Número de mortos por furacão Matthew passa de 470 no Haiti

haitiA passagem do furacão Matthew deixou pelo menos 478 mortos no Haiti, segundo as autoridades locais. Há milhares de casas destruídas e muitos bairros seguem inundados na península do sudoeste do país.
Foi justamente no Haiti que o Matthew causou mais destruição. O vento de cerca de 230 km/h derrubou árvores, barrancos e pontes – além de destruir milhares de casas. Militares brasileiros estão ajudando os moradores desde terça-feira.
Na quinta-feira (6), a Cruz Vermelha lançou um apelo de emergência para obter ajuda imediata para 50 mil haitianos após a passagem do mais forte furacão a atingir o Caribe desde 2007.
A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC) busca US$ 6,92 milhões para ajudar a providenciar ajuda médica, abrigos, água e saneamento durante o próximo ano para pessoas afetadas pelo furacão no país.
“Estamos extremamente preocupados com a segurança, saúde e bem-estar das mulheres, homens e crianças que foram impactados, principalmente em cidades remotas e vilarejos”, disse a chefe da divisão da América Latina da IFRC, Ines Brill, em comunicado.
A Cruz Vermelha estimou que mais de um milhão de pessoas no Haiti foram afetadas e centenas de milhares precisam de assistência humanitária.

EUA
O Centro Nacional de Furacões dos EUA prevê que Matthew suba pela costa da Flórida até a Georgia e a Carolina do Sul entre sexta-feira (7) e sábado (8).
Em seguida, de acordo com a rota prevista, ele faz uma curva e volta em direção às Bahamas, podendo passar novamente pela Flórida na próxima quinta-feira.
Pelas previsões, o retorno de Matthew seria, contudo, como uma tempestade tropical, com ventos bem mais fracos.
Além do Haiti, o furacão também provocou estragos em Cuba e na República Dominicana.
G1

haitiA passagem do furacão Matthew deixou pelo menos 478 mortos no Haiti, segundo as autoridades locais. Há milhares de casas destruídas e muitos bairros seguem inundados na península do sudoeste do país.
Foi justamente no Haiti que o Matthew causou mais destruição. O vento de cerca de 230 km/h derrubou árvores, barrancos e pontes – além de destruir milhares de casas. Militares brasileiros estão ajudando os moradores desde terça-feira.
Na quinta-feira (6), a Cruz Vermelha lançou um apelo de emergência para obter ajuda imediata para 50 mil haitianos após a passagem do mais forte furacão a atingir o Caribe desde 2007.
A Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC) busca US$ 6,92 milhões para ajudar a providenciar ajuda médica, abrigos, água e saneamento durante o próximo ano para pessoas afetadas pelo furacão no país.
“Estamos extremamente preocupados com a segurança, saúde e bem-estar das mulheres, homens e crianças que foram impactados, principalmente em cidades remotas e vilarejos”, disse a chefe da divisão da América Latina da IFRC, Ines Brill, em comunicado.
A Cruz Vermelha estimou que mais de um milhão de pessoas no Haiti foram afetadas e centenas de milhares precisam de assistência humanitária.

EUA
O Centro Nacional de Furacões dos EUA prevê que Matthew suba pela costa da Flórida até a Georgia e a Carolina do Sul entre sexta-feira (7) e sábado (8).
Em seguida, de acordo com a rota prevista, ele faz uma curva e volta em direção às Bahamas, podendo passar novamente pela Flórida na próxima quinta-feira.
Pelas previsões, o retorno de Matthew seria, contudo, como uma tempestade tropical, com ventos bem mais fracos.
Além do Haiti, o furacão também provocou estragos em Cuba e na República Dominicana.
G1