Mulher é morta com tiro na cabeça

Uma mulher foi assassinada com um tiro na nunca na noite dessa quarta-feira (18) no bairro das Cidades, em Campina Grande. Em contato como Portal MaisPB, a delegada responsável pelas investigações, Tatiana Matos, explicou que aguarda um exame da perícia para constatar se a vítima estava grávida.
“De fatos os parentes da vítima afirmaram que ela estava grávida de sete meses, ela chegou a postar uma foto nas redes sociais que evidenciava a barriga, mas no local do crime nem eu nem os peritos conseguimos identificar qualquer evidência de uma gravidez”, explicou.
De acordo com o Centro Integrado de Operações (Ciop), Élida Pereira de Araújo, 18 anos, conhecida por ‘Galega’, morava no município de Esperança. Acionada para socorrer a vítima, a equipe do Samu solicitou apoio à Polícia Militar, mas ao chegar ao local constatou a morte da mulher.
O principal suspeito de praticar o crime é o companheiro da vítima, Márcio Cavalcanti da Silva, 43 anos. “Ele ligou para o pai da vítima e afirmou que foi um tiro acidental”, explicou a delegada.
Mesmo alegando que o disparo que matou Élida Pereira foi acidental, o suspeito está foragido.
MaisPB

Uma mulher foi assassinada com um tiro na nunca na noite dessa quarta-feira (18) no bairro das Cidades, em Campina Grande. Em contato como Portal MaisPB, a delegada responsável pelas investigações, Tatiana Matos, explicou que aguarda um exame da perícia para constatar se a vítima estava grávida.
“De fatos os parentes da vítima afirmaram que ela estava grávida de sete meses, ela chegou a postar uma foto nas redes sociais que evidenciava a barriga, mas no local do crime nem eu nem os peritos conseguimos identificar qualquer evidência de uma gravidez”, explicou.
De acordo com o Centro Integrado de Operações (Ciop), Élida Pereira de Araújo, 18 anos, conhecida por ‘Galega’, morava no município de Esperança. Acionada para socorrer a vítima, a equipe do Samu solicitou apoio à Polícia Militar, mas ao chegar ao local constatou a morte da mulher.
O principal suspeito de praticar o crime é o companheiro da vítima, Márcio Cavalcanti da Silva, 43 anos. “Ele ligou para o pai da vítima e afirmou que foi um tiro acidental”, explicou a delegada.
Mesmo alegando que o disparo que matou Élida Pereira foi acidental, o suspeito está foragido.
MaisPB