É ‘indigno’ e ‘gravíssimo’ gravar o presidente da República, diz Temer

indignoO presidente Michel Temer afirmou neste domingo (27) que é “indigno” e “gravíssimo” um ministro gravar o presidente da República. A afirmação foi feita em referência às notícias de que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero gravou conversas com Temer e com ministros do governo sobre uma suposta interferência política em uma decisão técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, órgão vinculado ao Ministério da Cultura.
Calero se demitiu depois de denunciar ter sido pressionado por Geddel Vieira Lima, ex-ministro da Secretaria de Governo, para liberar a obra de um edifício no centro histórico de Salvador no qual Geddel tem um apartamento. Calero disse que Temer também intercedeu na questão e que gravou as conversas.
“Espero que essas gravações venham a público”, disse o presidente, que afirmou que é muito cuidadoso com o que fala e que a atitude de Calero foi de uma “indignidade absoluta”.
O presidente disse que “não estava patrocinando nenhum interesse privado” ao “arbitrar” a divergência entre Marcelo Calero e Geddel Vieira Lima e ter sugerido ao então ministro da Cultura encaminhar o caso para a Advocacia Geral da União (AGU).
“Você verifica que eu estava administrando conflitos de natureza pública. Quando ele [Calero] falou que não queria despachar, falei para mandar para a AGU”, disse.
Temer disse que ainda não tomou uma decisão, mas cogita fazer gravações oficiais das audiências na Presidência da República. “Estou pensando em pedir ao Gabinete de Segurança Institucional que grave – aí publicamente –, que grave todas as audiências do presidente da República”, declarou.

Crise no governo
O pedido de demissão de Marcelo Calero no último dia 18 e as denúncias contra Geddel abriram uma crise no governo Temer. Na sexta-feira (25), Geddel pediu demissão e deixou o governo.
Temer afirmou que, se Geddel tivesse pedido demissão antes, “talvez teria sido melhor”. “É claro que ganhou uma dimensão extraordinária. A demora não foi útil”, disse.
O presidente da República disse também que está “examinando com muito cuidado” o perfil do novo ocupante da Secretaria de Governo, em substituição a Geddel Vieira Lima. Segundo ele, é preciso alguém com “lisura absoluta” e com facilidade para conversar com os integrantes do Congresso.
G1

indignoO presidente Michel Temer afirmou neste domingo (27) que é “indigno” e “gravíssimo” um ministro gravar o presidente da República. A afirmação foi feita em referência às notícias de que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero gravou conversas com Temer e com ministros do governo sobre uma suposta interferência política em uma decisão técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, órgão vinculado ao Ministério da Cultura.
Calero se demitiu depois de denunciar ter sido pressionado por Geddel Vieira Lima, ex-ministro da Secretaria de Governo, para liberar a obra de um edifício no centro histórico de Salvador no qual Geddel tem um apartamento. Calero disse que Temer também intercedeu na questão e que gravou as conversas.
“Espero que essas gravações venham a público”, disse o presidente, que afirmou que é muito cuidadoso com o que fala e que a atitude de Calero foi de uma “indignidade absoluta”.
O presidente disse que “não estava patrocinando nenhum interesse privado” ao “arbitrar” a divergência entre Marcelo Calero e Geddel Vieira Lima e ter sugerido ao então ministro da Cultura encaminhar o caso para a Advocacia Geral da União (AGU).
“Você verifica que eu estava administrando conflitos de natureza pública. Quando ele [Calero] falou que não queria despachar, falei para mandar para a AGU”, disse.
Temer disse que ainda não tomou uma decisão, mas cogita fazer gravações oficiais das audiências na Presidência da República. “Estou pensando em pedir ao Gabinete de Segurança Institucional que grave – aí publicamente –, que grave todas as audiências do presidente da República”, declarou.

Crise no governo
O pedido de demissão de Marcelo Calero no último dia 18 e as denúncias contra Geddel abriram uma crise no governo Temer. Na sexta-feira (25), Geddel pediu demissão e deixou o governo.
Temer afirmou que, se Geddel tivesse pedido demissão antes, “talvez teria sido melhor”. “É claro que ganhou uma dimensão extraordinária. A demora não foi útil”, disse.
O presidente da República disse também que está “examinando com muito cuidado” o perfil do novo ocupante da Secretaria de Governo, em substituição a Geddel Vieira Lima. Segundo ele, é preciso alguém com “lisura absoluta” e com facilidade para conversar com os integrantes do Congresso.
G1