Estado Islâmico reivindica ataque de caminhão contra feira em Berlim

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta terça-feira (20) o atentado contra uma feira natalina em Berlim, ocorrido ontem (19), segundo reportou a Amaq, a agência de propaganda da organização. Um caminhão foi lançado na multidão, deixando 12 mortos e 48 feridos. As informações foram divulgadas pela Agência France-Presse (AFP).
“Um soldado do EI executou a operação de Berlim, em resposta aos apelos de visar cidadãos de países da coalizão internacional” que luta contra o EI, destacou a agência.
A coalizão internacional encabeçada pelos Estados Unidos e da qual participa a Alemanha, lança bombardeios aéreos sobre as posições do EI nas regiões que ocupa no Iraque e na Síria.
Na segunda-feira, um caminhão com placa da Polônia foi lançado deliberadamente sobre a multidão em uma feira natalina de Berlim, deixando pelo menos 12 mortos e 48 feridos.
A chanceler alemã, Angela Merkel, já tinha confirmado mais cedo nesta terça-feira que o massacre resultou de um “ataque terrorista”.
Agência Brasil

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta terça-feira (20) o atentado contra uma feira natalina em Berlim, ocorrido ontem (19), segundo reportou a Amaq, a agência de propaganda da organização. Um caminhão foi lançado na multidão, deixando 12 mortos e 48 feridos. As informações foram divulgadas pela Agência France-Presse (AFP).
“Um soldado do EI executou a operação de Berlim, em resposta aos apelos de visar cidadãos de países da coalizão internacional” que luta contra o EI, destacou a agência.
A coalizão internacional encabeçada pelos Estados Unidos e da qual participa a Alemanha, lança bombardeios aéreos sobre as posições do EI nas regiões que ocupa no Iraque e na Síria.
Na segunda-feira, um caminhão com placa da Polônia foi lançado deliberadamente sobre a multidão em uma feira natalina de Berlim, deixando pelo menos 12 mortos e 48 feridos.
A chanceler alemã, Angela Merkel, já tinha confirmado mais cedo nesta terça-feira que o massacre resultou de um “ataque terrorista”.
Agência Brasil