Contratado para ser o ‘homem gol’, atacante Reinaldo Alagoano ainda não correspondeu na Raposa

homemGol“Vou defender o Campinense com todas as minhas forças”. Foram com essas palavras que Reinaldo Alagoano chegou à Raposa, no final de março desse ano. Quase três meses depois, o jogador de 30 anos é titular no ataque da equipe, demonstra vontade em campo, mas não corresponde aquilo que mais foi pedido em sua chegada: gols.

Os números não são favoráveis ao atacante. Nos nove jogos em que já disputou pelo Rubro-Negro em 2017, o jogador só balançou as redes em três ocasiões, com uma média de 0,37 gols por jogo. As oportunidades foram contra o Sport (Copa do Nordeste), Treze (Campeonato Paraibano) e Atlético Pernambucano (Série D).

Assim como a fase do atacante, porém, acompanha um time que agora ensaia uma evolução após o desastre na estreia da Série D do Campeonato Brasileiro, na derrota por 4 a 3 para o Atlético/PE.

“Sempre que a gente vai atacar o adversário, fica um buraco muito grande no meio-campo. Eu estou de frente ali e, quando viro de costas, vejo como o time está. Durante os treinos, o professor viu isso, e já estamos jogando de uma maneira diferente”, analisou o atacante que, antes de assinar com o Campinense foi sondado, inclusive, pelo rival Treze.

No mês passado, Alagoano teve uma ida especulada para o Remo/PA, onde havia acertado bases salariais. A liberação, no entanto, não aconteceu. O atacante é uma das principais peças ofensivas da equipe do técnico Aílton Silva para o Brasileirão. Responsabilidade para ser o “homem-gol” que o atacante ainda não assumiu.

“Acabo me desgastando um pouco, nos últimos jogos tive que voltar bastante. Mas não vejo problema algum em estar ajudando os companheiros. Lógico que a bola precisa chegar mais em mim. Chegando, a gente pode criar mais situações de gol”, justificou.

Desempenho de Reinaldo Alagoano no Campinense

8 Jogos

3 Vitórias

2 Empates

4 Derrotas

3 Gols

40% de aproveitamento

Correio da Paraíba

homemGol“Vou defender o Campinense com todas as minhas forças”. Foram com essas palavras que Reinaldo Alagoano chegou à Raposa, no final de março desse ano. Quase três meses depois, o jogador de 30 anos é titular no ataque da equipe, demonstra vontade em campo, mas não corresponde aquilo que mais foi pedido em sua chegada: gols.

Os números não são favoráveis ao atacante. Nos nove jogos em que já disputou pelo Rubro-Negro em 2017, o jogador só balançou as redes em três ocasiões, com uma média de 0,37 gols por jogo. As oportunidades foram contra o Sport (Copa do Nordeste), Treze (Campeonato Paraibano) e Atlético Pernambucano (Série D).

Assim como a fase do atacante, porém, acompanha um time que agora ensaia uma evolução após o desastre na estreia da Série D do Campeonato Brasileiro, na derrota por 4 a 3 para o Atlético/PE.

“Sempre que a gente vai atacar o adversário, fica um buraco muito grande no meio-campo. Eu estou de frente ali e, quando viro de costas, vejo como o time está. Durante os treinos, o professor viu isso, e já estamos jogando de uma maneira diferente”, analisou o atacante que, antes de assinar com o Campinense foi sondado, inclusive, pelo rival Treze.

No mês passado, Alagoano teve uma ida especulada para o Remo/PA, onde havia acertado bases salariais. A liberação, no entanto, não aconteceu. O atacante é uma das principais peças ofensivas da equipe do técnico Aílton Silva para o Brasileirão. Responsabilidade para ser o “homem-gol” que o atacante ainda não assumiu.

“Acabo me desgastando um pouco, nos últimos jogos tive que voltar bastante. Mas não vejo problema algum em estar ajudando os companheiros. Lógico que a bola precisa chegar mais em mim. Chegando, a gente pode criar mais situações de gol”, justificou.

Desempenho de Reinaldo Alagoano no Campinense

8 Jogos

3 Vitórias

2 Empates

4 Derrotas

3 Gols

40% de aproveitamento

Correio da Paraíba