Bombeiros retomam buscas por corpo de menina decapitada no RJ

Os bombeiros retomaram, às 8h30 desta segunda-feira (5), as buscas pelo corpo da menina de 10 anos que morreu decapitada na Praia do Forte, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio. Segundo os bombeiros, a cabeça da menina foi retirada do mar logo após o acidente. Partes ósseas também foram achadas e entregues à Polícia Civil para perícia. A menina foi identificada pelo Corpo de Bombeiros como Maria Luisa.
De acordo com Cássio Capelli, comandante do grupamento dos bombeiros, doze agentes, incluindo homens do Grupamento de Buscas e Salvamento da Barra da Tijuca, participam da operação. A ação de buscas conta com lanchas, motos aquáticas e mergulhadores. As buscas se concentram em um raio de 500 metros na direção do Hotel Malibu.
De acordo com o capitão Jonas Oliveira, comandante da Capitania dos Portos, o acidente foi a 600 metros da faixa de areia, onde não há limite de velocidade. “A banana sai da costa e guina para a esquerda para ir até o Carolina, uma falsa entrada do Canal do Itajuru. Foi no momento em que ele saiu à esquerda que aconteceu. Segundo o bananeiro, a lancha estaria vindo de Arraial do Cabo”.
Os restos mortais resgatados no sábado (3) foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Araruama. O condutor da lancha que atropelou uma “banana boat” e matou a menina foi preso em flagrante.
Em nota divulgada no domingo (4), a Polícia Civil afirmou que o teste para consumo de álcool deu negativo. Disse ainda que o condutor não prestou socorro e que ele vai responder por homicídio culposo e lesão corporal culposa das demais vítimas. O advogado dele esteve na delegacia, mas não quis dar entrevista.

O acidente
A menina, que era de Rio das Ostras, estava passeando de “banana boat” quando a lancha chegou e atingiu as pessoas que estavam no brinquedo. O dono da “banana boat” afirmou que transportava 20 pessoas. A própria embarcação que guiava a “banana boat” fez o resgate de algumas vítimas. Uma terceira embarcação também ajudou. Três pessoas chegaram a ser levadas para o Hospital Central de Emergência (HCE) com ferimentos leves e depois foram liberadas.
Os envolvidos no acidente foram conduzidos para a Capitania dos Portos de Cabo Frio para prestarem depoimento. A Marinha abrirá um inquérito administrativo. Um boletim de ocorrência foi registrado na delegacia da cidade.
Segundo a Capitania dos Portos, os dois condutores – o da lancha envolvida no acidente e o da embarcação que guiava a “banana boat” – são habilitados e a documentação das embarcações está em dia. As embarcações envolvidas no acidente estão apreendidas na sede da Capitania.
G1

Os bombeiros retomaram, às 8h30 desta segunda-feira (5), as buscas pelo corpo da menina de 10 anos que morreu decapitada na Praia do Forte, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio. Segundo os bombeiros, a cabeça da menina foi retirada do mar logo após o acidente. Partes ósseas também foram achadas e entregues à Polícia Civil para perícia. A menina foi identificada pelo Corpo de Bombeiros como Maria Luisa.
De acordo com Cássio Capelli, comandante do grupamento dos bombeiros, doze agentes, incluindo homens do Grupamento de Buscas e Salvamento da Barra da Tijuca, participam da operação. A ação de buscas conta com lanchas, motos aquáticas e mergulhadores. As buscas se concentram em um raio de 500 metros na direção do Hotel Malibu.
De acordo com o capitão Jonas Oliveira, comandante da Capitania dos Portos, o acidente foi a 600 metros da faixa de areia, onde não há limite de velocidade. “A banana sai da costa e guina para a esquerda para ir até o Carolina, uma falsa entrada do Canal do Itajuru. Foi no momento em que ele saiu à esquerda que aconteceu. Segundo o bananeiro, a lancha estaria vindo de Arraial do Cabo”.
Os restos mortais resgatados no sábado (3) foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Araruama. O condutor da lancha que atropelou uma “banana boat” e matou a menina foi preso em flagrante.
Em nota divulgada no domingo (4), a Polícia Civil afirmou que o teste para consumo de álcool deu negativo. Disse ainda que o condutor não prestou socorro e que ele vai responder por homicídio culposo e lesão corporal culposa das demais vítimas. O advogado dele esteve na delegacia, mas não quis dar entrevista.

O acidente
A menina, que era de Rio das Ostras, estava passeando de “banana boat” quando a lancha chegou e atingiu as pessoas que estavam no brinquedo. O dono da “banana boat” afirmou que transportava 20 pessoas. A própria embarcação que guiava a “banana boat” fez o resgate de algumas vítimas. Uma terceira embarcação também ajudou. Três pessoas chegaram a ser levadas para o Hospital Central de Emergência (HCE) com ferimentos leves e depois foram liberadas.
Os envolvidos no acidente foram conduzidos para a Capitania dos Portos de Cabo Frio para prestarem depoimento. A Marinha abrirá um inquérito administrativo. Um boletim de ocorrência foi registrado na delegacia da cidade.
Segundo a Capitania dos Portos, os dois condutores – o da lancha envolvida no acidente e o da embarcação que guiava a “banana boat” – são habilitados e a documentação das embarcações está em dia. As embarcações envolvidas no acidente estão apreendidas na sede da Capitania.
G1