Bolinha entra com Ação Popular para suspender reajuste na CMCG

bolinhaO empresário Artur Bolinha e o diretório municipal do PPS ingressaram, nesta terça-feira (20), com uma Ação Popular (AP) pedindo a suspensão do Projeto de Lei Nº 333/2016, que reajustou em 26% os salários dos vereadores do município de Campina Grande (de R$ 12.025,00 para R$ 15.193,00), e ainda permitiu a concessão do décimo terceiro para os 23 parlamentares já a partir de 2017. O processo distribuído sob o número 923544-31.2016.8.15.0001 foi protocolado na 2ª Vara de Fazenda Pública de Campina Grande.
De acordo com Bolinha, a ação é uma resposta contra a atitude repudiável dos vereadores que aprovaram, às escuras, sem que nem mesmo a imprensa fosse comunicada, o aumento dos seus próprios salários.
“Espero que as pessoas continuem mostrando sua indignação contra este aumento até que seja revogado. Não podemos nos calar ou permitir que tal ato caia no esquecimento”, disse.
O empresário afirmou que dentro da atual situação que o país enfrenta, com cortes nas despesas, estados e municípios com dificuldades e o aumento da inflação, o momento é totalmente inoportuno.
MaisPB

bolinhaO empresário Artur Bolinha e o diretório municipal do PPS ingressaram, nesta terça-feira (20), com uma Ação Popular (AP) pedindo a suspensão do Projeto de Lei Nº 333/2016, que reajustou em 26% os salários dos vereadores do município de Campina Grande (de R$ 12.025,00 para R$ 15.193,00), e ainda permitiu a concessão do décimo terceiro para os 23 parlamentares já a partir de 2017. O processo distribuído sob o número 923544-31.2016.8.15.0001 foi protocolado na 2ª Vara de Fazenda Pública de Campina Grande.
De acordo com Bolinha, a ação é uma resposta contra a atitude repudiável dos vereadores que aprovaram, às escuras, sem que nem mesmo a imprensa fosse comunicada, o aumento dos seus próprios salários.
“Espero que as pessoas continuem mostrando sua indignação contra este aumento até que seja revogado. Não podemos nos calar ou permitir que tal ato caia no esquecimento”, disse.
O empresário afirmou que dentro da atual situação que o país enfrenta, com cortes nas despesas, estados e municípios com dificuldades e o aumento da inflação, o momento é totalmente inoportuno.
MaisPB