Em apenas 24 horas choveu 54% do esperado para todo o mês de maio em João Pessoa

Entre as manhãs da terça (2) e desta quarta-feira (3) a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado (Aesa) registrou 139 milímetros de chuva em João Pessoa, o equivalente a 54% da média histórica de todo o mês de maio para a cidade. Os maiores índices pluviométricos foram anotados nos bairros Cristo Redentor (105 mm), Altiplano (92,8 mm), Manaíra (68,6 mm) e Centro (54,6 mm).
De acordo com a meteorologista da Aesa, Marle Bandeira, as chuvas foram provocadas por aglomerados de nuvens que vieram do oceano Atlântico. A previsão para a tarde desta quarta-feira (3) é de chuvas ocasionais nas regiões Litoral, Brejo e Agreste. “Observamos a formação de nuvens baixas no setor centro-leste da Paraíba, associada ao deslocamento de umidade oriunda do oceano Atlântico em direção à costa leste do Estado”, informou.
O ranking das chuvas da Aesa neste mês é liderado pela capital (139 mm), seguido pelos municípios Conde (98 mm), Cruz do Espírito Santo (96,5 mm), Capim (85,4 mm) e Cabedelo (65,7 mm). Já as cinco cidades onde mais choveu em 2017 são Mataraca (750,5 mm), Pedra Branca (725,7 mm), Diamante (723,5 mm), Mato Grosso (714,6 mm) e Cajazeiras (691 mm).
Monitoramento – A Sala de Situação da Aesa, também conhecida como Centro de Gestão de Situações Críticas, funciona em Campina Grande e monitora a variação climática de forma ininterrupta em todo o Estado, possibilitando a prevenção de eventos críticos como secas e enchentes. “Nossos técnicos trabalharam em sistema de plantão, acompanhando em tempo real os dados enviados pelas estações meteorológicas”, destacou o presidente da Aesa, João Fernandes.
Parte destes dados está disponível na internet, no site www.aesa.pb.gov.br, onde também podem ser obtidas informações sobre o nível dos açudes, autorização para uso da água bruta e o trabalho desenvolvido pelos comitês de bacias.

Entre as manhãs da terça (2) e desta quarta-feira (3) a Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado (Aesa) registrou 139 milímetros de chuva em João Pessoa, o equivalente a 54% da média histórica de todo o mês de maio para a cidade. Os maiores índices pluviométricos foram anotados nos bairros Cristo Redentor (105 mm), Altiplano (92,8 mm), Manaíra (68,6 mm) e Centro (54,6 mm).
De acordo com a meteorologista da Aesa, Marle Bandeira, as chuvas foram provocadas por aglomerados de nuvens que vieram do oceano Atlântico. A previsão para a tarde desta quarta-feira (3) é de chuvas ocasionais nas regiões Litoral, Brejo e Agreste. “Observamos a formação de nuvens baixas no setor centro-leste da Paraíba, associada ao deslocamento de umidade oriunda do oceano Atlântico em direção à costa leste do Estado”, informou.
O ranking das chuvas da Aesa neste mês é liderado pela capital (139 mm), seguido pelos municípios Conde (98 mm), Cruz do Espírito Santo (96,5 mm), Capim (85,4 mm) e Cabedelo (65,7 mm). Já as cinco cidades onde mais choveu em 2017 são Mataraca (750,5 mm), Pedra Branca (725,7 mm), Diamante (723,5 mm), Mato Grosso (714,6 mm) e Cajazeiras (691 mm).
Monitoramento – A Sala de Situação da Aesa, também conhecida como Centro de Gestão de Situações Críticas, funciona em Campina Grande e monitora a variação climática de forma ininterrupta em todo o Estado, possibilitando a prevenção de eventos críticos como secas e enchentes. “Nossos técnicos trabalharam em sistema de plantão, acompanhando em tempo real os dados enviados pelas estações meteorológicas”, destacou o presidente da Aesa, João Fernandes.
Parte destes dados está disponível na internet, no site www.aesa.pb.gov.br, onde também podem ser obtidas informações sobre o nível dos açudes, autorização para uso da água bruta e o trabalho desenvolvido pelos comitês de bacias.