Demissão de Geddel repercute na imprensa internacional

Geddel foi o sexto ministro a cair em pouco mais de seis meses de governo, e a saída dele não acaba com o problema criado pelas acusações do ex-ministro da Cultura. Marcelo Calero disse que o presidente Michel Temer e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, sabiam de tudo e que também o pressionaram para encontrar uma solução para o caso.
A rede britânica BBC diz que o presidente Temer é acusado de pressionar um ministro para que participasse de práticas corruptas. O francês Le Monde destaca que o escândalo pode enfraquecer o governo e levar a um inquérito contra Temer. O espanhol El País diz que um caso de tráfico de influência respinga no presidente. Os principais jornais americanos também trataram do assunto. O New York Times diz que Temer está no meio de um novo escândalo de corrupção. O argentino El Clarín diz que Temer é acusado de tráfico de influência.
No depoimento à Polícia Federal, o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero afirmou que no dia 16 de novembro compareceu a um jantar oferecido pelo presidente aos senadores no Palácio da Alvorada, e que após ser informado de toda a história, o presidente disse a Calero “para que ficasse tranquilo, pois, caso Geddel lhe procurasse, ele diria que não havia sido possível atender a seu interesse, por razões técnicas”.
Mas Calero disse que que no dia seguinte foi convocado por Temer a comparecer ao Planalto, que o presidente disse a ele que a decisão do Iphan havia criado dificuldades operacionais em seu gabinete, já que o ministro Geddel encontrava-se bastante irritado. Segundo Calero, Temer pediu que ele construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à AGU.
Calero afirmou que, no fim da conversa, “o presidente disse que a política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão”. O ex-ministro da Cultura disse que ficou bastante desapontado por ter sido advertido sem que houvesse cometido qualquer tipo de irregularidade.
Na quinta-feira (24), o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, disse que o objetivo do presidente nas conversas foi arbitrar conflitos entre os ministros. Ele negou que o presidente tenha enquadrado ou pedido a Calero solução que não fosse técnica. O porta-voz afirmou que Temer se disse surpreso com boatos de que o ex-ministro Calero teria solicitado uma segunda audiência antes de se demitir somente com o intuito de gravar clandestinamente conversa com o presidente da República para posterior divulgação.
Marcelo Calero divulgou nesta sexta-feira (25) uma nota em que declara o seguinte: “A respeito de informações disseminadas, a partir do Palácio do Planalto, de que eu teria solicitado audiência com o presidente Michel Temer no intuito de gravar conversa no gabinete presidencial, esclareço que isso não ocorreu. Durante minha trajetória na carreira diplomática e política, nunca agi de má-fé ou de maneira ardilosa. No episódio que agora se torna público, cumpri minha obrigação como cidadão brasileiro que não compactua com o ilícito e que age respeitando e valorizando as instituições.”
O texto dessa nota não permite concluir se Calero nega ter sido ele quem solicitou a audiência com Temer ou se nega ter solicitado a audiência com o intuito de gravar a conversa. Ou ainda se ele nega ter gravado a conversa com o presidente.
No depoimento à Polícia Federal, Marcelo Calero afirmou que também recebeu uma ligação do ministro da Casa Civil e que Eliseu Padilha argumentou que, se a questão do prédio estava judicializada, não deveria haver decisão administrativa definitiva a respeito. E que Calero tentasse construir essa saída com a Advocacia-Geral da União.
Marcelo Calero disse, ainda, que recebeu uma ligação do secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, e que Gustavo comunicou a ele que havia ingressado com recurso da decisão administrativa no Ministério da Cultura e no Iphan, e que Calero deveria encaminhar os autos do processo para a AGU.
A advogada-geral da União, Grace Mendonça, disse que não chegou a receber o caso e, por isso, ainda não o analisou, mas que cabe à AGU, sim, resolver conflitos.
“Não há menor possibilidade de sair do âmbito da Advocacia-Geral da União um parecer desenhado ou moldado ao entendimento de quem quer que seja, ou de qualquer outro interesse. O único interesse que rege e norteia a atuação da AGU é efetivamente o interesse público”, disse Grace Mendonça.
Nesta sexta, o presidente chegou ao Planalto às dez da manhã. Três horas depois, almoçou no Palácio da Alvorada com líderes do PSDB, que estavam em Brasília para um encontro com prefeitos do partido recém-eleitos. À tarde, viajou para São Paulo.
Parlamentares de oposição iniciaram uma ofensiva para colocar o Temer no centro da crise política, enquanto governistas tentam tirar a pressão sobre Temer. Afirmam que a saída de ministros faz parte da rotina de qualquer governo e não pode afetar o enfrentamento da crise econômica.
O líder da Rede Sustentabilidade na Câmara, Alessandro Molon, disse que o escândalo complica a relação do governo com o Congresso: “A aprovação de medidas na Câmara certamente vai ser prejudicada com essa mudança no governo. Isso mostra a dificuldade do governo Temer de se organizar e, de alguma maneira, de organizar a agenda do país. Essa é a razão pela qual acredito que a crise vai se aprofundando passo a passo no governo Michel Temer.”
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, disse que o governo deve seguir trabalhando firme.
“O importante é não perder o rumo. Diante da circunstância brasileira, depois do impeachment, o que nós temos que fazer é atravessar o rio. Isso é uma ponte. Pode ser uma ponte frágil, uma pinguela, tudo bem, mas é o que tem. O Brasil precisa, com urgência, tomar medidas de reforma, pois a situação fiscal nossa é muito ruim, a situação econômica precisa ser reanimada, o povo está perdendo emprego”, afirmou Fernando Henrique.
A senadora Gleisi Hoffmann, do PT, disse que não há como abafar a crise.
“Isso é uma situação muito grave. Conflitos entre ministérios se dá quando você tem uma discussão de política pública, um entendimento sobre o encaminhamento dessa política pública. Mas não pode se dar em relação a interesses particulares. O Palácio do Planalto, a Casa Civil não pode cuidar de interesses imobiliários de ministros”, afirmou.
O líder do governo no Senado disse que as votações no Congresso vão ser mantidas.
“Uma vez que aquilo que o governo propôs e que está tramitando aqui no Senado é aquilo que corresponde às necessidades do país e que tem apoio não apenas no Senado, mas da população brasileira. É importante avançarmos no caminho de reformas, sob pena de não sairmos da crise em que estamos metidos”, disse Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).
Em nota, o presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB, que é do mesmo partido do presidente, disse que “as alegações do ex-ministro da Cultura não afetam Temer, que reúne todas as condições para levar adiante o processo de transição”.
G1

Geddel foi o sexto ministro a cair em pouco mais de seis meses de governo, e a saída dele não acaba com o problema criado pelas acusações do ex-ministro da Cultura. Marcelo Calero disse que o presidente Michel Temer e o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, sabiam de tudo e que também o pressionaram para encontrar uma solução para o caso.
A rede britânica BBC diz que o presidente Temer é acusado de pressionar um ministro para que participasse de práticas corruptas. O francês Le Monde destaca que o escândalo pode enfraquecer o governo e levar a um inquérito contra Temer. O espanhol El País diz que um caso de tráfico de influência respinga no presidente. Os principais jornais americanos também trataram do assunto. O New York Times diz que Temer está no meio de um novo escândalo de corrupção. O argentino El Clarín diz que Temer é acusado de tráfico de influência.
No depoimento à Polícia Federal, o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero afirmou que no dia 16 de novembro compareceu a um jantar oferecido pelo presidente aos senadores no Palácio da Alvorada, e que após ser informado de toda a história, o presidente disse a Calero “para que ficasse tranquilo, pois, caso Geddel lhe procurasse, ele diria que não havia sido possível atender a seu interesse, por razões técnicas”.
Mas Calero disse que que no dia seguinte foi convocado por Temer a comparecer ao Planalto, que o presidente disse a ele que a decisão do Iphan havia criado dificuldades operacionais em seu gabinete, já que o ministro Geddel encontrava-se bastante irritado. Segundo Calero, Temer pediu que ele construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado à AGU.
Calero afirmou que, no fim da conversa, “o presidente disse que a política tinha dessas coisas, esse tipo de pressão”. O ex-ministro da Cultura disse que ficou bastante desapontado por ter sido advertido sem que houvesse cometido qualquer tipo de irregularidade.
Na quinta-feira (24), o porta-voz da Presidência, Alexandre Parola, disse que o objetivo do presidente nas conversas foi arbitrar conflitos entre os ministros. Ele negou que o presidente tenha enquadrado ou pedido a Calero solução que não fosse técnica. O porta-voz afirmou que Temer se disse surpreso com boatos de que o ex-ministro Calero teria solicitado uma segunda audiência antes de se demitir somente com o intuito de gravar clandestinamente conversa com o presidente da República para posterior divulgação.
Marcelo Calero divulgou nesta sexta-feira (25) uma nota em que declara o seguinte: “A respeito de informações disseminadas, a partir do Palácio do Planalto, de que eu teria solicitado audiência com o presidente Michel Temer no intuito de gravar conversa no gabinete presidencial, esclareço que isso não ocorreu. Durante minha trajetória na carreira diplomática e política, nunca agi de má-fé ou de maneira ardilosa. No episódio que agora se torna público, cumpri minha obrigação como cidadão brasileiro que não compactua com o ilícito e que age respeitando e valorizando as instituições.”
O texto dessa nota não permite concluir se Calero nega ter sido ele quem solicitou a audiência com Temer ou se nega ter solicitado a audiência com o intuito de gravar a conversa. Ou ainda se ele nega ter gravado a conversa com o presidente.
No depoimento à Polícia Federal, Marcelo Calero afirmou que também recebeu uma ligação do ministro da Casa Civil e que Eliseu Padilha argumentou que, se a questão do prédio estava judicializada, não deveria haver decisão administrativa definitiva a respeito. E que Calero tentasse construir essa saída com a Advocacia-Geral da União.
Marcelo Calero disse, ainda, que recebeu uma ligação do secretário de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo Rocha, e que Gustavo comunicou a ele que havia ingressado com recurso da decisão administrativa no Ministério da Cultura e no Iphan, e que Calero deveria encaminhar os autos do processo para a AGU.
A advogada-geral da União, Grace Mendonça, disse que não chegou a receber o caso e, por isso, ainda não o analisou, mas que cabe à AGU, sim, resolver conflitos.
“Não há menor possibilidade de sair do âmbito da Advocacia-Geral da União um parecer desenhado ou moldado ao entendimento de quem quer que seja, ou de qualquer outro interesse. O único interesse que rege e norteia a atuação da AGU é efetivamente o interesse público”, disse Grace Mendonça.
Nesta sexta, o presidente chegou ao Planalto às dez da manhã. Três horas depois, almoçou no Palácio da Alvorada com líderes do PSDB, que estavam em Brasília para um encontro com prefeitos do partido recém-eleitos. À tarde, viajou para São Paulo.
Parlamentares de oposição iniciaram uma ofensiva para colocar o Temer no centro da crise política, enquanto governistas tentam tirar a pressão sobre Temer. Afirmam que a saída de ministros faz parte da rotina de qualquer governo e não pode afetar o enfrentamento da crise econômica.
O líder da Rede Sustentabilidade na Câmara, Alessandro Molon, disse que o escândalo complica a relação do governo com o Congresso: “A aprovação de medidas na Câmara certamente vai ser prejudicada com essa mudança no governo. Isso mostra a dificuldade do governo Temer de se organizar e, de alguma maneira, de organizar a agenda do país. Essa é a razão pela qual acredito que a crise vai se aprofundando passo a passo no governo Michel Temer.”
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, disse que o governo deve seguir trabalhando firme.
“O importante é não perder o rumo. Diante da circunstância brasileira, depois do impeachment, o que nós temos que fazer é atravessar o rio. Isso é uma ponte. Pode ser uma ponte frágil, uma pinguela, tudo bem, mas é o que tem. O Brasil precisa, com urgência, tomar medidas de reforma, pois a situação fiscal nossa é muito ruim, a situação econômica precisa ser reanimada, o povo está perdendo emprego”, afirmou Fernando Henrique.
A senadora Gleisi Hoffmann, do PT, disse que não há como abafar a crise.
“Isso é uma situação muito grave. Conflitos entre ministérios se dá quando você tem uma discussão de política pública, um entendimento sobre o encaminhamento dessa política pública. Mas não pode se dar em relação a interesses particulares. O Palácio do Planalto, a Casa Civil não pode cuidar de interesses imobiliários de ministros”, afirmou.
O líder do governo no Senado disse que as votações no Congresso vão ser mantidas.
“Uma vez que aquilo que o governo propôs e que está tramitando aqui no Senado é aquilo que corresponde às necessidades do país e que tem apoio não apenas no Senado, mas da população brasileira. É importante avançarmos no caminho de reformas, sob pena de não sairmos da crise em que estamos metidos”, disse Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP).
Em nota, o presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB, que é do mesmo partido do presidente, disse que “as alegações do ex-ministro da Cultura não afetam Temer, que reúne todas as condições para levar adiante o processo de transição”.
G1