Polícia suspeita de crime passional no desaparecimento de embaixador

A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) realiza na manhã desta sexta-feira (30) uma diligência para prender mais um envolvido no caso do desaparecimento do embaixador da Grécia no Brasil, Kyriakos Amiridis. As investigações estão bem adiantadas e a polícia trabalha com a hipótese de crime passional.
Uma pessoa chegou algemada à DHBF no início da manhã. Durante a madrugada, um policial militar prestou depoimento na especializada. O advogado do PM, que acompanhou o depoimento, deixou o local por volta das 3h, mas o policial permanecia na unidade até a publicação desta reportagem. Os investigadores não informam se o PM foi ouvido como testemunha ou suspeito do crime.
Na tarde de quinta-feira (29), o carro que o diplomata havia alugado foi encontrado incendiado, sob um viaduto do Arco Metropolitano, também na Baixada. Dentro do veículo havia um corpo carbonizado, que foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML) de Nova Iguaçu – os peritos farão exame da arcada dentária para descobrir se o corpo é do embaixador.
G1

A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) realiza na manhã desta sexta-feira (30) uma diligência para prender mais um envolvido no caso do desaparecimento do embaixador da Grécia no Brasil, Kyriakos Amiridis. As investigações estão bem adiantadas e a polícia trabalha com a hipótese de crime passional.
Uma pessoa chegou algemada à DHBF no início da manhã. Durante a madrugada, um policial militar prestou depoimento na especializada. O advogado do PM, que acompanhou o depoimento, deixou o local por volta das 3h, mas o policial permanecia na unidade até a publicação desta reportagem. Os investigadores não informam se o PM foi ouvido como testemunha ou suspeito do crime.
Na tarde de quinta-feira (29), o carro que o diplomata havia alugado foi encontrado incendiado, sob um viaduto do Arco Metropolitano, também na Baixada. Dentro do veículo havia um corpo carbonizado, que foi levado para o Instituto Médico-Legal (IML) de Nova Iguaçu – os peritos farão exame da arcada dentária para descobrir se o corpo é do embaixador.
G1