OAB-PB defende impeachment de Temer e eleições diretas

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Paraíba (OAB-PB), Paulo Maia, disse nesta quinta-feira (18) que a instituição é favorável ao impeachment do presidente Michel Temer (PMDB), caso as denúncias de corrupção contra ele sejam comprovadas. Assim como a OAB nacional, ele também defendeu a divulgação, na íntegra, dos áudios gravados pelos donos da JBS em que há indícios de obstrução da justiça praticada pelo presidente e de recebimento de dinheiro por parte dos senadores Aécio Neves (PSDB) e Zezé Perrella (PMDB).

“Nós já protocolamos o pedido para que haja o acesso as informações e se o presidente Temer tiver praticado crime, a OAB adotará a mesma postura de pedir o impeachment também, porque nós não temos partido, não temos lado”, afirmou Paulo Maia.

Ele adiantou que caso o presidente deixe o cargo, a OAB defende eleição direta. Para Paulo Maia, essa seria uma maneira democrática e prevista na Constituição Federal de escolha do novo presidente.

“Entendo que carece ao atual Congresso legitimidade política para eleger o sucessor do presidente. Possa ser que essa seja a maneira correta e adequada da Constituição Federal, mas entendo o Congresso deveria se furtar desse papel, porque não há nesse momento de convulsão social legitimidade e condições morais para o Congresso eleger um presidente pela via indireta. Pode haver legitimidade jurídica e formal, mas até mesmo para se preservar o Congresso deveria se furtar e entregar para uma eleição direta”, afirmou Paulo Maia.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil seccional Paraíba (OAB-PB), Paulo Maia, disse nesta quinta-feira (18) que a instituição é favorável ao impeachment do presidente Michel Temer (PMDB), caso as denúncias de corrupção contra ele sejam comprovadas. Assim como a OAB nacional, ele também defendeu a divulgação, na íntegra, dos áudios gravados pelos donos da JBS em que há indícios de obstrução da justiça praticada pelo presidente e de recebimento de dinheiro por parte dos senadores Aécio Neves (PSDB) e Zezé Perrella (PMDB).

“Nós já protocolamos o pedido para que haja o acesso as informações e se o presidente Temer tiver praticado crime, a OAB adotará a mesma postura de pedir o impeachment também, porque nós não temos partido, não temos lado”, afirmou Paulo Maia.

Ele adiantou que caso o presidente deixe o cargo, a OAB defende eleição direta. Para Paulo Maia, essa seria uma maneira democrática e prevista na Constituição Federal de escolha do novo presidente.

“Entendo que carece ao atual Congresso legitimidade política para eleger o sucessor do presidente. Possa ser que essa seja a maneira correta e adequada da Constituição Federal, mas entendo o Congresso deveria se furtar desse papel, porque não há nesse momento de convulsão social legitimidade e condições morais para o Congresso eleger um presidente pela via indireta. Pode haver legitimidade jurídica e formal, mas até mesmo para se preservar o Congresso deveria se furtar e entregar para uma eleição direta”, afirmou Paulo Maia.