Governo cubano autoriza internet em residências de Havana

O governo cubano autorizou o acesso à internet em residências. Cerca de 2 mil casas em Havana Velha já estão tendo o serviço instalado pela companhia estatal Etecsa por um período de testes de dois meses.
Além disso, foi anunciada também uma redução de 25% no valor pago pelo acesso por wi-fi em “hot spots”, único meio pelo qual os cubanos conseguiam se conectar.
Faz apenas um ano que os cubanos têm acesso à internet, mas conexões residenciais eram até então restritas a poucos profissionais, como médicos, jornalistas e acadêmicos, e muito caras. Para os demais cidadãos, a única opção era comprar um cartão com login e senha e usufruir do sinal em locais pré-determinados.
As 2 mil residências incluídas nos testes foram selecionadas por sua disponibilidade técnica, segundo a Etecsa, o que significa principalmente ter uma linha fixa de telefone. Os usuários precisam assinar um contrato para receberem o equipamento necessário.
Após os dois meses de testes, eles receberão propostas para novos contratos, caso queiram manter seu acesso residencial.
G1

O governo cubano autorizou o acesso à internet em residências. Cerca de 2 mil casas em Havana Velha já estão tendo o serviço instalado pela companhia estatal Etecsa por um período de testes de dois meses.
Além disso, foi anunciada também uma redução de 25% no valor pago pelo acesso por wi-fi em “hot spots”, único meio pelo qual os cubanos conseguiam se conectar.
Faz apenas um ano que os cubanos têm acesso à internet, mas conexões residenciais eram até então restritas a poucos profissionais, como médicos, jornalistas e acadêmicos, e muito caras. Para os demais cidadãos, a única opção era comprar um cartão com login e senha e usufruir do sinal em locais pré-determinados.
As 2 mil residências incluídas nos testes foram selecionadas por sua disponibilidade técnica, segundo a Etecsa, o que significa principalmente ter uma linha fixa de telefone. Os usuários precisam assinar um contrato para receberem o equipamento necessário.
Após os dois meses de testes, eles receberão propostas para novos contratos, caso queiram manter seu acesso residencial.
G1