Polícia encontra corpo queimado com pertences de Vivianny ao lado

Policiais da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa (Homicídios) da Capital encontraram um corpo queimado, no início da tarde desta segunda-feira (7), no bairro Mario Andreazza, no município de Bayeux, região metropolitana de João Pessoa. A suspeita é que a vítima seja uma mulher. No local também foi encontrada uma sandália e um cartão de crédito em nome de Vivianny Crisley.
A vendedora de 29 anos desapareceu na noite do dia 20 de outubro depois de sair de um bar na Zona Sul da Capital. As imagens do circuito de câmeras de segurança mostraram que Vivianny saiu do estabelecimento acompanhada de um grupo de pessoas e que depois disso não teria sido mais vista pela família. As investigações sobre este caso começaram no dia seguinte do desaparecimento depois do registro na Delegacia de Homicídios.
Várias pessoas foram ouvidas e dias depois o celular de Vivianny foi encontrado na feira livre da cidade Bayeux. Na manhã desta segunda-feira, uma nova informação repassada para o telefone 197 Disque Denúncia da Secretaria da Segurança e da Defesa Social (SEDS) levou a polícia até o local onde o suposto corpo de uma mulher poderia estar. Para auxiliar o trabalho a Delegacia de Homicídios solicitou à perícia do Instituto de Polícia Cientifica (IPC) para fazer o levantamento na área na tentativa de achar vestígios sobre o crime.
“O corpo que encontramos no local estava queimado, o que dificultou a identificação e mesmo encontrando o cartão de crédito de Vivianny, só será possível dizer se o corpo é dela ou não depois que o laudo do IPC for concluído, mas já adianto que, de acordo com os parentes de Vivianny, as sandálias encontradas próximo ao corpo são dela. A mãe da vendedora também já foi encaminhada para colher o material genético no Instituto de Polícia Cientifica”, disse o delegado Reinaldo Nóbrega.
Depois do levantamento realizado na área, o corpo foi encaminhado para o Gemol, onde serão feitos os exames de DNA e da arcada dentária da vítima. Eles vão confirmar se o corpo é ou não da vendedora Vivianny. O laudo deve ser concluído em até 10 dias.

Policiais da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa (Homicídios) da Capital encontraram um corpo queimado, no início da tarde desta segunda-feira (7), no bairro Mario Andreazza, no município de Bayeux, região metropolitana de João Pessoa. A suspeita é que a vítima seja uma mulher. No local também foi encontrada uma sandália e um cartão de crédito em nome de Vivianny Crisley.
A vendedora de 29 anos desapareceu na noite do dia 20 de outubro depois de sair de um bar na Zona Sul da Capital. As imagens do circuito de câmeras de segurança mostraram que Vivianny saiu do estabelecimento acompanhada de um grupo de pessoas e que depois disso não teria sido mais vista pela família. As investigações sobre este caso começaram no dia seguinte do desaparecimento depois do registro na Delegacia de Homicídios.
Várias pessoas foram ouvidas e dias depois o celular de Vivianny foi encontrado na feira livre da cidade Bayeux. Na manhã desta segunda-feira, uma nova informação repassada para o telefone 197 Disque Denúncia da Secretaria da Segurança e da Defesa Social (SEDS) levou a polícia até o local onde o suposto corpo de uma mulher poderia estar. Para auxiliar o trabalho a Delegacia de Homicídios solicitou à perícia do Instituto de Polícia Cientifica (IPC) para fazer o levantamento na área na tentativa de achar vestígios sobre o crime.
“O corpo que encontramos no local estava queimado, o que dificultou a identificação e mesmo encontrando o cartão de crédito de Vivianny, só será possível dizer se o corpo é dela ou não depois que o laudo do IPC for concluído, mas já adianto que, de acordo com os parentes de Vivianny, as sandálias encontradas próximo ao corpo são dela. A mãe da vendedora também já foi encaminhada para colher o material genético no Instituto de Polícia Cientifica”, disse o delegado Reinaldo Nóbrega.
Depois do levantamento realizado na área, o corpo foi encaminhado para o Gemol, onde serão feitos os exames de DNA e da arcada dentária da vítima. Eles vão confirmar se o corpo é ou não da vendedora Vivianny. O laudo deve ser concluído em até 10 dias.