Torcedores da Chapecoense fazem vigília em frente à sede do time

vigiliaTorcedores da Chapecoense estão em frente à sede do clube, ao lado do estádio Arena Condá, em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, na manhã desta terça-feira (29), à espera de informações sobre a queda do avião que levava a delegação do time nesta madrugada. Familiares também estão no local em busca de atualização sobre o acidente que deixou mais de 70 mortos na Colômbia.
Um médico do município irá à Colômbia para auxiliar na liberação dos corpos, conforme a RBS TV. Na entrada dos vestiários da Arena Condá, também estavam parentes dos jogadores e atletas da equipe de base do time nesta manhã.
O vice-presidente da Chapecoense Ivan Tozzo conversou com a RBS TV nesta manhã e lamentou o acidente.
“É muito triste a notícia que recebemos hoje de manhã, jamais esperaríamos por isso. (…) Foi muito difícil, até agora, não caiu a ficha. É complicado, um time que a gente ama, estou há muito tempo envolvido na Chapecoense, sei tudo que passamos e agora que chegamos ao destaque nacional acontece uma tragédia dessas”, lamentou.

Luto oficial
A prefeitura de Chapecó decretou luto oficial de 30 dias. As aulas da rede municipal estão suspensas por dois dias. Também fica facultativo o trabalho em repartições públicas entre esta terça (29) e quarta-feira (30). Além disso, a prefeitura também suspendeu todos os eventos festivos públicos relacionados ao Natal e Ano Novo na cidade.
Ainda em nota, a prefeitura de Chapecó manifestou “profunda preocupação com o lamentável ocorrido, solidariza-se com todos os envolvidos e aguarda novas informações”.

Auxilio do governo
O governo catarinense também diz que vai auxiliar no processo de liberação dos corpos. Em nota, a Defesa Civil estadual diz que está trabalhando “para obter informações e criar um plano de ação para atender os sobreviventes e auxiliar em conjunto com a Defesa Civil Nacional, Ministério da Defesa, Ministério das Relações Exteriores e Presidência da República na liberação dos corpos”.
O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, confirmou a mobilização na tarde desta terça (29), na Arena Condá, em Chapecó. “Tem todo um trâmite muito complicado, que é uma convenção internacional. A embaixada brasileira já está trabalhando nisso, desde a parte da manhã. Vamos levar as pessoas daqui que possam colaborar com o que for precisar e trazer também [os corpos]. Isso tudo já está sendo providenciado”, disse Colombo.
G1

vigiliaTorcedores da Chapecoense estão em frente à sede do clube, ao lado do estádio Arena Condá, em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, na manhã desta terça-feira (29), à espera de informações sobre a queda do avião que levava a delegação do time nesta madrugada. Familiares também estão no local em busca de atualização sobre o acidente que deixou mais de 70 mortos na Colômbia.
Um médico do município irá à Colômbia para auxiliar na liberação dos corpos, conforme a RBS TV. Na entrada dos vestiários da Arena Condá, também estavam parentes dos jogadores e atletas da equipe de base do time nesta manhã.
O vice-presidente da Chapecoense Ivan Tozzo conversou com a RBS TV nesta manhã e lamentou o acidente.
“É muito triste a notícia que recebemos hoje de manhã, jamais esperaríamos por isso. (…) Foi muito difícil, até agora, não caiu a ficha. É complicado, um time que a gente ama, estou há muito tempo envolvido na Chapecoense, sei tudo que passamos e agora que chegamos ao destaque nacional acontece uma tragédia dessas”, lamentou.

Luto oficial
A prefeitura de Chapecó decretou luto oficial de 30 dias. As aulas da rede municipal estão suspensas por dois dias. Também fica facultativo o trabalho em repartições públicas entre esta terça (29) e quarta-feira (30). Além disso, a prefeitura também suspendeu todos os eventos festivos públicos relacionados ao Natal e Ano Novo na cidade.
Ainda em nota, a prefeitura de Chapecó manifestou “profunda preocupação com o lamentável ocorrido, solidariza-se com todos os envolvidos e aguarda novas informações”.

Auxilio do governo
O governo catarinense também diz que vai auxiliar no processo de liberação dos corpos. Em nota, a Defesa Civil estadual diz que está trabalhando “para obter informações e criar um plano de ação para atender os sobreviventes e auxiliar em conjunto com a Defesa Civil Nacional, Ministério da Defesa, Ministério das Relações Exteriores e Presidência da República na liberação dos corpos”.
O governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, confirmou a mobilização na tarde desta terça (29), na Arena Condá, em Chapecó. “Tem todo um trâmite muito complicado, que é uma convenção internacional. A embaixada brasileira já está trabalhando nisso, desde a parte da manhã. Vamos levar as pessoas daqui que possam colaborar com o que for precisar e trazer também [os corpos]. Isso tudo já está sendo providenciado”, disse Colombo.
G1