Ministro elogia gestão de Romero e cita qualidade do projeto do Complexo Aluízio Campos como exemplo para prefeitos paraibanos

elogioEm visita ao Complexo Aluízio Campos nesta segunda-feira, 31, quando mais de 100 gestores municipais de todas as regiões do Estado prestigiaram a reunião convocada pelo prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, elogiou a atual administração campinense. Mais do que isso: apontou Campina como um ótimo exemplo nacional e garantiu o apoio do Governo Federal para todas as localidades paraibanas.

Diante de um pavilhão lotado de autoridades, líderes comunitários e representantes da sociedade civil organizada, Bruno Araújo apontou o caminho correto para serem viabilizados recursos com mais rapidez junto à Presidência da República: é necessário que, além do apoio natural da bancada estadual no Congresso, os prefeitos apresentem sólidos e bons projetos.

Como exemplo, o ministro citou o próprio Complexo Aluízio Campos, local da solenidade, concebido pela atua gestão em parceria com o governo federal e que hoje representa o maior conjunto habitacional em construção no Brasil.

“É verdade que, devido ao cenário de crise pelo qual atravessa o país há alguns anos, quem assumiu a gestão municipal ou se reelegeu em 2012 está administrando sua cidade no pior período possível. Mas, com bons projetos, como vemos na Prefeitura de Campina Grande, qualquer ministério terá menos dificuldade para viabilizar o dinheiro. O prefeito Romero Rodrigues tem dado bons exemplos disso”, comentou o titular do Ministério das Cidades.

Bruno aproveitou a ocasião para informar e tranquilizar todos os prefeitos sobre as garantias que o Governo Federal tem dado às parcerias com os municípios, sobretudo em relação ao programa “Minha Casa, Minha Vida”.

“Nós temos mais de 550 mil unidades habitacionais em construção no Brasil. E a boa noticia e segurança que a Paraíba deve ter é que, depois de muitos anos, o governo não deve a uma única construtora que faça parte do projeto. Essa é a garantia que as obras vão continuar, gerando emprego e mantendo vivo o sonho da casa própria para os que mais precisam”, pontuou.

elogioEm visita ao Complexo Aluízio Campos nesta segunda-feira, 31, quando mais de 100 gestores municipais de todas as regiões do Estado prestigiaram a reunião convocada pelo prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, elogiou a atual administração campinense. Mais do que isso: apontou Campina como um ótimo exemplo nacional e garantiu o apoio do Governo Federal para todas as localidades paraibanas.

Diante de um pavilhão lotado de autoridades, líderes comunitários e representantes da sociedade civil organizada, Bruno Araújo apontou o caminho correto para serem viabilizados recursos com mais rapidez junto à Presidência da República: é necessário que, além do apoio natural da bancada estadual no Congresso, os prefeitos apresentem sólidos e bons projetos.

Como exemplo, o ministro citou o próprio Complexo Aluízio Campos, local da solenidade, concebido pela atua gestão em parceria com o governo federal e que hoje representa o maior conjunto habitacional em construção no Brasil.

“É verdade que, devido ao cenário de crise pelo qual atravessa o país há alguns anos, quem assumiu a gestão municipal ou se reelegeu em 2012 está administrando sua cidade no pior período possível. Mas, com bons projetos, como vemos na Prefeitura de Campina Grande, qualquer ministério terá menos dificuldade para viabilizar o dinheiro. O prefeito Romero Rodrigues tem dado bons exemplos disso”, comentou o titular do Ministério das Cidades.

Bruno aproveitou a ocasião para informar e tranquilizar todos os prefeitos sobre as garantias que o Governo Federal tem dado às parcerias com os municípios, sobretudo em relação ao programa “Minha Casa, Minha Vida”.

“Nós temos mais de 550 mil unidades habitacionais em construção no Brasil. E a boa noticia e segurança que a Paraíba deve ter é que, depois de muitos anos, o governo não deve a uma única construtora que faça parte do projeto. Essa é a garantia que as obras vão continuar, gerando emprego e mantendo vivo o sonho da casa própria para os que mais precisam”, pontuou.