardeiros ao leste de Aleppo, dominado por rebeldes, para aliviar a crise humanitária e permitir que as pessoas viajem para locais mais seguros se quiserem.
O Exército, com apoio de milícias xiitas do Iraque e do Líbano, assim como da Força Aérea da Rússia, começou uma ofensiva contra o leste de Aleppo em 19 de setembro após o fim de uma trégua de apenas uma semana. A ofensiva começou com um dos bombardeios mais intensos de toda a guerra.
A grande escala da destruição em Aleppo desde o início da ofensiva tem provocado uma crescente preocupação internacional e levou os Estados Unidos a romperem as conversações com a Rússia em busca de renovar o cessar-fogo.
O Exército e seus aliados conseguiram alguns ganhos territoriais na parte norte de Aleppo desde o início da ofensiva e também abriram frentes de combate no centro e no sul da cidade.
G1