Marido é suspeito de mandar matar mulher na frente de filhos, diz polícia

O marido de Aline Albuquerque da Silva, morta na frente dos filhos quando chegava em casa em Campina Grande no dia 21 de dezembro, está sendo apontado pela polícia como mandante do homicídio. Segundo informou nesta quinta-feira (9) a titular da Delegacia de Homicídios da cidade, delegada Ellen Maria, o homem de 44 anos é considerado foragido pois há já um mandando de prisão expedido contra ele.
A tese da polícia sobre o crime foi informada durante a apresentação de dois suspeitos presos na quarta-feira (8), apontados como o homem que atirou na jovem, de 18 anos, e o condutor da moto que deu fuga a ele, que tem 25 anos.
Aline foi assassinada a tiros na presença dos filhos, quando chegava em casa com o marido, no bairro de Bodocongó. Latrocínio seria a primeira linha de investigação, mas a Polícia Civil, na ocasião do crime, não descartava a possibilidade de ter sido execução.
Segundo o delegado Antônio Lopes, que presidiu as investigações, a vítima teria descoberto que o companheiro estaria envolvido em crimes patrimoniais e por isso ele teria mandado matá-la. “Uma espécie de queima de arquivo”, compara.
Na época do crime, em depoimento, o marido da vítima disse que o atirador anunciou o assalto, a esposa se assustou soltando uma sacola no chão e o rapaz atirou. Mas, segundo Antônio Lopes, em seu depoimento o atirador desmentiu essa versão, confessou que atirou em Aline, mas disse que “não foi para roubar nada e, sim, cobrar uma dívida”.
A delegada Ellen Maria já tinha afirmado que havia fatos que levavam a crer em execução, como o tempo da ação do criminoso e o fato dele ter atirado quando ela já estava caída. A polícia pede ajuda da população para encontrar o homem através de denúncias pelo 197.

Imagens
O sistema de monitoramento de câmeras de um condomínio que fica próximo à casa da vítima registrou o momento em que um homem de casaco azul vai em direção à mulher e ao marido dela. A ação dura cerca de 15 segundos. O atirador chega na rua sem disfarces e, após o crime, volta encapuzado e correndo. Ele usa uma moto para fugir que está em rua paralela.
G1 PB

O marido de Aline Albuquerque da Silva, morta na frente dos filhos quando chegava em casa em Campina Grande no dia 21 de dezembro, está sendo apontado pela polícia como mandante do homicídio. Segundo informou nesta quinta-feira (9) a titular da Delegacia de Homicídios da cidade, delegada Ellen Maria, o homem de 44 anos é considerado foragido pois há já um mandando de prisão expedido contra ele.
A tese da polícia sobre o crime foi informada durante a apresentação de dois suspeitos presos na quarta-feira (8), apontados como o homem que atirou na jovem, de 18 anos, e o condutor da moto que deu fuga a ele, que tem 25 anos.
Aline foi assassinada a tiros na presença dos filhos, quando chegava em casa com o marido, no bairro de Bodocongó. Latrocínio seria a primeira linha de investigação, mas a Polícia Civil, na ocasião do crime, não descartava a possibilidade de ter sido execução.
Segundo o delegado Antônio Lopes, que presidiu as investigações, a vítima teria descoberto que o companheiro estaria envolvido em crimes patrimoniais e por isso ele teria mandado matá-la. “Uma espécie de queima de arquivo”, compara.
Na época do crime, em depoimento, o marido da vítima disse que o atirador anunciou o assalto, a esposa se assustou soltando uma sacola no chão e o rapaz atirou. Mas, segundo Antônio Lopes, em seu depoimento o atirador desmentiu essa versão, confessou que atirou em Aline, mas disse que “não foi para roubar nada e, sim, cobrar uma dívida”.
A delegada Ellen Maria já tinha afirmado que havia fatos que levavam a crer em execução, como o tempo da ação do criminoso e o fato dele ter atirado quando ela já estava caída. A polícia pede ajuda da população para encontrar o homem através de denúncias pelo 197.

Imagens
O sistema de monitoramento de câmeras de um condomínio que fica próximo à casa da vítima registrou o momento em que um homem de casaco azul vai em direção à mulher e ao marido dela. A ação dura cerca de 15 segundos. O atirador chega na rua sem disfarces e, após o crime, volta encapuzado e correndo. Ele usa uma moto para fugir que está em rua paralela.
G1 PB