Brasileiros estão mais otimistas em relação à queda da inflação e do desemprego

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) mostra que o brasileiro está mais otimista em relação às perspectivas de queda da inflação e do desemprego. O INEC aumentou 0,6% em fevereiro na comparação com janeiro, alcançando 104,4 pontos. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o indicador registrou alta de 5,8%, mas permanece abaixo da média histórica de 108,7 pontos. Embora o índice ainda se encontre 3,9 pontos abaixo da média, os números mostram que o brasileiro segue mais otimista neste início de ano.
De acordo com a pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), metade dos itens que compõem o INEC teve crescimento em fevereiro frente a janeiro: compras de bens de maior valor (3,6%), inflação (3,0%) e desemprego (2,2%). Na comparação anual, a alta da expectativa em relação à redução da inflação é de 16%, patamar 4,8% acima da média histórica.
De outro lado, os indicadores de endividamento, renda própria e situação financeira tiveram queda em fevereiro em relação a janeiro. “Isso indica que, apesar do otimismo em relação aos preços e ao emprego, os brasileiros estão mais endividados e pouco confiantes de que sua renda e sua situação financeira irão melhorar no futuro próximo”, destaca a CNI. Esta edição do INEC, feita em parceria com o Ibope, ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios entre 16 e 20 de fevereiro.

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) mostra que o brasileiro está mais otimista em relação às perspectivas de queda da inflação e do desemprego. O INEC aumentou 0,6% em fevereiro na comparação com janeiro, alcançando 104,4 pontos. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o indicador registrou alta de 5,8%, mas permanece abaixo da média histórica de 108,7 pontos. Embora o índice ainda se encontre 3,9 pontos abaixo da média, os números mostram que o brasileiro segue mais otimista neste início de ano.
De acordo com a pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), metade dos itens que compõem o INEC teve crescimento em fevereiro frente a janeiro: compras de bens de maior valor (3,6%), inflação (3,0%) e desemprego (2,2%). Na comparação anual, a alta da expectativa em relação à redução da inflação é de 16%, patamar 4,8% acima da média histórica.
De outro lado, os indicadores de endividamento, renda própria e situação financeira tiveram queda em fevereiro em relação a janeiro. “Isso indica que, apesar do otimismo em relação aos preços e ao emprego, os brasileiros estão mais endividados e pouco confiantes de que sua renda e sua situação financeira irão melhorar no futuro próximo”, destaca a CNI. Esta edição do INEC, feita em parceria com o Ibope, ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios entre 16 e 20 de fevereiro.