Grêmio empata com o Atlético e é campeão da Copa do Brasil

gremioNa noite em que o futebol brasileiro começou a sair do luto, o Grêmio voltou, depois de 15 longos anos para sua torcida, ao lugar frequentado pelos maiores clubes do Brasil. O título de ontem da Copa do Brasil, garantido com um empate por 1 a 1 sobre o Atlético-MG, foi o quinto na história do tricolor gaúcho, que se isola como o maior vencedor da competição. Na noite em que encerrou o longo jejum de títulos nacionais, o Grêmio ainda deu a primeira volta olímpica de seu recém-construído estádio, e viu a consagração definitiva de Renato Gaúcho.
Ídolo maior da torcida por ter sido o herói do título mundial em 1983, ele assumiu como treinador da equipe pela terceira vez em setembro e conduziu o time à conquista de ontem. A vitória no jogo de ida facilitou tudo, e o Grêmio só precisou fazer os 90 minutos transcorrerem sem sobressaltos. As maiores emoções do jogo ficaram para os minutos finais. Aos 44 do segundo tempo, o Grêmio encaixou um contra-ataque e viu o equatoriano Bolaños fazer o gol do título, marcando 1 a 0, ao completar jogada de Éverton, o melhor em campo. Logo depois, aos 46, o também equatoriano Cazares, do Atlético, fez um incrível gol, encobrindo o goleiro Marcelo Grohe num chute de antes do meio-campo.
O apito final detonou o início da festa que ainda deve durar vários dias — principalmente se o rival Internacional for rebaixado à segunda divisão do Brasileiro no domingo.
O Globo

gremioNa noite em que o futebol brasileiro começou a sair do luto, o Grêmio voltou, depois de 15 longos anos para sua torcida, ao lugar frequentado pelos maiores clubes do Brasil. O título de ontem da Copa do Brasil, garantido com um empate por 1 a 1 sobre o Atlético-MG, foi o quinto na história do tricolor gaúcho, que se isola como o maior vencedor da competição. Na noite em que encerrou o longo jejum de títulos nacionais, o Grêmio ainda deu a primeira volta olímpica de seu recém-construído estádio, e viu a consagração definitiva de Renato Gaúcho.
Ídolo maior da torcida por ter sido o herói do título mundial em 1983, ele assumiu como treinador da equipe pela terceira vez em setembro e conduziu o time à conquista de ontem. A vitória no jogo de ida facilitou tudo, e o Grêmio só precisou fazer os 90 minutos transcorrerem sem sobressaltos. As maiores emoções do jogo ficaram para os minutos finais. Aos 44 do segundo tempo, o Grêmio encaixou um contra-ataque e viu o equatoriano Bolaños fazer o gol do título, marcando 1 a 0, ao completar jogada de Éverton, o melhor em campo. Logo depois, aos 46, o também equatoriano Cazares, do Atlético, fez um incrível gol, encobrindo o goleiro Marcelo Grohe num chute de antes do meio-campo.
O apito final detonou o início da festa que ainda deve durar vários dias — principalmente se o rival Internacional for rebaixado à segunda divisão do Brasileiro no domingo.
O Globo