Homem é morto a pedradas na Grande JP; perna dele foi decepada e jogada para cão

Dois homens foram encontrados mortos no início da manhã desta segunda-feira (31) em Santa Rita, na Grande João Pessoa. Em um dos crimes, a vítima teve parte da perna decepada e lançada para alimentar um cão na casa vizinha.
O primeiro caso foi registrado por volta das 5h, quando um homem foi assassinado a tiros numa praça no bairro Marcos Moura. Enquanto apuravam as circunstâncias do crime e realizavam perícia no local, policiais foram informados de que outra vítima havia sido morta no loteamento ‘Plano de Vida’, situado no mesmo bairro.
Ao chegar ao local, as equipes constataram que um morador de um sítio foi assassinado a pedradas. Segundo apuração da Rádio Correio 98 FM, a vítima ainda teve parte de uma das pernas decepadas pelos criminosos, que a jogaram para alimentar um cachorro que latia muito na casa vizinha.
A esposa do homem alega que ele não tinha antecedentes criminais e era viciado apenas em bebidas alcoólicas. Inicialmente, a polícia trata o caso como latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte.
Até a publicação desta matéria, nenhum suspeito nos casos havia sido preso.

Dois homens foram encontrados mortos no início da manhã desta segunda-feira (31) em Santa Rita, na Grande João Pessoa. Em um dos crimes, a vítima teve parte da perna decepada e lançada para alimentar um cão na casa vizinha.
O primeiro caso foi registrado por volta das 5h, quando um homem foi assassinado a tiros numa praça no bairro Marcos Moura. Enquanto apuravam as circunstâncias do crime e realizavam perícia no local, policiais foram informados de que outra vítima havia sido morta no loteamento ‘Plano de Vida’, situado no mesmo bairro.
Ao chegar ao local, as equipes constataram que um morador de um sítio foi assassinado a pedradas. Segundo apuração da Rádio Correio 98 FM, a vítima ainda teve parte de uma das pernas decepadas pelos criminosos, que a jogaram para alimentar um cachorro que latia muito na casa vizinha.
A esposa do homem alega que ele não tinha antecedentes criminais e era viciado apenas em bebidas alcoólicas. Inicialmente, a polícia trata o caso como latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte.
Até a publicação desta matéria, nenhum suspeito nos casos havia sido preso.