Polícia de SP oficializa recompensa de R$ 50 mil e busca no litoral suspeito de matar ambulante

A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo publicou nesta quarta-feira (28) no Diário Oficial do estado uma resolução que fixa em até R$ 50 mil a recompensa para quem der informações que levem à prisão dos autores da morte do ambulante Luiz Carlos Ruas, na Estação Pedro II do Metrô, no domingo (25).
A polícia busca Alípio Rogério Belo dos Santos, suspeito de matar o ambulante juntamente com Ricardo Nascimento Martins, preso na noite de terça-feira (27) no interior de São Paulo. Martins afirmou estar arrependido e que estava alterado após consumir “cachaça”.
A polícia suspeita que Alípio esteja escondido no litoral de São Paulo. O advogado da dupla, Marcolino Nunes Pinho, afirmou que o suspeito não vai se entregar, mas que deseja colaborar com as investigações. O advogado afirma que a dupla atuou em legítima defesa e pede a suspensão da prisão temporária contra seus clientes.
As denúncias devem ser feitas pela internet ao Disque-Denúncia, segundo a secretaria, por meio do site do programa. Não é preciso se identificar.

Prisão
Ricardo foi levado ao DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), na capital paulista, na noite de terça-feira. Ele deve ser transferido a uma delegacia, segundo a GloboNews, e ser submetido a depoimentos com testemunhas nesta quarta-feira (28).
O suspeito preso será levado para delegacia do Metrô, localizada na estação Palmeiras/Barra Funda, para ser reconhecido por testemunhas, como a travesti Raíssa.
A ex-mulher do outro suspeito afirmou ao Jornal Nacional que o ex-companheiro tem temperamento explosivo. Ela não quis ter o rosto nem o nome divulgado. “Ele tinha esses acessos de loucura, às vezes, chutava as coisas. Ele batia nas coisas, gritava, xingava, chamava atenção dos vizinhos nessas brigas”, disse.
A jovem espera que ele se entregue à polícia e diz estar preocupada principalmente com a filha. “Ainda estou em choque com essa história toda, porque isso vai impactar muito na vida dela”.
G1

A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo publicou nesta quarta-feira (28) no Diário Oficial do estado uma resolução que fixa em até R$ 50 mil a recompensa para quem der informações que levem à prisão dos autores da morte do ambulante Luiz Carlos Ruas, na Estação Pedro II do Metrô, no domingo (25).
A polícia busca Alípio Rogério Belo dos Santos, suspeito de matar o ambulante juntamente com Ricardo Nascimento Martins, preso na noite de terça-feira (27) no interior de São Paulo. Martins afirmou estar arrependido e que estava alterado após consumir “cachaça”.
A polícia suspeita que Alípio esteja escondido no litoral de São Paulo. O advogado da dupla, Marcolino Nunes Pinho, afirmou que o suspeito não vai se entregar, mas que deseja colaborar com as investigações. O advogado afirma que a dupla atuou em legítima defesa e pede a suspensão da prisão temporária contra seus clientes.
As denúncias devem ser feitas pela internet ao Disque-Denúncia, segundo a secretaria, por meio do site do programa. Não é preciso se identificar.

Prisão
Ricardo foi levado ao DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), na capital paulista, na noite de terça-feira. Ele deve ser transferido a uma delegacia, segundo a GloboNews, e ser submetido a depoimentos com testemunhas nesta quarta-feira (28).
O suspeito preso será levado para delegacia do Metrô, localizada na estação Palmeiras/Barra Funda, para ser reconhecido por testemunhas, como a travesti Raíssa.
A ex-mulher do outro suspeito afirmou ao Jornal Nacional que o ex-companheiro tem temperamento explosivo. Ela não quis ter o rosto nem o nome divulgado. “Ele tinha esses acessos de loucura, às vezes, chutava as coisas. Ele batia nas coisas, gritava, xingava, chamava atenção dos vizinhos nessas brigas”, disse.
A jovem espera que ele se entregue à polícia e diz estar preocupada principalmente com a filha. “Ainda estou em choque com essa história toda, porque isso vai impactar muito na vida dela”.
G1