Inter de Lages (SC) entra na justiça contra o Treze novamente

A equipe catarinense entrou com uma ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) contra o Treze, alegando que Marcelinho Paraíba teria atuado de forma irregular com a camisa do Galo da Borborema em um amistoso contra o Sport Campina. O clube de Campina Grande foi denunciado no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva e o julgamento já está marcado para esta sexta-feira (26).

O artigo citado fala sobre a escalação de jogador de forma irregular e prevê a perda dos pontos conquistados na partida ou competição, bem como uma multa que vai de R$ 100 até R$ 100 mil. Como o caso faz referência a um amistoso, o Treze só poderia ficar exposto à punição financeira.

Entenda
A briga entre Inter e Treze não é novidade. O primeiro desentendimento entre as equipes aconteceu no final de 2016, quando o Treze anunciou Marcelinho como a maior contratação para a temporada galista, mesmo o jogador tendo contrato até maio de 2017 com a equipe catarinense. O atleta, então, conseguiu uma liminar na 4º Vara do Trabalho que lhe dava o direito de atuar pelo Treze, iniciando o imbróglio.
Correio da Paraíba

A equipe catarinense entrou com uma ação no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) contra o Treze, alegando que Marcelinho Paraíba teria atuado de forma irregular com a camisa do Galo da Borborema em um amistoso contra o Sport Campina. O clube de Campina Grande foi denunciado no artigo 214 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva e o julgamento já está marcado para esta sexta-feira (26).

O artigo citado fala sobre a escalação de jogador de forma irregular e prevê a perda dos pontos conquistados na partida ou competição, bem como uma multa que vai de R$ 100 até R$ 100 mil. Como o caso faz referência a um amistoso, o Treze só poderia ficar exposto à punição financeira.

Entenda
A briga entre Inter e Treze não é novidade. O primeiro desentendimento entre as equipes aconteceu no final de 2016, quando o Treze anunciou Marcelinho como a maior contratação para a temporada galista, mesmo o jogador tendo contrato até maio de 2017 com a equipe catarinense. O atleta, então, conseguiu uma liminar na 4º Vara do Trabalho que lhe dava o direito de atuar pelo Treze, iniciando o imbróglio.
Correio da Paraíba