Lama e entulhos tomam conta de ruas em cidades atingidas por chuvas em Pernambuco

lamaaDois dias depois das fortes chuvas que castigaram o interior de Pernambuco, começaram a aparecer, nesta terça-feira (30), os estragos causados pelas enchentes. A água dos rios das regiões baixou e ruas foram tomadas por lama e entulhos. A situação mais complicada foi registrada em Barreiros e Rio Formoso, na Zona da Mata Sul. Ao todo, Pernambuco tem 15 cidades em estado de calamidade pública.
As chuvas também ocasionaram duas mortes em Lagoa dos Gatos, e duas pessoas estão desaparecidas em Caruaru. Na cidade, no Agreste, uma criança morreu ao cair em um açude. De acordo com o governo, há 16 sistemas de abastamento de água paralisados, atingindo 2,2 milhões de pernambucanos.
De acordo com a Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe), são 44.801 moradores ao todo sem habitação: 42.145 desalojados, que deixaram as residências, e 2.656 desabrigados, que perderam as casas. Até a segunda de manhã, o número de pessoas afetadas pelas enchentes era de cerca de 30 mil. A chuva também danificou 10 unidades de saúde básica e um hospital em na Zona da Mata.
Apenas em Barreiros, na Mata Sul, 17 mil pessoas ainda estão fora das casas, por causa da enchente. O município fica localizado às margens dos Rios Una e Carimã. O primeiro, na terça-feira, estava a um metro do nível de transbordamento.
Algumas áreas da cidade, que também foram castigadas por uma enchente em 2010, continuaram inacessíveis até o fim de segunda-feira (29) e os moradores só puderam voltar às residências nesta terça, para começar a limpeza e recuperação dos imóveis. Muitas pessoas informaram que não será possível voltar a amorar em alguma áreas.
Em Rio Formoso, também na Mata Sul, a chuva causou uma inundação de quase dois metros em algumas comunidades do município. Duas das quatro unidades de saúde do município ficaram destruídas após as enchentes.
Na comunidade de Santa Edwiges, os equipamentos e móveis da unidade de saúde local ficaram completamente destruídos. O edifício foi tomado pelas águas e, nesta terça-feira, os moradores tiveram que buscar móveis e objetos pessoais no mangue, às margens do Rio Formoso.
Residente em Catende, na Mata Sul, a agricultora Márcia de Lima lamentou os estragos da chuva: “O que deu pra gente carregar, a gente carregou. Graças a Deus, salvamos a vida dos meninos, e o resto foi embora na enchente”. No município, a água quase cobriu os ônibus que estavam estacionados em um posto de combustíveis.
lama22Para ajudar as famílias que perderam praticamente tudo nas enchentes, diversas instituições e entidades realizam arrecadação de alimentos não perecíveis e objetos de higiene pessoal. Há pontos de coleta no Recife, em Olinda e nos 15 câmpus do do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).
Na noite de segunda-feira (29), o secretário de Planejamento e Gestão de Pernambuco, Márcio Stefanni, reconheceu que faltaram verbas para finalizar as obras de quatro barragens que ajudariam a conter as enchentes em rios do estado, prometidas desde 2010. De acordo com ele, a paralisação dos repasses pelo governo federal prejudicou o andamento das construções.

Veja as cidades em situação de calamidade pública:
– Rio Formoso
– Ribeirão
– Água Preta
– Palmares
– Catende
– Maraial
– Belém de Maria
– Barreiros
– Amaraji
– Barra de Guabiraba
– São Benedito do Sul
– Cortês
– Jaqueira
– Gameleira
– Caruaru

CRIME
Três homens foram presos sob suspeita de roubar alimentos e sapatos em Barreiros, uma das cidades castigadas pelas chuvas e enchentes na Zona da Mata Sul de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar, as capturas aconteceram na noite de segunda-feira (29), logo depois da ação criminosa. Boxes do mercado da cidade foram arrombados enquanto as ruas estavam cheias de água.

ALAGOAS
As fortes chuvas que caíram na semana passada em Alagoas também resultaram em deslizamentos e inundações que deixaram desabrigados, desaparecidos e mortos. Cinco pessoas morreram e mais de 4 mil famílias estão desabrigadas ou desalojadas. O governo decretou situação de emergência em 27 municípios do estado.
Médicos peritos do Instituto Médico Legal (IML) de Alagoas vão submeter, na manhã desta terça-feira, o corpo que foi achado na tarde de ontem na área de deslizamento de terra da Grota do Santo Amaro, em Maceió, a exames de identificação.
Ao todo, 22 municípios foram afetados, mas em 4 deles não há registro de famílias que tiveram que deixar as casas.

Entenda as fortes chuvas no Nordeste
No Nordeste, as chuvas ocorrem por causa de um fluxo de vento que vem do oceano carregado de ar úmido, formando nuvens carregadas na costa e na Zona da Mata. De acordo com o meteorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia, trata-se de um sistema chamado onda de leste, comum nesta região no outono e inverno.
G1

lamaaDois dias depois das fortes chuvas que castigaram o interior de Pernambuco, começaram a aparecer, nesta terça-feira (30), os estragos causados pelas enchentes. A água dos rios das regiões baixou e ruas foram tomadas por lama e entulhos. A situação mais complicada foi registrada em Barreiros e Rio Formoso, na Zona da Mata Sul. Ao todo, Pernambuco tem 15 cidades em estado de calamidade pública.
As chuvas também ocasionaram duas mortes em Lagoa dos Gatos, e duas pessoas estão desaparecidas em Caruaru. Na cidade, no Agreste, uma criança morreu ao cair em um açude. De acordo com o governo, há 16 sistemas de abastamento de água paralisados, atingindo 2,2 milhões de pernambucanos.
De acordo com a Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe), são 44.801 moradores ao todo sem habitação: 42.145 desalojados, que deixaram as residências, e 2.656 desabrigados, que perderam as casas. Até a segunda de manhã, o número de pessoas afetadas pelas enchentes era de cerca de 30 mil. A chuva também danificou 10 unidades de saúde básica e um hospital em na Zona da Mata.
Apenas em Barreiros, na Mata Sul, 17 mil pessoas ainda estão fora das casas, por causa da enchente. O município fica localizado às margens dos Rios Una e Carimã. O primeiro, na terça-feira, estava a um metro do nível de transbordamento.
Algumas áreas da cidade, que também foram castigadas por uma enchente em 2010, continuaram inacessíveis até o fim de segunda-feira (29) e os moradores só puderam voltar às residências nesta terça, para começar a limpeza e recuperação dos imóveis. Muitas pessoas informaram que não será possível voltar a amorar em alguma áreas.
Em Rio Formoso, também na Mata Sul, a chuva causou uma inundação de quase dois metros em algumas comunidades do município. Duas das quatro unidades de saúde do município ficaram destruídas após as enchentes.
Na comunidade de Santa Edwiges, os equipamentos e móveis da unidade de saúde local ficaram completamente destruídos. O edifício foi tomado pelas águas e, nesta terça-feira, os moradores tiveram que buscar móveis e objetos pessoais no mangue, às margens do Rio Formoso.
Residente em Catende, na Mata Sul, a agricultora Márcia de Lima lamentou os estragos da chuva: “O que deu pra gente carregar, a gente carregou. Graças a Deus, salvamos a vida dos meninos, e o resto foi embora na enchente”. No município, a água quase cobriu os ônibus que estavam estacionados em um posto de combustíveis.
lama22Para ajudar as famílias que perderam praticamente tudo nas enchentes, diversas instituições e entidades realizam arrecadação de alimentos não perecíveis e objetos de higiene pessoal. Há pontos de coleta no Recife, em Olinda e nos 15 câmpus do do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).
Na noite de segunda-feira (29), o secretário de Planejamento e Gestão de Pernambuco, Márcio Stefanni, reconheceu que faltaram verbas para finalizar as obras de quatro barragens que ajudariam a conter as enchentes em rios do estado, prometidas desde 2010. De acordo com ele, a paralisação dos repasses pelo governo federal prejudicou o andamento das construções.

Veja as cidades em situação de calamidade pública:
– Rio Formoso
– Ribeirão
– Água Preta
– Palmares
– Catende
– Maraial
– Belém de Maria
– Barreiros
– Amaraji
– Barra de Guabiraba
– São Benedito do Sul
– Cortês
– Jaqueira
– Gameleira
– Caruaru

CRIME
Três homens foram presos sob suspeita de roubar alimentos e sapatos em Barreiros, uma das cidades castigadas pelas chuvas e enchentes na Zona da Mata Sul de Pernambuco. De acordo com a Polícia Militar, as capturas aconteceram na noite de segunda-feira (29), logo depois da ação criminosa. Boxes do mercado da cidade foram arrombados enquanto as ruas estavam cheias de água.

ALAGOAS
As fortes chuvas que caíram na semana passada em Alagoas também resultaram em deslizamentos e inundações que deixaram desabrigados, desaparecidos e mortos. Cinco pessoas morreram e mais de 4 mil famílias estão desabrigadas ou desalojadas. O governo decretou situação de emergência em 27 municípios do estado.
Médicos peritos do Instituto Médico Legal (IML) de Alagoas vão submeter, na manhã desta terça-feira, o corpo que foi achado na tarde de ontem na área de deslizamento de terra da Grota do Santo Amaro, em Maceió, a exames de identificação.
Ao todo, 22 municípios foram afetados, mas em 4 deles não há registro de famílias que tiveram que deixar as casas.

Entenda as fortes chuvas no Nordeste
No Nordeste, as chuvas ocorrem por causa de um fluxo de vento que vem do oceano carregado de ar úmido, formando nuvens carregadas na costa e na Zona da Mata. De acordo com o meteorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia, trata-se de um sistema chamado onda de leste, comum nesta região no outono e inverno.
G1