Entidades criam fórum para articulação da greve geral proposta para o período de 26 a 30 deste mês

Representantes das centrais sindicais, Frente Brasil Popular, sindicatos e de movimentos sociais criaram em Campina Grande o Fórum em Defesa Social e da Democracia, com o objetivo de articulação da greve geral prevista para acontecer no período de 26 a 30 do corrente mês.
Segundo informações do secretário Geral da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/PB), José do Nascimento Coelho, o Fórum é de grande importância, uma vez que atuará na articulação dos trabalhadores das mais diversas categorias convocando estes à adesão da greve geral contra as reformas previdenciária e trabalhista propostas pelo governo Michel Temer, assim como outras ações em planejamento.
“O envolvimento da classe trabalhadora é decisivo para reforçar a mobilização nacional contra a retirada de direitos, sendo a principal pauta a luta contra a reforma trabalhista e a reforma da Previdência”, afirma Coelho, acrescentando que o mês de junho será marcado de lutas, com assembleias, reuniões, plenárias e outras manifestações para sensibilizaremos trabalhadores à greve geral, como resposta ao presidente Michel Temer, frente à situação política, social e econômica que o país atravessa.
O slogan é ‘nenhum direito a menos’ e pelas prerrogativas, acredita Coelho, o movimento se encaminha com sucesso para a greve geral no final deste mês, quando o Brasil todo deve parar.

Texto: Ascom/Sindcomerciários

Representantes das centrais sindicais, Frente Brasil Popular, sindicatos e de movimentos sociais criaram em Campina Grande o Fórum em Defesa Social e da Democracia, com o objetivo de articulação da greve geral prevista para acontecer no período de 26 a 30 do corrente mês.
Segundo informações do secretário Geral da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB/PB), José do Nascimento Coelho, o Fórum é de grande importância, uma vez que atuará na articulação dos trabalhadores das mais diversas categorias convocando estes à adesão da greve geral contra as reformas previdenciária e trabalhista propostas pelo governo Michel Temer, assim como outras ações em planejamento.
“O envolvimento da classe trabalhadora é decisivo para reforçar a mobilização nacional contra a retirada de direitos, sendo a principal pauta a luta contra a reforma trabalhista e a reforma da Previdência”, afirma Coelho, acrescentando que o mês de junho será marcado de lutas, com assembleias, reuniões, plenárias e outras manifestações para sensibilizaremos trabalhadores à greve geral, como resposta ao presidente Michel Temer, frente à situação política, social e econômica que o país atravessa.
O slogan é ‘nenhum direito a menos’ e pelas prerrogativas, acredita Coelho, o movimento se encaminha com sucesso para a greve geral no final deste mês, quando o Brasil todo deve parar.

Texto: Ascom/Sindcomerciários