Polícia do RN invade Alcaçuz para retomar controle de presídio rebelado

invasao2Policiais militares do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) entraram mais uma vez na Penitenciária de Alcaçuz para tentar retomar o controle da unidade. A invasão aconteceu às 17h13 (18h13 no horário de Brasília) desta quinta-feira (19).
O objetivo da operação é separar as duas facções, anunciou mais cedo o governador Robinson Faria. Em entrevista à GloboNews, ele afirmou que pretende construir “uma parede física para separar o PCC do Sindicato do RN”.
Segundo o governador, a Polícia Militar permanecerá dentro da penitenciária até a construção da parede. Até lá, os PMs formarão uma espécie de “paredão humano” para conter os detentos.
Por volta das 16h30 presos atearam fogo no pavilhão 3. De longe era possível ver a fumaça preta que saía do pavilhão.
No último final de semana, 26 pessoas morreram em uma rebelião – nesta quinta, houve outro confronto entre as facções, também com mortes, mas o número de vítimas não foi informado. Segundo a PM, os presos “estão armados e se matando”.
Segundo o governador, a entrada dos policiais visa “permitir a construção de uma parede física para separar o PCC do Sindicato do RN”. Os policiais farão uma “corrente humana”, e permanecerão dentro da penitenciária até a construção de uma parede física que possa separar os presos.
G1

invasao2Policiais militares do Batalhão de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) entraram mais uma vez na Penitenciária de Alcaçuz para tentar retomar o controle da unidade. A invasão aconteceu às 17h13 (18h13 no horário de Brasília) desta quinta-feira (19).
O objetivo da operação é separar as duas facções, anunciou mais cedo o governador Robinson Faria. Em entrevista à GloboNews, ele afirmou que pretende construir “uma parede física para separar o PCC do Sindicato do RN”.
Segundo o governador, a Polícia Militar permanecerá dentro da penitenciária até a construção da parede. Até lá, os PMs formarão uma espécie de “paredão humano” para conter os detentos.
Por volta das 16h30 presos atearam fogo no pavilhão 3. De longe era possível ver a fumaça preta que saía do pavilhão.
No último final de semana, 26 pessoas morreram em uma rebelião – nesta quinta, houve outro confronto entre as facções, também com mortes, mas o número de vítimas não foi informado. Segundo a PM, os presos “estão armados e se matando”.
Segundo o governador, a entrada dos policiais visa “permitir a construção de uma parede física para separar o PCC do Sindicato do RN”. Os policiais farão uma “corrente humana”, e permanecerão dentro da penitenciária até a construção de uma parede física que possa separar os presos.
G1