Morre radialista que foi atingida por carro alegórico no Carnaval do Rio

Morreu neste sábado (29) a radialista Elizabeth Ferreira Joffe, de 55 anos, também conhecida como Liza Carioca. Ela foi uma das vítimas do acidente com o carro alegórico da escola de samba Paraíso do Tuiuti, durante a abertura do desfile do Grupo Especial, na Marques de Sapucaí. A informação foi confirmada pela direção do Hospital Quinta D’Or, em São Cristóvão, onde Elizabeth estava internada.
Elizabeth trabalhava como repórter de pista da Ativa FM. Ela estava na área próxima à concentração quando foi atingida pelo carro alegórico. Naquela noite, ao todo vinte pessoas ficaram feridas ao serem atingidas pelo veículo.
Por nota, a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) informou manifestar “mais profundo pesar pelo falecimento da radialista Liza Carioca”. “Nos solidariezamos com todos seus familiares e amigos neste momento de dor”, diz o texto.
Também por meio da assessoria, a Paraíso do Tuiuti informou que a escola está “profundamente consternada com o falecimento da senhora Elisabeth Joffe”. No texto, a agremiação diz ainda que “a diretoria do Grêmio Recreativo Escola de Samba Paraíso do Tuiuti lamenta o ocorrido e presta as mais sinceras condolências aos familiares e amigos”.
“Desde o fatídico episódio, a agremiação não se furtou em arcar com os custos do tratamento médico e oferecer apoio irrestrito ás vítimas com sequelas e ferimentos graves. Declaramos luto e mais uma vez lamentamos que as consequências do acidente tenham sido as piores possíveis”, complementa a escola de samba.
O acidente ocorreu quando um dos carros da escola perdeu o controle e prensou pessoas na grade que separa a arquibancada da pista. Alguns feridos ficaram presos nas ferragens e militares dos bombeiros tiveram que serrar a grade. Naquela noite, duas pessoas foram levadas para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, com ferimentos graves.

Filhos criticaram escola de samba
Antes de ser transferida para o Quinta D’or, em fevereiro, os filhos de Elizabeth criticaram a atuação da escola durante o acidente. “Minha mãe ficou presa na grade e eles preocupados com o desfile acontecer. Pelo amor de Deus, é surreal”, disse, à época, Rafaela Anastásia, filha de Elizabeth Jofre.
“Desde a noite de ontem, minha mãe não recebeu qualquer tipo de suporte por Parte da Liesa, nem da Paraíso do Tuiuti. Só tivemos assistência mesmo dos funcionários do Souza Aguiar”, acrescentou a filha.
G1

Morreu neste sábado (29) a radialista Elizabeth Ferreira Joffe, de 55 anos, também conhecida como Liza Carioca. Ela foi uma das vítimas do acidente com o carro alegórico da escola de samba Paraíso do Tuiuti, durante a abertura do desfile do Grupo Especial, na Marques de Sapucaí. A informação foi confirmada pela direção do Hospital Quinta D’Or, em São Cristóvão, onde Elizabeth estava internada.
Elizabeth trabalhava como repórter de pista da Ativa FM. Ela estava na área próxima à concentração quando foi atingida pelo carro alegórico. Naquela noite, ao todo vinte pessoas ficaram feridas ao serem atingidas pelo veículo.
Por nota, a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) informou manifestar “mais profundo pesar pelo falecimento da radialista Liza Carioca”. “Nos solidariezamos com todos seus familiares e amigos neste momento de dor”, diz o texto.
Também por meio da assessoria, a Paraíso do Tuiuti informou que a escola está “profundamente consternada com o falecimento da senhora Elisabeth Joffe”. No texto, a agremiação diz ainda que “a diretoria do Grêmio Recreativo Escola de Samba Paraíso do Tuiuti lamenta o ocorrido e presta as mais sinceras condolências aos familiares e amigos”.
“Desde o fatídico episódio, a agremiação não se furtou em arcar com os custos do tratamento médico e oferecer apoio irrestrito ás vítimas com sequelas e ferimentos graves. Declaramos luto e mais uma vez lamentamos que as consequências do acidente tenham sido as piores possíveis”, complementa a escola de samba.
O acidente ocorreu quando um dos carros da escola perdeu o controle e prensou pessoas na grade que separa a arquibancada da pista. Alguns feridos ficaram presos nas ferragens e militares dos bombeiros tiveram que serrar a grade. Naquela noite, duas pessoas foram levadas para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro, com ferimentos graves.

Filhos criticaram escola de samba
Antes de ser transferida para o Quinta D’or, em fevereiro, os filhos de Elizabeth criticaram a atuação da escola durante o acidente. “Minha mãe ficou presa na grade e eles preocupados com o desfile acontecer. Pelo amor de Deus, é surreal”, disse, à época, Rafaela Anastásia, filha de Elizabeth Jofre.
“Desde a noite de ontem, minha mãe não recebeu qualquer tipo de suporte por Parte da Liesa, nem da Paraíso do Tuiuti. Só tivemos assistência mesmo dos funcionários do Souza Aguiar”, acrescentou a filha.
G1