Desembargador decide apreciar liminar antes de julgar habeas corpus de Rodolpho Carlos

O desembargador José Ricardo Porto decidiu apreciar liminar antes de julgar o pedido de habeas corpus feito pela defesa de Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, preso nessa segunda (24) por atropelar e matar o agente de trânsito Diogo Nascimento. Com isso, o acusado segue na carceragem da Central de Polícia Civil, no bairro do Geisel.
Rodolpho Carlos foi preso no prédio onde mora, em Manaíra, área nobre de João Pessoa, mesmo local onde o Porsche usado no crime foi apreendido. O acusado passará por audiência de custódia ainda nesta terça.
Ao Portal Correio, o delegado superintendente da Polícia Civil, Marcos Paulo Vilela, disse que a audiência provavelmente acontecerá à tarde.
A prisão de Rodolpho foi determinada na tarde dessa terça, pelo juiz Marcos William, titular do 1º Tribunal do Júri da Capital.

O caso
Diogo Nascimento foi atropelado na madrugada do dia 21 de janeiro quando trabalhava em uma operação da Lei Seca no Bessa, em João Pessoa. O acusado de atropelá-lo, Rodolpho Carlos, desobedeceu a ordem de parada e avançou um Porsche sobre o agente. A vítima chegou a ser socorrida para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, mas morreu no dia seguinte.
A Justiça pediu que Rodolpho fosse preso, mas o desembargador Joás de Brito concedeu habeas corpus na madrugada do domingo (22), antes mesmo do suspeito ser detido. O carro dele foi apreendido. Durante a semana que se sucedeu ao atropelamento, a Polícia Civil e o Ministério Público da Paraíba formularam novo pedido de prisão de Rodolpho e o caso ficou pendente até essa segunda-feira.
Portalcorreio

O desembargador José Ricardo Porto decidiu apreciar liminar antes de julgar o pedido de habeas corpus feito pela defesa de Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, preso nessa segunda (24) por atropelar e matar o agente de trânsito Diogo Nascimento. Com isso, o acusado segue na carceragem da Central de Polícia Civil, no bairro do Geisel.
Rodolpho Carlos foi preso no prédio onde mora, em Manaíra, área nobre de João Pessoa, mesmo local onde o Porsche usado no crime foi apreendido. O acusado passará por audiência de custódia ainda nesta terça.
Ao Portal Correio, o delegado superintendente da Polícia Civil, Marcos Paulo Vilela, disse que a audiência provavelmente acontecerá à tarde.
A prisão de Rodolpho foi determinada na tarde dessa terça, pelo juiz Marcos William, titular do 1º Tribunal do Júri da Capital.

O caso
Diogo Nascimento foi atropelado na madrugada do dia 21 de janeiro quando trabalhava em uma operação da Lei Seca no Bessa, em João Pessoa. O acusado de atropelá-lo, Rodolpho Carlos, desobedeceu a ordem de parada e avançou um Porsche sobre o agente. A vítima chegou a ser socorrida para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, mas morreu no dia seguinte.
A Justiça pediu que Rodolpho fosse preso, mas o desembargador Joás de Brito concedeu habeas corpus na madrugada do domingo (22), antes mesmo do suspeito ser detido. O carro dele foi apreendido. Durante a semana que se sucedeu ao atropelamento, a Polícia Civil e o Ministério Público da Paraíba formularam novo pedido de prisão de Rodolpho e o caso ficou pendente até essa segunda-feira.
Portalcorreio