Denúncia na CMCG: Governador cortou Munições, combustível e serviços extras da PM

O vereador Sargento Neto do PRTB, lamentou e denunciou na tribuna da Câmara Municipal de Campina Grande, que o Governo do Estado, reduziu ainda mais, as condições de trabalho dos Policiais Militares, mesmo após a realização da Audiência Pública que debateu a situação dos policiais em nosso Estado, ocorrida no final de fevereiro na Casa de Félix Araújo. De acordo com as denúncias formuladas pelo vereador, a partir deste final de semana, os policiais tiveram uma surpresa, ao saber que quase 50% de sua munição “Balas” foram diminuídas por turno de serviço, além de combustíveis e horas extras.
Segundo sargento Neto, este final de semana, ele foi procurado por uma comissão de policiais militares, pedindo para que ele, enquanto vereador e representante classista formalizasse essa denúncia na Câmara, para que a imprensa e a população de campinense soubessem da gravidade, e das consequências destes cortes. ”Além da diminuição de 15 munições, o Governo do Estado, mandou cortar 70% dos serviços extras e diminuir ainda mais a cota de combustível das viaturas” lamentou.
De acordo com o parlamentar, a diminuição em 70% dos serviços extras, também expõe a população campinense e paraibana, ao caos na segurança pública, pois, devido à defasagem de quase Nove (09) mil homens na Policia Militar da Paraíba, cada policial de folga, tinha a opção de trocar seu descanso, por horas extras, para complementar o salário ao final do mês. “Salário este, considerado e comprovado como o mais baixo do país, de acordo com a imprensa nacional” lamentou Sargento Neto.
Sobre a diminuição dos combustíveis das viaturas, o vereador também alertou, que isso piora ainda mais a situação da população, pois, além da ausência de homens nas ruas, as RPs (Rádio Patrulhas) estão limitadas em seu campo de ação, pois, não podem empreender grandes perseguições, pois podem ficar no caminho. “Recentemente explodiram alguns caixas de bancos, e as PRs não foram autorizadas a perseguir os assaltantes, devido ao limitado consumo de combustível” denunciou.
“Como representante público desta cidade, e de meus irmãos de Farda, tenho a obrigação de subir nesta tribuna, e alertar os perigos que toda a sociedade esta passando, pois, com a redução de munição, combustível e horas extras, nossa sociedade tem que pensar muito antes de sair de casa, e enfrentar as ruas de nossa cidade.” denunciou sargento Neto.

O vereador Sargento Neto do PRTB, lamentou e denunciou na tribuna da Câmara Municipal de Campina Grande, que o Governo do Estado, reduziu ainda mais, as condições de trabalho dos Policiais Militares, mesmo após a realização da Audiência Pública que debateu a situação dos policiais em nosso Estado, ocorrida no final de fevereiro na Casa de Félix Araújo. De acordo com as denúncias formuladas pelo vereador, a partir deste final de semana, os policiais tiveram uma surpresa, ao saber que quase 50% de sua munição “Balas” foram diminuídas por turno de serviço, além de combustíveis e horas extras.
Segundo sargento Neto, este final de semana, ele foi procurado por uma comissão de policiais militares, pedindo para que ele, enquanto vereador e representante classista formalizasse essa denúncia na Câmara, para que a imprensa e a população de campinense soubessem da gravidade, e das consequências destes cortes. ”Além da diminuição de 15 munições, o Governo do Estado, mandou cortar 70% dos serviços extras e diminuir ainda mais a cota de combustível das viaturas” lamentou.
De acordo com o parlamentar, a diminuição em 70% dos serviços extras, também expõe a população campinense e paraibana, ao caos na segurança pública, pois, devido à defasagem de quase Nove (09) mil homens na Policia Militar da Paraíba, cada policial de folga, tinha a opção de trocar seu descanso, por horas extras, para complementar o salário ao final do mês. “Salário este, considerado e comprovado como o mais baixo do país, de acordo com a imprensa nacional” lamentou Sargento Neto.
Sobre a diminuição dos combustíveis das viaturas, o vereador também alertou, que isso piora ainda mais a situação da população, pois, além da ausência de homens nas ruas, as RPs (Rádio Patrulhas) estão limitadas em seu campo de ação, pois, não podem empreender grandes perseguições, pois podem ficar no caminho. “Recentemente explodiram alguns caixas de bancos, e as PRs não foram autorizadas a perseguir os assaltantes, devido ao limitado consumo de combustível” denunciou.
“Como representante público desta cidade, e de meus irmãos de Farda, tenho a obrigação de subir nesta tribuna, e alertar os perigos que toda a sociedade esta passando, pois, com a redução de munição, combustível e horas extras, nossa sociedade tem que pensar muito antes de sair de casa, e enfrentar as ruas de nossa cidade.” denunciou sargento Neto.